Raimundo Bonfim

01 de maio de 2019, 07h48

1° de Maio: centrais sindicais e frentes populares unificadas irão às ruas em defesa dos direitos

"Este ano é a primeira vez que todas as centrais sindicais, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, farão manifestação unificada. Um avanço na unidade de todo o movimento social brasileiro", afirma Raimundo Bonfim

Foto: CUT

Assim como no dia 1° de Maio de 1886 trabalhadores (as) de Chicago fizeram nos Estados Unidos, hoje, em todo o país, sairemos às ruas para lutar contra o desmonte da Previdência Social e o fim da aposentadoria, por empregos, salários justos e condições de trabalho.

Este ano é a primeira vez que todas as centrais sindicais, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, farão manifestação unificada. Um avanço na unidade de todo o movimento social brasileiro.

O desmonte da Previdência pública é a principal proposta do governo Bolsonaro para entregar aos banqueiros a administração do regime de capitalização, pelo qual o trabalhador contribui sozinho para um plano de Previdência privada. Se aprovada, será praticamente o fim da aposentadoria, além de desmantelar todo o sistema de proteção e benefícios sociais. A proposta é uma tragédia para os trabalhadores e trabalhadoras, sobretudo para os de baixa renda, a grande maioria da população brasileira, que começa a trabalhar ainda jovem, ganha baixos salários e passa vários períodos de desemprego e sem carteira assinada.

O argumento do governo e dos patrões é de que o envelhecimento da população, a queda da taxa de natalidade e o valor pago pelas aposentadorias tornam a Previdência insustentável.

Porém, se considerarmos as contribuições dos trabalhadores, mais a do governo (PIS/PASEP, CSLL, Confins, importações) a Previdência Social tem superávit e não déficit. O governo mente para a população.

A proposta não combate privilégios dos militares e outros setores, tampouco as desigualdades. Ela ataca os trabalhadores que ganham menos.

Os trabalhadores da iniciativa privada sustentam o pagamento da aposentadoria desse segmento. O problema é que o governo Bolsonaro, os banqueiros e a grande mídia escondem do povo que os militares representam apenas 1% do total de aposentados do País, mas respondem por 15,4% do que eles chamam de déficit da Previdência.

Outro absurdo é aumentar a idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens, e de 62 anos para mulheres, além do tempo mínimo de contribuição de 15 anos para 20 anos. Pela proposta, para se ter direito ao valor integral é preciso 40 anos de contribuição e 65 anos de idade (homens) e 62 anos (mulheres). Em diversos bairros da periferia de São Paulo, a expectativa de vida não ultrapassa os 60 anos. As pessoas irão morrer sem se aposentar.

As maldades contra a classe trabalhadora são infinitas. Querem reduzir o abono salarial do PIS/Pasep. Hoje se paga um salário mínimo (R$ 998) para quem ganha até dois salários mínimos. Só terá direito quem ganha até um salário mínimo, prejudicando mais de 23 milhões de pessoas que deixarão de receber o benefício.

A demolição da Previdência prejudica mais as mulheres. Se forem do meio urbano terão que trabalhar dois anos a mais; no meio rural, cinco anos a mais. E justamente elas, que cumprem dupla e até tripla jornada, por causa dos trabalhos domésticos. Mesmo assim, irão ter o mesmo tempo mínimo de contribuição que os homens (20 anos), e para receber o valor integral terão que contribuir por 40 anos.

Para além de proporcionar o direito à aposentadoria, a Previdência pública garante o Sistema de Seguridade Social, aportando recursos para políticas sociais de combate à desigualdade. A política social mais importante é o BPC (Benefício de Prestação Continuada), hoje, no valor de R$ 998,00. Se a proposta for aprovada pelo Congresso, as pessoas entre 60 e 70 anos irão receber R$ 400,00/mês. Uma esmola que não dá nem para comprar um caixão para o enterro.

O governo estima que irá economizar R$ 1 trilhão em dez anos. Na verdade trata-se de retirar esse valor do bolso da população. As consequências disso? Menos consumo, menos produção, menos arrecadação, mais desemprego, mais miséria e mais desigualdade.

A solução para a Previdência não é cortar ou dificultar aposentadorias e benefícios. O remédio eficaz é retomar o crescimento e desenvolvimento econômico, investimentos privados e públicos, dar crédito à população, combater privilégios, fraudes, sonegação, além de criar condições para que milhões de trabalhadores contribuam com Previdência. A solução é não é cortar direitos, mas aumentar as receitas.

Hoje, 1º de Maio de 2019, em todo país, os trabalhadores (as) sairão às ruas para protestar contra a proposta da Previdência que está tramitando na Câmara dos Deputados, que, se aprovada, será o mais violento ataque da burguesia à classe trabalhadora.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum