O trabalhador e a luta de classes

Na coluna de Daniel Valença: "é necessário que a única classe que é universal tome o poder político"

Em 05 de maio de 1818 nascia Karl Marx. Ao lado de Friedrich Engels, ele comporia a dupla mais genial que já esteve a serviço da luta das classes trabalhadoras. Para além da militância política, constituíram, em vasta obra, uma teoria social da revolução e da classe trabalhadora.

Apontaram que as formas econômicas e políticas são históricas; isto é, aquelas relações econômicas e aquele Estado burguês que se consolidavam, corresponderiam a um determinado estágio da humanidade; transitório e não permanente e, menos ainda, não seria o mais evoluído.

Marx e Engels desvelaram também “leis gerais” do capitalismo, ou seja, tendências históricas. A lei da mais-valia, por exemplo, faz com que as relações entre a exploração da força de trabalho, a matéria prima e os meios de produção gerem uma riqueza superior (…) à inicialmente investida pelo capitalista. Como consequência, em médio prazo, a riqueza produzida provém do trabalho socialmente implementado, e não do investimento capitalista.

Disto resulta que o capitalismo obtém uma capacidade extraordinária de revolucionar suas forças produtivas e, assim, substituir trabalho vivo por trabalho morto, basta observar que cada vez mais máquinas substituem humanos.

Se a taxa de lucro advém da exploração da força de trabalho (trabalho vivo), então a tendência é a queda na taxa de lucros.
Outra tendência é que, ante a substituição do trabalho vivo pelo trabalho morto, ocorram crises de sobreacumulação: é cada vez maior o volume de mercadorias, bem como cada vez menor a capacidade das mercadorias se realizarem (serem consumidas).

A lei da expansibilidade ilimitada, que advém da mais-valia, fez com que, já no século XIX, os fundadores da filosofia da práxis apontassem para a tendência do capitalismo inglês fazer do mundo sua imagem e semelhança, levando estas relações capitalistas para cada rincão do globo.

De tais leis também decorre a concentração de riquezas e oligopolização. Não à toa, seis brasileiros detém a mesma riqueza que cem milhões de brasileiros. Ainda hoje, portanto, amplas massas não conseguem ter suas necessidades básicas satisfeitas.

No entanto, a oposição entre a concentração de meios de produção e riquezas, de um lado, e, de outro, amplas massas despossuídas de forças produtivas e inseridas em relações sociais de produção cada vez mais coletivas, leva à necessidade e possibilita a sua superação.

Mas isto não decorrerá do próprio sistema; Marx e Engels apontavam a capacidade revolucionária do Capitalismo de se reerguer e, após cada crise, concentrar mais capitais. Para derrubá-lo, não bastam políticas públicas, valores humanistas ou boa vontade; (…) é necessário que a única classe que é universal – todos podem ser trabalhadores, mas nunca todos poderiam ser camadas médias ou burguesas – tome o poder político.

Por tudo isto, viva Marx, Engels, e toda a história de luta das classes trabalhadoras. E viva, antes de tudo, o socialismo, a luta por uma sociedade sem classes, explorações ou opressões.

Daniel Araújo Valença, professor na graduação e mestrado em Direito na UFERSA, Vice-Presidente do PT/RN

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Avatar de Daniel Valença

Daniel Valença

Professor do Programa de Pós-graduação em Direito da UFERSA, doutor em Direito pela UFPB, coordenador do Grupo de Estudos em Direito Crítico, Marxismo e América Latina (Gedic). Vice-presidente do PT/RN.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR