Manoel Herzog

15 de agosto de 2019, 22h55

O proletário desnorteado que foi à indigência

Manoel Herzog recomenda o romance "Desnorteio", de Paula Fabrio, “autora fundamental para se compreender a literatura brasileira contemporânea”

Paula Fabrio - Foto: Reprodução?YouTube/TV Cultura

Desde os primórdios que o romance tende a debruçar-se sobre a vida dos estamentos economicamente superiores da sociedade, a nobreza, até o século XVIII, a burguesia, no após. O final da Idade Média, a ascensão do capitalismo a partir das navegações ibéricas, trouxeram ao proscênio da arte a nova classe. Sem os atributos mais nobres (típicos, portanto, da nobreza) ao burguês pouco interessavam as artes, a não ser como forma de legitimar sua ascensão social.

A tragédia veio no momento em que ele desancou de vez a nobreza e perdeu-se o sentido maior da arte, as aspirações do espírito humano elevado, pois ao burguês importava tão somente sobreviver e desfrutar dos parcos bens materiais, amealhados a todo custo.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Revolução russa em diante assume o proletário o papel de protagonista, mas isso até o próprio proletário começar a obter alguma ascensão, pra se tornar o mais conservador dos seres e trazer o fascismo de volta à cena.

Da corte, tão bem retratada no romance europeu até o séc. XVIII, à burguesia, que o romance francês e inglês consagraram com Balzac e Dickens, até Victor Hugo, que redimiu a nobreza francesa, mais que a própria guilhotina, com Les Misérables, chegou-se no romance russo, que consagra a figura do povo pobre e trabalhador na Literatura. Há, todavia, uma camada social mais rasteira, que Marx batizou lúmpen, a subclasse abaixo de todos, o dalit indiano, o pobre de tudo, o sem nada, o que não influi politicamente, a última camada, a indigência. Dela se ocupe, talvez, a literatura contemporânea; Limonov, herdeiro da tradição russa, que o diga.

É este o exato foco do romance Desnorteio, de Paula Fabrio, autora fundamental para se compreender a literatura brasileira contemporânea. Vivemos um século em formação, mas já aponta no horizonte que a precarização das relações de trabalho, a decadência humana operada pelo laissez-faire elevado à sua pior potência, o neoliberalismo, a depauperação do humano frente ao corporativo, num horror histórico, trazem o miserável à cena.

O século pulula de foragidos políticos, refugiados de guerra, desempregados, motoristas de Uber, entregadores sem registro, pessoas jurídicas sem personalidade financeira, escravos com roupagem de colaboradores, toda a escatologia de uma época em que os direitos definitivamente soçobraram. Deste caldeirão caótico resta pouco além da indigência ao cidadão, e é sobre este tema que o romance de estreia da autora, vencedor do prêmio São Paulo em 2014 e agora reeditado pela Oficina (razão desta resenha), se debruça.

A história é a de três irmãos vindos de uma família que foi paulatinamente perdendo o status de classe média, proletarizando-se, empobrecendo e sendo empurrada pras bordas da sociedade, até que os últimos remanescentes decidem abraçar a indigência e a loucura, tudo permeado pela linguagem delicada desta autora que traz um facho de humanidade a tempos tão desumanos quanto os que vivemos.

Da primeira vez que li a obra veio-me uma lembrança afetiva que logo comuniquei à autora, julgando-a influenciada também, como eu era, pela leitura do Rua Descalça, de José Mauro de Vasconcelos. Paula me disse que não conhecia o livro, e ali vi que em Literatura podemos ser influenciados reversamente até pelo que não lemos de fato.

De toda sorte, dessa estreia em diante, e da amizade que entre nós nasceu por conta do livro, tenho acompanhado com interesse a prosa desta jovem mestra, que lançou na sequência um segundo romance, Um dia toparei comigo, e agora um juvenil, No corredor dos cobogós, que também recomendo vivamente.

Serviço: Desnorteio, romance, Paula Fabrio, Oficina da Autora, preço R$ 39,00.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum