Colunistas

04 de março de 2018, 14h09

Nasce uma nova esquerda

A Conferência Cidadã, que ocorreu no sábado (3), em São Paulo, foi algo inédito nos últimos anos.

Guilherme Boulos e a vice na chapa Sonia Guajajara com os filhos na Conferência Cidadã Foto: Mídia Ninja

Aconteceu, neste sábado (3/3), a Conferência Cidadã, evento organizado pelos movimentos sociais para oferecer as candidaturas de Guilherme Boulos e Sônia Guajajara ao PSOL. Sônia já é filiada ao partido. Guilherme se filiará na tarde desta segunda-feira (5/3). Ambos precisarão do aval da Conferência Eleitoral do PSOL, que ocorre no próximo dia 10. Há outras pré-candidaturas inscritas, representando diferentes posições partidárias, todas elas legítimas. Mas por que, então, a imensa maioria da militância e da direção partidária, além da bancada federal do partido na Câmara dos Deputados, preferem Guilherme Boulos? Exatamente porque sua candidatura, como ficou demonstrado no evento de ontem, representa a confluência de diferentes lutas, extrapolando em muito as fileiras do PSOL.

O PSOL surgiu como um contraponto aos limites do projeto de conciliação liderado pelo Partido dos Trabalhadores após a vitória de Lula, em 2002. Foram tempos difíceis. Por muitos anos o partido “pregou no deserto”, sem que suas ideias tivessem o alcance necessário para alavancar um projeto radical de esquerda, alternativo ao petismo. Só com as crises econômica e política que atingiram o Brasil, a partir de junho de 2013, suas críticas passaram a ter maior acolhida na esquerda. Com o golpe que destituiu Dilma, ficou claro que a conciliação tinha limites estruturais. A história, enfim, dava razão ao PSOL.

Nesse processo de reflexão sobre os limites do lulismo, se forjou um novo campo político nos movimentos sociais. Esse campo inclui o MTST, as lutas pelo passe livre, as ocupações de escolas, a primavera feminista, uma nova geração de intelectuais críticos, artistas progressistas, o despertar das lutas indígenas, dentre muitos outros. Esse campo político, claramente “pós-lulista”, aponta agora a necessidade de oferecer uma alternativa ao povo brasileiro. Essa alternativa, que já vem sendo construída nas lutas contra a retirada de direitos, promovida pelo ilegítimo governo Temer, e na defesa da democracia, ganha agora expressão eleitoral.

O evento de ontem, na Casa das Caldeiras, foi algo inédito nos últimos anos. Um encontro entre diversas formas de resistência que decidem ir além: ocupar a política partidária, somando esforços com aquele que é hoje a única força política capaz de incorporar esse despertar de lutas e ir além dos limites impostos pela falsa democracia das elites: o PSOL. Estamos diante do encontro de gerações de lutadores históricos, como Ivan Valente, Luiza Erundina, Chico Alencar, Edmilson Rodrigues, que não se renderam às razões de Estado ou às ilusões da conciliação, com uma nova onda de movimentos sociais que expressam as contradições que a nova dinâmica da exploração capitalista produziu em nosso país. Um momento histórico.

É claro que o novo sempre causa estranhamento, desconforto. Muitos prefeririam manter tudo como está. Mas a história exige de nós ousadia. Um ciclo se encerra na política brasileira. Não há espaço para “acordos” com os donos do poder. A hora é de radicalidade e luta sem tréguas contra golpistas e todos os que querem destruir os direitos do povo brasileiro. Não há mais dúvidas: o novo começa a nascer.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum