Monica Benicio

23 de maio de 2019, 16h02

Afirmar-se sapatão é um ato revolucionário: criminaliza, STF. LGBTIfobia, não!

Monica Benicio: “É uma luta histórica que não se iniciou de fevereiro, na primeira votação, para cá. São anos e anos ocupando espaços e construindo coletivamente para avançarmos em nossas conquistas”

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Esta quinta-feira (23) pode ser um dia histórico de conquista para nós, LGBTIs. Novamente o STF julgará a LGBTIfobia como crime. A proposta é equiparar à criminalização da homofobia, tornando-a equivalente ao crime de racismo.

Quatro dos ministros votaram a favor em fevereiro (Edson Fachin, Celso de Mello, Alexandre de Moraes e Roberto Barroso) e, sim, temos grandes chances de o julgamento final ser pelo entendimento que as violências contra nossas orientações sexuais e diversidades de gênero serão crimes.

Durante esse período os movimentos de direitos humanos têm dialogado na perspectiva de politizar o debate para não incentivar o aumento do encarceramento e secundarizar a luta por acesso a políticas públicas para a população LGBTI. A compreensão pela criminalização da LGBTIfobia é um dos mecanismos de enfrentamento às violências, além de possibilitar visibilidade aos nossos direitos humanos de forma ampla e garantista.

A advogada curitibana Ananda Puchta, representante do coletivo sapatão CASSIA e da Aliança LGBTI, uma das principais vozes que ecoou no STF em fevereiro, na defesa da criminalização, afirma que “é importante à aprovação, pois faz com que o STF reconheça a necessidade de uma legislação protetora para a população LGBTI. A criminalização em si não é o modus operandi mais efetivo para que parem de nos matar. No entanto, ter uma legislação que possa responsabilizar os agressores é fundamental e necessário para que possamos avançar na garantia da cidadania e dignidade nossa”. Caso seja aprovada no STF, ainda teremos que garantir a efetiva legislação via Congresso Nacional.

É fundamental que a sociedade civil e o Estado apliquem medidas de prevenção, proteção e promoção aos nossos direitos. Isso perpassa pelo reconhecimento das nossas diversidades enquanto pessoas que existem, permanecem e pertencem ao meio social brasileiro, sendo lastimável os dados estatísticos de violências contra nossos corpos.

O patriarcado, a heterossexualidade compulsória, as masculinidades tóxicas, o machismo, o racismo são estruturas opressoras àqueles que não se encaixam nesses modelos de vida e que colonializam quem devemos ser. Esses mesmos modelos são os propulsores das matanças e torturas que geram às violências. É o não aceitar o outro. O Brasil é o país que mais mata transexuais, que mais violenta LGBTIs, não há como pensarmos em um Estado de bem-estar diante do medo de viver.

Temos esperança na data de hoje e na certeza que não deixaremos de continuar a reivindicar direitos para nós. Também não tenhamos dúvidas da importância dos movimentos sociais LGBTIs, que têm, de forma corajosa, se colocado nesse processo. É uma luta histórica que não se iniciou de fevereiro, na primeira votação, para cá. São anos e anos ocupando espaços e construindo coletivamente para avançarmos em nossas conquistas. Não dá mais para enterrar sonhos, contar os corpos tombados e estagnar frente à onda do conservadorismo nos parlamentos.

Eu sou sapatão e não haverá silêncio até que todas, todos e todes sejamos livres. Lembremos: ninguém solta a mão de ninguém. #CriminalizaSTF.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum