Colunistas

30 de novembro de 2018, 13h02

Presidente chileno promulga lei que permite pessoas mudarem de sexo a partir dos 14 anos

Leia este e outras notícias nas Notas Internacionais, por Ana Prestes

Foto: Foreign and Commonwealth Office

Notas internacionais (por Ana Prestes) 30/11/18 

– A prisão do governador do Rio de Janeiro no dia de ontem (29) foi amplamente divulgada pela imprensa internacional. New York Time, Washington Post, Clarín, El País, BBC, Le Monde… entre outros.

– Sobre o encontro com John Bolton, Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, no dia de ontem (29), Bolsonaro comentou que quer uma “grande aproximação” com Washington e que existe a possibilidade de Trump vir à sua posse em 1º. de janeiro. Bolton também trouxe um convite de Trump para uma visita oficial do presidente, após empossado, aos EUA. Ainda segundo Bolsonaro, foi falado sobre geopolítica, questão armamentista, Venezuela e Cuba.

– Presidente Macron, da França, se referiu ontem à “mudança política” no Brasil e se disse contrário a firmar acordos com países que não respeitam o Acordo de Paris e que não se comprometem a agir contra os efeitos das mudanças climáticas.

– Por falar em mudanças climáticas, um relatório da Organização Meteorológica da ONU, divulgado nesta quinta (29), prevê que as temperaturas globais devem aumentar entre 3 e 5 graus celsius neste século. Cientistas afirmam que o ideal é manter o aumento em até 2 graus para evitar elevação do nível do mar e perda de espécies de plantas e animais.

– Dez anos após a formação da plataforma do G20, no enfrentamento da crise econômica mundial de 2008, está emperrada a possibilidade de um documento final no encontro que começa hoje em Buenos Aires. O conflito entre EUA e China está no centro do impasse. Só neste ano de 2018, o encontro do G7 e o da APEC não conseguiram chegar a documentos finais consensuais, devido à postura norte-americana.

– Trump cancelou mesmo seu encontro com Putin durante o G20. O cancelamento foi justificado pela recusa russa de devolver as três embarcações ucranianas apreendidas no estreito de Kerch, mar de Azov, na península da Criméia. Um porta voz do Kremlin disse ter sabido do cancelamento pelo Twitter e que não houve comunicado oficial da diplomacia americana.

– Ainda sobre o conflito entre Rússia e Ucrânia, ontem (29) o presidente ucraniano Poroshenko pediu à OTAN o envio de embarcações de guerra para a região do mar de Azov. O presidente, que está mal posicionado na corrida eleitoral, afirma que a Rússia já anexou a Criméia e agora quer anexar todo o país. A chanceler Angela Merkel pediu prudência a Poroshenko, durante um encontro em Berlim, e disse que tratará o tema com Putin no G20. A Ucrânia não é membro da OTAN.

– Ao chegar em Buenos Aires, para o G20, o presidente Temer disse que defenderá o multilateralismo e não o isolacionismo durante o encontro. Ele participa hoje da abertura do encontro e de uma reunião informal com os países membros do BRICS.

– O presidente do Chile, Sebastián Piñera, promulgou uma Lei de Identidade de Gênero que permite às pessoas mudarem de sexo em sua documentação a partir dos 14 anos de idade. Durante a promulgação da lei, Piñera anunciou que se estava colocando fim a uma injusta discriminação em uma sociedade com muitos preconceitos. Para os jovens entre 14 e 18 anos será necessária autorização dos pais. A questão ganhou muita visibilidade no país após o filme chileno “Uma mulher fantástica” ter ganhado o Oscar de melhor filme estrangeiro neste ano de 2018.

– O Senado norte-americano aprovou uma resolução para retirar a participação dos EUA na guerra do Iêmen, na qual hoje apoia a Arábia Saudita. Estima-se que mais de 8 milhões de pessoas estejam passando fome no Iêmen e cerca de 57 mil já morreram.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum