Raimundo Bonfim

25 de março de 2020, 23h45

Propostas dos movimentos populares para enfrentar a crise do coronavírus

Para encarar os efeitos do Covid-19, Raimundo Bonfim aponta a necessidade da adoção imediata de inúmeras medidas

Jair Bolsonaro - Foto: Isac Nóbrega/PR

O Brasil e o mundo passam por uma gravíssima crise sanitária, econômica, política e social, com acelerada piora nas condições de vida do povo, sobretudo o mais pobre. Nesse contexto, o governo Bolsonaro reafirma sua face mais cruel: ataca os direitos, aumenta o autoritarismo e despreza o povo.

A Medida Provisória 927/20, anunciada neste domingo (22), é mais uma grande expressão dos interesses que de fato orientam esse governo: garantir a expansão das riquezas de uma minoria privilegiada pela retirada de direitos das classes trabalhadoras. Foi assim na reforma da previdência, no ano passado, e segue assim agora, mesmo em meio a uma crise que torna nossa população ainda mais vulnerável.

Em contraposição a isso, as organizações populares Central dos Movimentos Populares (CMP), Confederação Nacional de Associações de Moradores (CONAM), Movimento Nacional de Luta por Moradia (MNLM), Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD), Movimento de Luta dos Bairros e Favelas (MLB) e União Nacional por Moradia Popular (UNMP) propõem uma completa mudança na política econômica e social, pois só assim poderemos superar a crise. Para enfrentar os efeitos do Covid-19, defendemos a adoção imediata das seguintes medidas:

  1. Fim de todos os despejos e remoções na cidade e no campo.
  2. Suspensão do pagamento das prestações dos imóveis adquiridos pelo MCMV ou outro financiamento público ou privado e auxílio moradia para os desempregados.
  3. Suspensão do pagamento das contas de água, luz, aluguéis e gás, com distribuição gratuita de GÁS DE COZINHA E ÁGUA POTÁVEL , sempre que necessário.
  4. Distribuição domiciliar gratuita de cestas básicas e produtos de limpeza e higiene, com retomada do Programa PAA – Programa da aquisição de alimentos da agricultura familiar e contribuição de alimentos para população de baixa renda.
  5. Ampliação e aumento do bolsa família para 1 SM e criação de um programa emergencial de renda mínima a todos os brasileiros sem vínculo formal de trabalho, durante a pandemia, com a transferência de ½ SM / mês em cada CPF de pessoas com mais de 18 anos.
  6. Requisitar e decretar de utilidade pública hotéis e todos imóveis sem uso ou sub-utilizados em moradia e abrigo e áreas de isolamento para as populações de risco, os sem-teto e para a população de rua com toda a assistência estatal.
  7. Nacionalização e estatização dos hospitais, laboratórios e quebra das patentes.
  8. Fim do teto de gastos (EC 95) que cortam os investimentos em saúde, educação e nas áreas sociais, fortalecimento do SUS e valorização dos profissionais da saúde.
  9. Taxação das grandes fortunas e da remessa de lucros e dividendos para o exterior, dos lucros dos bancos e execução das dívidas dos grandes sonegadores – Direcionamento dos recursos para um fundo de emergência a ser distribuído para os estados e municípios.
  10. Suspensão do pagamento das dívidas públicas, incluindo a dos estados e municípios com a União.
  11. Paralisação das votações de reformas que prejudicam o povo, como as da previdência e do trabalho, que reduziram direitos e ampliaram a desigualdade.
  12. Linha de crédito com juros zero para pequenos e médios comerciantes, agricultores e para o comércio informal.
  13. Manutenção de todos os empregos com pagamento de salário, ampliação e aumento do seguro desemprego.
  14. Revogação imediata da MP 927 para garantir o salário dos trabalhadores públicos e privados com proibição das demissões até Dezembro/2020.
  15. Investimentos massivos em Saneamento Ambiental e cuidados com a mãe Terra.
  16. Suspensão das incursões policiais nas favelas e periferias, as comunidades pedem e precisam de PAZ!!!
  17. Liberação de presas e presos maiores de 60 anos, que já cumpriram penas, que estejam em cumprimento de pena em regime semiaberto, presas grávidas, bem como detentas e detentos com condições médicas preexistentes – acometidas por hipertensão, doenças cardíacas, diabetes, pessoas que vivem com HIV/Aids, portadores de tuberculose, câncer, doenças respiratórias, sistema imunológico comprometido ou outras suscetíveis de agravamento a partir do contágio pelo Covid-19, ou que se enquadrem em situação de risco de saúde agravado, passando-lhes para regime de prisão domiciliar humanitária.
  18. Prioridade total para aqueles que estão nos grupos de risco como idosos, cardíacos, diabéticos, bem como moradores de favelas e periferias, a população de rua, indígenas e trabalhadores de todo sistema de saúde.

PS. Diante do pronunciamento irresponsável e criminoso de Bolsonaro, em cadeia nacional, a CMP reafirma sua posição e defende Fora Bolsonaro e Mourão. É preciso salvar, ao mesmo tempo, o povo, a economia e o pais desse tirano, insano e genocida.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum