Colunistas

24 de abril de 2018, 19h33

O liberalismo enquanto forma de vida

O liberalismo não pode ser entendido e analisado apenas pelo viés da economia pois, desde o seu início, o sistema liberal foi pensado e organizado para moldar e controlar todas as esferas da vida

Algumas linhas de pensamento ligadas à sociologia, antropologia, filosofia e política têm atentado para o fato de que o liberalismo não pode ser entendido e analisado apenas pelo viés da economia pois, desde o seu início, o sistema liberal foi pensado e organizado para moldar e controlar todas as esferas da vida, isso desde o seu nascimento: em 1492, com a descoberta da América ou o chamado Novo Mundo.

Pensar no surgimento do liberalismo e do seu sistema econômico a partir da colonização da América e, posteriormente, da África, é a linha central do pensamento Descolonial (Quijano, Lugones, Grosfoguel, Anzaldua e Lander), pois, é neste tempo histórico que o regime feudalista começa a sair de cena para dar lugar ao capitalismo colonial. É neste momento, também, que surgem as primeiras teorias sobre raças e identidades. A Europa, enquanto centro do mundo – no sentido econômico e epistemológico – e a América – enquanto espaço geográfico a ser explorado e ausente de saberes.

Além de servir como plataforma para a formatação do que viria a ser o capitalismo tal como o conhecemos, a colonização da América e de parte da África foi um grande laboratório para todo o tipo de política e credo racistas que imperam até hoje. À construção do convencimento aos reinados imperiais se fazia necessário uma ideia que justificasse os genocídios perpetrados nos dois continentes em questão, para tanto, formatou-se a ideia de se tratar de corpos desalmados e consequentemente, subdesenvolvidos na mentalidade. Ou seja, a colonização foi cristianizada como uma benção a estes povos “perdidos”.

A partir da constituição hierárquica da ideia de raças é que surgem as identidades “negro”, “mulato”, “índio”, “chicana” (Lugones, 2008). Todas estas identidades serão utilizadas para construir a imagem do “homem branco europeu” e das raças “inferiores” e “superiores”. Ou seja, é impossível pensar um liberalismo sem a premissa do racismo, pois, as raças serão úteis a esta doutrina para justificar – como o faz até hoje – o lugar de cada um no capitalismo, seja em qual etapa for deste sistema.

Veja também:  Monica Benicio, viúva de Marielle, visita Lula: "Assim como Marielle, dedicou a vida a lutar pelos que mais precisam"

O sistema de raça será fundamental para a consolidação do liberalismo enquanto regime de vida a partir da segunda metade do século XVII.

Construindo uma forma de vida

Com a publicação de “A Riqueza das Nações” (Adam Smith, 1776), surge não apenas a ideia de um “livre mercado” que, aliás, à época foi considerado um escândalo pelos capitalistas de então, mas também todo um receituário de condutas de que o novo sistema deveria adotar, entre eles o abandono do regime escravista. Mas não se engane, Smith vai discorrer inúmeras páginas para justificar a sua proposta, mas não pelo viés humanista, mas unicamente econômico. Para o fundador do liberalismo, para que a expansão comercial avançasse de maneira plena era necessário abandonar o trabalho escravo e investir no trabalhador.

Mas, quando Adam Smith publica “A Riqueza das Nações”, o mundo ocidental já estava completamente racializado, logo, com a consequente abolição do trabalho escravo, estes encontrariam um “mercado” que ainda os trataria – trata até hoje – de maneira hierárquica – a disparidade salarial entre brancos e negros está aí para comprovar que ainda carregamos profundas marcas do sistema escravagista/colonial.

A partir do século XVIII, mas, com maior intensidade no XIX, surge aquilo que Foucault (2004) vai chamar de “governamentalidade”, ou seja, o governo das mentes. Nesta segunda etapa do liberalismo, ao contrário do que lemos por aí, o Estado será uma ferramenta eficiente e necessária para educar os corpos e suas respectivas vidas. Nesta etapa, o liberalismo (ou neoliberalismo) passa a editar normas de vida, quem resume muito bem este momento são os filósofos Dardot e Laval (2017), ao colocar que:

Veja também:  Com economia brasileira no mesmo rumo da argentina, Guedes pede "um ano ou dois" para seu governo liberal

“O neoliberalismo não destrói apenas regras, instituições, direitos. Ele também produz certos tipos de relações sociais, certas maneiras de viver, certas subjetividades. Em outras palavras, com o neoliberalismo, o que está em jogo é nada mais nada menos que a forma de nossa existência, isto é, a forma como somos levados a nos comportar, a nos relacionar com os outros e com nós mesmos. O neoliberalismo define certa norma de vida […] essa norma impõe a cada um de nós que vivamos num universo de competição generalizada, intima os assalariados e as populações a entrar em luta econômica uns contra os outros, ordena as relações sociais segundo o modelo do mercado, obriga a justificar desigualdades cada vez mais profundas, muda até o indivíduo, que é instado a conceber a si mesmo e a comportar-se como uma empresa”.

Atenção para a última linha da citação acima: o liberalismo constrói mentalidades que se pensam enquanto empresas. Aqui surge uma disputa de forma de vida que o campo socialista perde desde a queda da União Soviética (URSS) – que desde o seu início trabalhava para a construção do novo homem, assim como tantos outros revolucionários pregavam como forma de combater o modelo liberal: uma nova forma razão de ser juntamente com um novo sistema, que não mais funcionasse a partir da exploração de classe, raça e gênero, raiz do sistema capitalista.

Veja também:  "Aquaman" é "preso" em protesto em defesa do Meio Ambiente, no Havaí

Dentro desta linha de raciocínio a expressão que se tornou muito popular a partir da eleição de 2016 no campo da esquerda – “o pobre de direita” para justificar a eleição do alto número de governos liberais nos municípios – se mostra equivocada. Até porque, ao falarmos “pobre de direita” estamos assumindo que perdemos a disputa pela subjetividade e sonhos das pessoas por uma sociedade mais justa e não classista. Assumimos também que o projeto socialista foi derrotado por inteiro e que hoje fazemos uma luta por um “liberalismo mais humanitário”, coisa que não existe.

Quando pensamos em um regime fora do liberalismo o horizonte é um tanto desesperador mas, como tudo, trata-se de um processo histórico. Aqui e ali, no Ocidente, surgem propostas e governos que avançam, mas todos ainda dentro dos limites liberal. O fato é que por um bom tempo as formas de vida e governança serão ditadas pelo liberalismo – com algumas fissuras no caminho é certo -, porém, com aquela pitada de utopia e otimismo de que um dia iremos superar tal regime, que organiza os corpos a partir das classes, nações, raças, gênero e orientação sexual.

Referências

A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal, Pierre Dardot e Christian Laval (Boitempo, 2017).

A Riqueza das Nações, Adam Smith. (Martins Fontes, 2016).

Colonialidad y Género, Maria Lugones (2008)

A colonialidade do saber: eurocentrismo e Ciências Sociais, Anibal Quijano (CLACSO, 2005).


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum