Colunistas

19 de Maio de 2018, 10h31

“O Processo” é cinema dos bons (e tem lado)

Julian Rodrigues escreve novo artigo e aborda o documentário de Maria Augusta Ramos: “O filme garantiu seu lugar na trajetória da construção histórica da interpretação popular sobre os eventos de 2016”

Foto: Lula Marques/Agência PT

“O documentário é aquela película que pode mostrar a realidade como não podemos ver, como não queremos ver e como não conseguimos ver sem a mediação dessa linguagem. Mas é preciso penetrar, investigar a realidade e em alguns casos os elementos não se ajustam e nós os simplificamos, recortando-os. Portanto, o documentário é um recorte da realidade que estamos trabalhando e o que está em questão é: que procedimentos utilizamos para contar uma história? Como se denuncia? Como se intervém? Como se mobiliza? Como criamos uma consciência”. Patrício Cool, cineasta argentino.

É dolorido assistir ao aclamado e esperado filme de Maria Augusta Ramos. Reviver aqueles espantosos meses de 2016 é voltar a um redemoinho de sentimentos e reflexões. Assistir ao filme em cinema comercial em São Paulo – sem saber direito o que esperar da plateia transforma a experiência em algo muito solitário e até angustiante.

O filme é muito bem feito, muito bem montado, produzido em tempo recorde. Já mereceria a deferência pelo pioneirismo. O talento da diretora e sua equipe transforma a experiência de assistir ao documentário prazerosa, informativa e instigante.

Há humor e há tensão – há drama e há jornalismo. A belíssima tomada de abertura que, do alto, mostra a esplanada dos Ministérios como um campo de batalha rigorosamente dividido entre vermelhos e verde-amarelos pode induzir à conclusão de que o documentário teria a pretensão à neutralidade, que iria tentar mostrar de forma “imparcial” os acontecimentos.

Ledo engano. Maria Augusta Ramos foca a narrativa no grupo de senadores da esquerda que se opuseram ao impeachment, mesmo concedendo generosos espaços a alguns personagens centrais da pantomina golpista.

Eduardo Cunha tem seus minutos, Cássio Cunha Lima aparece em muitas cenas, Anastasia, idem. Aécio, bem menos. A personagem central do time do impeachment é Janaína Pascoal, retratada detalhadamente pela diretora. A propósito: a cena em que a professora uspiana toma um “toddynho” enquanto trabalha em seu laptop já valeria  o filme.

A história vai sendo contada não só por meio das falas dos personagens, mas pelo que a câmera capta das expressões faciais das pessoas. Momentos de puro humor, como os das reações discretas, mas absolutamente expressivas de Gleisi. Ou os olhares de Zé Eduardo Cardoso ante à  performance absurda da impetrante da denúncia contra Dilma.

Não esperem um filme panfletário, ou explicitamente propagandístico. As informações que intercalam os blocos são bastante factuais, mas seu entrelaçamento e a lógica da edição não deixam dúvidas sobre o posicionamento da diretora.

Maria Augusta elege algumas personagens centrais do lado de cá.  Lindbergh: guerrilheiro e apaixonado; Gleisi: racional e combativa; Vanessa: doce e comprometida; Fátima Bezerra: indignada e crítica; José Eduardo Cardoso: brilhante e cirúrgico. E Dilma: altiva, soberana, serena. Do lado de lá o foco é mesmo em  Janaína Pascoal , que parece ter impactado a diretora e roteirista.

Senti falta das legendas para identificar os personagens. Ninguém “é obrigado” a conhecer e saber o papel de cada um deles.

A absoluta ausência da mídia e do judiciário me chamaram a atenção.  O corte realizado ignorou o papel dos promotores, dos juízes, do Moro e da Globo, em todo o bizarro  processo.  A narrativa se fecha sobre o Congresso Nacional, particularmente sobre o Senado. Uma escolha da diretora.

São 137 minutos – opção ousada e bem-sucedida porque não há tédio ou cansaço ao assistir ao filme. Outro golaço foi conseguir emplacar o documentário no circuito de cinema comercial de  muitas capitais brasileiras.

A derrota do golpe de 2016 passa pela disputa cultural, simbólica, narrativa.  Livros, “papers”, peças de teatro, charges, performances, músicas e filmes são ferramentas dessa guerra pela democracia.

“O Processo” já garantiu seu lugar na trajetória da construção histórica da interpretação popular sobre os eventos de 2016.

Parabéns à Maria Augusta Ramos. Corram aos cinemas!

P.S.: Ao final da sessão abri o peito e bradei: “Lula Livre”; tímidos aplausos se seguiram, mas foram suficientes para me encorajar a gritar mais duas vezes a palavra de ordem; minha voz ecoou solitária, mas ao menos ninguém me hostilizou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum