Raimundo Bonfim

25 de setembro de 2019, 23h47

O grito das favelas em defesa da vida e contra o genocídio da população pobre e negra

"Condenar o policial que disparou contra Ágatha não seria justiça suficiente. Os verdadeiros responsáveis pelo assassinato não só dela, mas de centenas de outras crianças e jovens, são Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, João Doria e Wilson Witzel. São esses governantes que têm liderado recentemente no país discursos, atos e medidas de uma política de extermínio dos mais pobres"

Foto: Mídia Ninja

Na última sexta-feira, Ágatha Vitória Sales Félix, 8 anos, foi alvejada por um tiro de fuzil nas costas quando seguia dentro de uma Kombi para casa. Ela estava acompanhada pela mãe e pelo avô, no Complexo do Alemão, na Cidade Rio de Janeiro.

Condenar e prender o policial que disparou contra Ágatha não seria justiça suficiente. Os verdadeiros responsáveis pelo assassinato não só dela, mas de centenas de outras crianças e jovens, são Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, João Doria e Wilson Witzel. São esses governantes que têm liderado recentemente no país discursos, atos e medidas de uma política de extermínio dos mais pobres, afetando principalmente a juventude e as crianças, infelizmente com aplausos e respaldo de ampla parcela da classe média.

Lembremos que João Doria afirmou que a Polícia Militar do estado de São Paulo sob seu comando é “para atirar e matar”. Wilson Witzel se junta a policiais que do alto de helicóptero disparam em comunidades indefesas. Jair Bolsonaro e Sérgio Moro patrocinam projeto de abrandamento da punição à agentes de segurança que cometam excesso em suas atividades. A chamada excludente de ilicitude, prevista na proposta em trâmite na Câmara dos Deputados, prevê que o juiz possa reduzir a pena até a metade ou deixar de aplicá-la se o excesso do agente público ocorrer por “medo, surpresa ou violenta emoção”. Trata-se de carta branca para matar. Se o projeto já estivesse em vigor, o policial autor do disparo que tirou a vida da pequena Ágatha poderia alegar que agiu mediante esses sentimentos e com isso não receber a qualquer tipo de punição, como já ocorre hoje com a maioria dos policiais envolvidos em chacinas.

Os governantes e a classe média farão de tudo para passar a ideia de que a morte de Ágatha é um “efeito colateral” do combate à criminalidade, apesar de não ter havido confronto. O Estado não combaterá o crime organizado matando crianças de 8 anos.

Witzel tem aplicado de forma planejada e premeditada em todas as favelas e demais áreas onde moram os pobres uma política de extermínio. Um verdadeiro genocida que age com com o propósito de obter vantagem eleitoral.

É avassalador o aumento da violência contra crianças e os jovens. Segundo a Unicef, 16 crianças e adolescentes brasileiros morrem por dia, em média, vítima da violência. A taxa de mortalidade por homicídio de adolescentes alcança a 35/100 mil habitantes. Um verdadeiro genocídio dos jovens pobres, negros e moradores de favelas e periferias. Não é por acaso que Ágatha era jovem, preta e morava na favela. Se fosse filha da classe média milhares sairiam às ruas de camiseta amarela ou bateriam panelas nas sacadas das mansões e apartamentos de luxo em bairros nobres, clamando por justiça.

Na condição de pai e avô posso imaginar o tamanho da dor da família da Ágatha. É dramática a situação das mais de 12 milhões de pessoas que sobrevivem nas favelas do país. O desemprego, a redução de recursos da educação, saúde, habitação, cultura, além da retirada de direitos e a precarização do trabalho, de um lado; e de outro, o estímulo da violência tem gerado um caos nos grandes centros urbanos, especialmente nas favelas e periferias das cidades.

As periferias e favelas – espaços dominados pelas milícias e pela total ausência do Estado, sem hospitais e postos de saúde, sem escolas, saneamento, transporte caro e precário, cultura e lazer – recebem do Estado balas que matam seus moradores. Morei por mais de 20 anos na favela Heliópolis, a maior de São Paulo, e até hoje acompanho muito de perto a luta por melhorias urbanas e sociais naquela comunidade. E sei o quanto uma favela dotada de equipamentos sociais, culturais e serviços públicos faz diferença na vida das pessoas, inclusive contribui para inibir a violência.

As favelas e periferias gritam: socorro. Não nos extermine! Queremos viver em paz!

Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum