Plínio Teodoro

24 de fevereiro de 2020, 06h45

Mangueira leva “Jesus da gente” negro, índio, mulher e crivado de balas para a Sapucaí

Mangueira mostrou a força do samba como resistência a Jair Bolsonaro e teve o verso que fala que não existe "messias de arma na mão" ignorados na transmissão da Globo. Das arquibancadas, porém, uma sonora "homenagem" ao presidente abriu o desfile

Desfile da Mangueira levou Jesus da Gente à Sapucaí (Reprodução)

Um “Jesus da gente” que apanha da polícia, mulher, indígena, foi crivado por balas na cruz e ressuscitou negro em meio à comunidade da favela. Com o enredo “A Verdade vos fará livre”, a Estação Primeira de Mangueira (ou de Nazaré, como é cantado nos versos) mandou recado direto sobre a hipocrisia dos profetas da intolerância que apoiam o governo Jair Bolsonaro.

Relembre: Em 2018, Mangueira homenageou Marielle Franco e foi a campeã do Carnaval

Os versos que remetem diretamente a Bolsonaro, que falam que “não tem futuro sem partilha, nem messias de arma na mão” foram ignorados por Fátima Bernardes e Alex Escobar na transmissão ao vivo da Globo. Mas, o presidente foi lembrado logo no início do desfile da escola com um sonoro “Eih, Bolsonaro, vai tomar no cu” vindo das arquibancadas.

Logo na Comissão de Frente, a Mangueira trouxe um Jesus indigente, como muitas vezes tratado na Bíblia, acompanhado de “apóstolos” marginalizados, que apanha da polícia e dança funk sobre a mesa da Santa Ceia.

Na sequência, um Jesus negro como mestre-sala reverencia a porta-bandeiras “Mangueira”.

No desfile, várias foram as diretas ao governo Jair Bolsonaro, além dos versos interpretados por uma bateria que tinha à frente a rainha Evelyn Bastos como Jesus mulher, que nas diversas entrevistas que deu indagou sobre como seriam os inúmeros casos de feminícidio se Cristo fosse mulher.

Uma ala da escola fez referência à máxima bolsonarista, um tanto esquecida, de que “bandido bom é bandido morto”. Logo atrás um Cristo crucificado gigante, com ares de menino do morro, é erguido crivado de balas em um carro que mostra ainda a crucificação de mulheres, LGBTs, indígenas e outras minorias.

Para fechar o desfile, a Mangueira ainda ressuscitou Jesus negro com manto verde e rosa ascendendo ao céu no meio da favela.

Sob direção do carnavalesco Leandro Vieira, a Mangueira fez frente ao discurso hipócrita da extrema-direita cristã bolsonarista e mostrou mais uma vez que é na força do samba e na cultura popular onde se encontra a verdadeira resistência, desde os tempos de Nelson Sargento, que representou José negro, ao lado de Alcione, como Maria.

https://twitter.com/PopZonebr/status/1231798632971751426

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum