Raimundo Bonfim

18 de março de 2020, 22h55

Para enfrentar o coronavírus, precisamos derrubar o governo e levantar um projeto popular para o país

Leia na coluna de Raimundo Bonfim: “Nossa saída é pelo fim de tudo o que Bolsonaro e o golpismo dos últimos anos representam, de modo que devemos levantar a bandeira do Fora Bolsonaro, juntamente com a de um plano de emergência popular”

Foto: Reprodução

Em nossa coluna de 2 de março, alertamos para as consequências da política e do comportamento de Jair Bolsonaro desde que foi eleito presidente da República. Seu autoritarismo e constante golpismo, seu projeto neoliberal ortodoxo de retirada de direitos e promoção do rentismo, sua política externa entreguista e subserviente em relação aos interesses do centro do capitalismo, em especial dos Estados Unidos, trazem como consequências o desemprego, a miséria, o aumento da desigualdade social e a estagnação econômica.

Com o surgimento do coronavírus e suas consequências sociais, políticas e econômicas, a fragilidade da política de Bolsonaro fica ainda mais exposta: o Brasil está economicamente desprotegido e socialmente abandonado.

Diante desse cenário, devemos levantar as bandeiras históricas das classes trabalhadoras, pois apenas elas serão efetivas no enfrentamento às consequências da propagação do vírus e na retomada do crescimento com distribuição de renda.

Em primeiro lugar, precisamos imediatamente derrubar a Emenda Constitucional 95, o teto dos gastos públicos, que já retirou mais de R$ 20 bilhões da saúde pública do país. Esse recurso deve ser investido na ampliação da atenção básica e da rede hospitalar, sobretudo, do número de leitos de UTI. Somado a isso, devemos seguir o exemplo da Espanha e nacionalizar a rede hospitalar, pois somente a concepção da saúde como um direito pode responder aos desafios impostos pela propagação de doenças que nos atingem a todas e todos, especialmente os mais pobres.

O Brasil também deve um pedido de desculpas para Cuba pela forma inconsequente e desrespeitosa que Jair Bolsonaro encerrou o programa Mais Médicos, e solicitar da ilha socialista a ajuda humanitária que tem prestado com efetividade em países como China e Itália, retomando esse programa que tanto bem fez à saúde de nosso povo.

Ainda na saúde precisamos suspender imediatamente a Portaria 2.979/19, como forma de retomar a ampliação das equipes de saúde da família, garantir os insumos necessários para prevenção e combate ao coronavírus, além de fortalecer as instituições de pesquisa e laboratórios públicos, que deve ser acompanhada pela demissão imediata do ministro da Educação, Abraham Weintraub, o inimigo número 1 da ciência no Brasil.

Mas não bastam ações na saúde. É fundamental mudar radicalmente nossa política econômica. O Brasil deve suspender imediatamente o pagamento de juros e encargos da dívida pública, e promover uma auditoria da dívida, conforme previsto desde 1988 na Constituição Federal. Apenas nos últimos dez anos, foram gastos mais de R$ 1 trilhão com serviços da dívida, e neste momento temos cerca de R$ 4 trilhões reservados apenas para atender aos interesses do rentismo.

Os recursos públicos devem ser voltados à produção e aos programas sociais. Dado que cerca de 40 milhões de pessoas estão na informalidade e não terão acesso a qualquer renda no período de quarentena. É fundamental a aprovação imediata da renda básica da cidadania, que por anos Suplicy defendeu no Senado, a ser iniciada pela incorporação imediata ao programa Bolsa Família das 3,5 milhões de famílias que estão na fila e atualização do valor do benefício.

É necessário o congelamento do preço do álcool em gel para a população com baixa renda, produto indispensável para prevenir do Covid-19. Também propomos que o governo suspenda a cobrança das prestações de mutuários de programas habitacionais do governo federal, incluindo o Minha Casa, Minha Vida, permitindo assim que as famílias usem esse recurso para suprir parte das dificuldades a serem enfrentadas durante o período da pandemia.

Para estimular a economia, precisamos retomar os investimentos públicos em grandes obras e na produção industrial. Porém, isso deve ser promovido com participação das classes trabalhadoras em todo o processo, inclusive com o estímulo ao cooperativismo na indústria, para evitar que o empresariado volte a cometer o crime de embolsar o dinheiro público que deveria ser investido em produção.

O Brasil deve atender imediatamente as 2 milhões de pessoas que estão na fila do INSS para efetivar seu direito à aposentadoria, além de garantir a renegociação das dívidas das famílias com o fim dos juros abusivos.

Precisamos reduzir a vulnerabilidade externa de nossa economia pela imediata paralisação das privatizações e retomada dos investimentos nas estatais, a começar pela Petrobras e toda cadeia do petróleo. Precisamos retomar uma política de preços que atenda aos interesses de nossa população, e não do mercado financeiro internacional, com imediata queda nos preços de combustíveis e do gás de cozinha.

Sabemos que, para isso, precisamos construir força social por um outro projeto de país. Isso começa com uma ampla campanha “Fora Bolsonaro” e por eleições livres e diretas para restabelecermos a democracia no país.

O presidente novamente cometeu crime de responsabilidade, na forma absurda como lidou com o tema do coronavírus nos últimos dias. Ao ir à manifestação no domingo, Bolsonaro viola o artigo 268 do Código Penal – “Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”, com pena prevista de até um ano de detenção. Como já dissemos na coluna anterior, Bolsonaro é um colecionador de crimes, a cada semana nos oferece mais motivos que justificam o processo de impeachment.

Os setores da direita que representam os mesmos interesses econômicos já estão se movimentando para apresentar uma alternativa a Bolsonaro. Não podemos assistir inertes a isso. Nossa saída é pelo fim de tudo o que Bolsonaro e o golpismo dos últimos anos representam, de modo que devemos levantar a bandeira do Fora Bolsonaro, juntamente com a de um plano de emergência popular. Sigamos na luta!

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum