Colunistas

31 de outubro de 2018, 16h48

Quando é que não foi permitido matar LGBT, mulheres e negr@s no Brasil?

é preciso coragem, mas mais aos partidos à esquerda e seus dirigentes para se repensarem daqui pra frente: andar lado a lado com a gente, ceder lugar nos espaços de tomadas de decisão, deixar que a gente fale

Foto: NINJA

Nas duas semanas que antecederam a realização do segundo turno da eleição presidencial uma narrativa tomou conta das conversas nas redes e nas ruas: o medo de que a morte de alguns grupos se tornaria algo comum e legitimado. Falava-se, claro, das LGBT, mulheres e as pessoas negras. Mas, a pergunta que se deve fazer é: quando é que o assassinato desses corpos não foi permitido no Brasil?

Alguns podem considerar o questionamento um tanto radical, mas não: os dados mostram que o Brasil está entre os países que mais mata mulheres do mundo; a “Guerra às drogas” chacina jovens negr@s cotidianamente; e as LGBT são, também, diariamente vítimas da violência promovida pelo ódio. E, desde a redemocratização pouco ou quase nada foi feito para se trabalhar a diminuição dessas mortes. Pelo contrário, sempre que pode, os governos de esquerda rifaram estas pautas para fazerem acordos espúrios com aqueles que acabaram de chegar no poder.

A violência contra estes três grupos sociais sempre foi legitimada e ignorada pelos aparelhos de Estado. Ainda que, nos últimos dez a imprensa – tradicional ou não-tradicional – tenha repercutido cada vez mais. O fato é que, desde a fundação do Estado moderno – este modelo que convivemos até hoje – alguns corpos são matáveis, ainda que o texto da lei diga o contrário, mas o mesmo texto não os alcança, e isso não é por insuficiência, é proposital.

Portanto, este é um grande momento para os partidos de esquerda reverem as suas posturas em torno destes grupos sociais que estão organizados nas redes e nas ruas. Não lembrar deles apenas nas épocas eleitorais.  Não mais rifar as suas pautas para fazer acordo com aqueles que desenham o extermínio desses grupos.

Falou-se muito, desde a vitória de Bolsonaro, de que o momento pede coragem. Com certeza, mas, as LGBT, mulheres e negr@s sempre caminharam com esta coragem, pois, nunca lhes foi dado o privilégio de não se preocupar com o seguinte fato: se eu sair de casa hoje, volto vivo? Isso faz parte de nossas vidas, desde que descobrimos que nossos corpos e sexualidades não fazem parte da normatividade.

Portanto, é preciso coragem, mas mais aos partidos à esquerda e seus dirigentes para se repensarem daqui pra frente: andar lado a lado com a gente, ceder lugar nos espaços de tomadas de decisão, deixar que a gente fale… É desse jeito que a esquerda clássica e a nova vão se reconectar com estes grupos que estão cansados de serem moeda de troca: mulheres, LGBT, os trabalhadores, as pessoas que não vivem em regiões centrais e por aí adiante.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum