terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

Movimento extremista QAnon repete mentiras de milícia digital bolsonarista em eleição de Trump nos EUA

As ligações entre Jair Bolsonaro e Donald Trump vão muito além da relação fã e ídolo já externada pelo presidente brasileiro. A derrubada de 7 mil perfis do movimento extremista QAnon pelo Twitter na última semana – dias depois do Facebook derrubar contas ligadas à milícia digital bolsonarista – revela que a ultradireita desenvolveu e compartilha o mesmo método para manipular eleitores e fraudar eleições mundo afora com fake news e discursos de ódio nas redes sociais.

Leia também: Twitter derruba 7 mil contas de movimento de ultra direita que prega teoria da conspiração contra Trump

A receita, que havia sido aplicada de forma mais tímida contra Hillary Clinton em 2016 e replicada mundo afora pela extrema-direita, tem ganhado força na campanha à reeleição de Trump, que já ostentou o Q gigante que identifica os simpatizantes do movimento extremista nos comícios e atos dos republicanos.

Teses estapafúrdias difundidas em redes sociais e grupos de Whatsapp sobre ligação de adversários políticos com pedofilia e tráfico de drogas, conspirações clandestinas contra candidatos da ultradireita, teorias “satânicas” contra cristãos e “comunistas” contra “valores ocidentais” que, mais recentemente, ganhou força com o vírus chinês produzido por comunistas em laboratório ganham ares de pós-verdade e criam uma nova escala do terror entre eleitores, que são conduzidos sob a vara do medo aos currais eleitorais.

O Movimento QAnon, que teve as contas deletadas pelo Twitter, foi criado em 2017 nos EUA, seguindo a saga “pizzagate”, de 2016, quando uma teoria da conspiração ligava políticos do partido Democrata a um esquema de pedofilia tramado dentro de uma pizzaria em Washington.

Em outubro de 2017, no quadro de mensagens anônimas 4chan, um usuário que assinou suas postagens como “Q” – daí o nome QAnon – afirmou ter alta autorização de segurança dentro do governo dos EUA e iniciou a criação das teorias conspiratórios, que se propagaram e ganharam força nas redes.

Q se comunica em postagens enigmáticas e afirma estar diretamente envolvido em uma investigação secreta liderada por Trump de uma rede global de abusadores de crianças.

Nos seus quase três anos de existência, a conspiração atraiu enorme tráfego no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e Reddit, atraindo centenas de milhares, incluindo celebridades e dezenas de candidatos que concorrem ao Congresso estadunidense neste ano.

Além dos planos da tal seita secreta contra Trump, o principal discurso para compor as fake news para as eleições deste ano gira em torno do “vírus chinês”, que teria sido espalhado pelo “deep state” – uma relação às profundezas da política que atua nos bastidores – para implantação do comunismo no mundo.

Qualquer ligação com o discurso de ódio e as fake news espalhados por aqui pelo clã Bolsonaro, elaboradas pelo guru Olavo de Carvalho, não são mera coincidência. E cá, como lá, a estratégia do medo por meio da mentira tende a se repetir em 2022 com as eleições presidenciais.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.