Colunistas

09 de junho de 2018, 12h46

Notas Internacionais: Cuba alcança menor taxa histórica de mortalidade infantil

Em sua coluna, Ana Prestes retrata as notícias internacionais mais relevantes do dia. Segundo a ONU, Cuba é o melhor lugar da América Latina para uma criança nascer

– Começou ontem, sexta (8), e termina hoje (9), no Canadá, a cúpula do G7 (EUA, Canadá, França, Alemanha, Japão, RU e Itália). Prestes a viajar para Cingapura, onde ocorrerá na próxima semana (12) o histórico encontro com Kim Jong-un, Donald Trump só esteve no primeiro dia do encontro. Nos dias anteriores chegou a comunicar que não iria, sabedor das críticas de que é alvo pela promoção de uma guerra comercial tarifária, pelo rompimento no acordo do clima, por aumentar a crise na Palestina e pela saída do acordo nuclear com o Irã. Durante o encontro, o presidente norte-americano, apoiado pelo novo primeiro ministro italiano, Giuseppe Conte, defendeu que a Rússia volte ao grupo, suspensa desde 2014, quando da anexação da Crimeia após conflitos com a Ucrânia.

– Enquanto isso, do outro lado do mundo, na China, se reunirão neste sábado (9) os líderes máximos da China, Rússia, Índia, Irã e Paquistão. No dia de ontem (8), já em Pequim, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, recebeu de Xi Jinping a primeira Medalha da Amizade, nova honraria que os chineses destinarão aos estrangeiros mais próximos. Ocorre também ao longo do fim de semana a cúpula da Organização para a Cooperação de Shangai, um fórum de países asiáticos criado pela China. Xi e Putin, que acabam de ter seus mandatos renovados por longo período, compartilham 4000 quilômetros de fronteira e 90 bilhões de dólares de intercâmbio comercial (meta é chegar a 200 bilhões em 2020). Nas palavras de Xi nesta sexta, divulgadas pela imprensa internacional, “não importa como flutue a situação internacional, China e Rússia sempre consideraram o desenvolvimento de suas relações como uma prioridade”.

– A Argentina concretizou o empréstimo com o FMI. Serão 50 bilhões de dólares para serem pagos em 3 anos. As condições são de que o país reduza o déficit fiscal primário para 2,7% do PIB em 2018 (contra 3,2% da meta anterior) e para 1,3% em 2019 (contra 2,2% da meta anterior). Equilíbrio primário para 2020 (contra 1,2% de déficit da meta anterior) e 0,5% de superávit (meta era de 0%) para atingir um equilíbrio fiscal. A inflação ficou sem meta para 2018, segundo anúncio do Banco Central argentino, mas de 17% para 2019, 13% para 2020 e 9% para 2021.

– Enquanto economistas e burocratas do governo fazem contas, as ruas fervem na Argentina. Além das diversas e massivas manifestações em torno da votação da lei do aborto, alguns sindicatos e centrais preparam mobilizações para o próximo dia 14 de junho. Os mais radicalizados são os caminhoneiros, que estão chamando paralisação dos trabalhos em todo o país. Apesar da CGT estar priorizando as conversações com o governo, sobre as demandas de seus sindicatos afiliados, as duas CTAs (CTA Autônoma e CTA dos Trabalhadores) anunciaram ontem (8) que se somam ao chamado de paralisações dos caminhoneiros para 14 de junho. Outra data trabalhada é o dia 19 de junho, com referência à pauta entregue ao governo durante a marcha federal de 1º. de junho. Em 7 de junho, no dia do jornalista, houve várias mobilizações. Nos últimos 2 anos 3000 jornalistas perderam trabalho na Argentina.

– No México a campanha eleitoral continua mais violenta do que nunca. Ontem (8) foi assassinado Fernando Purón, ex-prefeito do município de Piedras Negras e candidato a deputado federal do distrito de Coahuila pelo PRI. Morto com um tiro na cabeça após participar de um debate em uma universidade.

– A situação eleitoral na Colômbia também não é tranquila, principalmente para os setores da esquerda que fazem luta social. Ao todo 98 líderes sociais já foram assassinados no país só em 2018, segundo relatório do Indepaz, Marcha Patriótica e Cumbre Agrária. Na semana que passou foi preso Julián Andre´s Gil Reyes, dirigente do Congresso dos Povos, também membro da Associação Nacional de Jovens e Estudantes da Colômbia.

– Na Nicarágua os conflitos chegaram às fábricas. Segundo relatos da CST, Central Sandinista de Trabalhadores, nos últimos dias trabalhadores de fábricas e maquiladoras foram provocados e atacados nos municípios de Tipitapa, Manágua e Masaya. Em algumas fábricas já são 3 dias sem trabalho. A maioria dos donos das maquiladoras é norte-americana, canadense, coreana e algumas europeias. O governo de Ortega já cogita que estão preparando um locaute contra o governo a partir das fábricas. Opositores entram encapuzados e ameaçando queimar os edifícios, maioria é trabalhadora, empresários suspendem produção por medida de segurança. Aos poucos, o país vai parando. Outras instalações, como hospitais, prédios de prefeituras, estações policiais, mercados públicos, têm sido atacadas.

– Também na Nicarágua, a Conferência Episcopal do país entregou, na quinta (7), ao presidente Daniel Ortega uma carta com propostas que, segundo eles, recolhe sentimentos de muitos setores da sociedade. O diálogo nacional de paz está suspenso pela Conferência Episcopal, mediadora do processo, diante do impasse na busca de consenso.

– Enquanto isso, Cuba alcançou esta semana a menor taxa histórica de mortalidade infantil. Segundo a ONU, o país é o melhor lugar da América Latina para uma criança nascer. A taxa é de 3,9 a cada mil nascidos vivos.

– Brasil terá até novembro para responder à OIT (Organização Internacional do Trabalho) sobre sua reforma trabalhista. Reunida esta semana, a organização não condenou o Brasil, mas ainda não fechou questão. O governo Temer, no entanto, fez vexame na reunião, disse que a decisão foi ideológica e não deu garantias de que responderá às questões da entidade. Um dos itens a serem respondidos é sobre como os sindicatos brasileiros foram consultados antes da aprovação da reforma.

– Na última sexta-feira do Ramadã, ontem, 8 de junho, foram intensificados os conflitos na Faixa de Gaza. Milhares de palestinos participaram de protestos no contexto da Grande Marcha do Retorno. Quatro palestinos morreram e fala-se em mais de 500 feridos. A última sexta-feira do Ramadã é também o Dia de Jerusalém, instituído desde a Revolução Islâmica do Irã em 1979. No Irã, ontem, milhares também protestaram em defesa dos palestinos e da Jerusalém palestina.

– Senado do Canadá aprovou na semana que passou a legalização do consumo da cannabis com fins recreativos. Foram 52 votos a favor e 30 contra, com uma abstenção. Texto agora vai para a Câmara e provavelmente será aprovado. A legalização foi uma das promessas de campanha do primeiro ministro Justin Trudeau.

– A Agência Nacional de Petróleo do Brasil (ANP) vendeu, na semana que passou, três dos quatro blocos de pré-sal que estavam em leilão. Trata-se da 4ª Rodada de Partilha da produção de pré-sal. Foram arrecadados 3,15 bilhões de reais.

– Brasil e Argentina terão escritório consular conjunto na Rússia, durante realização da Copa do Mundo de Futebol.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum