Raimundo Bonfim

19 de fevereiro de 2020, 23h28

Chuvas, caos e mortes: a falência do modelo privatista de cidades

Leia na coluna de Raimundo Bonfim: “A tragédia e o caos nas cidades não decorrem da ausência de planejamento e de gestão. É resultado de opção política. Precisamos defender o direito à cidade”

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Neste início de ano, somos a cada dia surpreendidos com dados alarmantes relacionados à alta incidência de chuvas no verão brasileiro: alagamentos, deslizamentos de terra, muitas pessoas que perdem suas casas e mortes.

Só em Minas Gerais, desde 24 de janeiro, 60 pessoas morreram vítimas das chuvas e mais de 200 cidades estão em situação de emergência ou calamidade pública. Em São Paulo, as chuvas da última semana mataram ao menos quatro pessoas, paralisaram a capital, a região metropolitana de São Paulo e muitas cidades do interior.

Os problemas em decorrência da chuva não são novidade, mas impressionam neste ano pelo aumento da escala, que decorre do modelo privatista e especulativo que domina a gestão urbana no país. As cenas que temos assistido todos os dias e o sofrimento do povo com as chuvas, que prejudicam a vida sobretudo das classes populares, são resultados de um urbanismo voltado apenas para a especulação imobiliária e a concentração de renda.

É preciso lembrar que o governo Bolsonaro acabou com o Ministério das Cidades, órgão antes responsável pelas políticas urbanas, e acaba de nomear como ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho, um destruidor de direitos. Marinho foi um dos articuladores da privatização da nossa previdência e da redução dos direitos trabalhistas, e certamente nesse novo posto intensificará políticas de especulação financeira nas cidades.

Isso significa que teremos ainda menos investimentos públicos para o combate às enchentes, canalização de recursos para obras de interesse privado que pouco contribuem com a qualidade de vida das populações das cidades (um exemplo é a “despoluição” do Tietê em São Paulo – são mais de R$ 9 bilhões nesses 25 anos de governos PSDB sem qualquer resultado concreto), e ausência de manutenção de galerias pluviais, córregos e rios, de piscinões, de limpeza de boca de lobo e a falta de parques e áreas verdes.

O governo federal, os governos estaduais e os municipais destinam os recursos públicos para financiar privatizações de serviços e favorecer o mercado, em detrimento do bem-estar nas cidades.

Para completar o descaso, o governo federal de Jair Bolsonaro promove uma política de destruição ambiental, que agrava a situação climática no Brasil e no mundo. Em momentos de chuvas em maior intensidade, toda a população acaba sofrendo com as consequências de uma cidade pensada para poucos e voltada apenas para o lucro. Nesse contexto, quem mais sofre é o povo pobre e vulnerável, expulso das áreas mais valorizadas das cidades e condenado a viver em áreas sem infraestrutura urbana.

Publicação recente do Fórum Nacional de Reforma Urbana mostra o desmonte da política urbana federal nos governos Temer e Bolsonaro e sua consequência para a vida nas cidades.

São exemplos levantados o “fechamento dos espaços de participação social na discussão das políticas públicas, incluindo o Conselho das Cidades”, a criminalização das lideranças e movimentos sociais que lutam pela cidade como um direito, e não mercadoria, o desmonte do Programa Minha Casa Minha Vida, das políticas de urbanização de favelas e da legislação fundiária, com a substituição da Lei nº 11.977, que “tratava da regularização fundiária assentada em um modelo de regularização fundiária plena, com foco na garantia de direitos” pela lei 13.465/17, “fundada na formalização de títulos de propriedade privada”.

Corremos ainda o risco da situação se agravar profundamente, caso sejam aprovados o PL 3261/2019, de privatização do saneamento básico, e o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 495/2017, que cria os chamados “mercados de água”, à semelhança do que foi criado no Chile, privatizando nosso bem comum mais importante à vida.

Para mudar essa realidade, precisamos debater uma reforma urbana popular, que organize cidades voltadas para a promoção de direitos de todas e todos e não para a especulação e o enriquecimento de uma minoria privilegiada. Pela cidade como um direito e não mercadoria. A tragédia e o caos nas cidades não decorrem da ausência de planejamento e de gestão. É resultado de opção política. Precisamos defender o direito à cidade. A resistência está nos territórios.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags