Raphael Silva Fagundes

23 de novembro de 2019, 12h42

Como o Flamengo se tornou uma nação

Raphael Fagundes destaca que a pretensão popular do clube carioca, de acordo com o historiador Renato Soares Coutinho, só veio na década de 1930, quando surge um projeto de Estado nacionalista

Foto: Divulgação/Flamengo

Quem passou pelas ruas do Rio de Janeiro nos últimos dias viu a grande comoção popular em relação à final da Libertadores da América. O Flamengo disputará a decisão com o time argentino, River Plate. Na mídia e nas redes sociais não se fala de outro assunto, de modo que a comoção atinge várias regiões do país. Mas como o Flamengo se tornou o time mais popular do Brasil?

O historiador Renato Soares Coutinho explica em seu livro, Um Flamengo grande, um Brasil maior: o Clube de Regatas do Flamengo e a construção do imaginário político nacionalista popular (1933-1955), as origens da popularidade do rubro-negro. Contesta duas explicações comuns. A primeira é a que afirma que craques como Zico e Júnior são a razão para tal sucesso, pois eram os maiores jogadores na época do boom das transmissões televisivas.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Sem dúvida, foi o momento das maiores conquistas do time carioca, ganhando os principais campeonatos entre 1978 e 1983. Mas as vitórias em campo não podem explicar o sucesso porque o Santos, de Pelé, conseguiu angariar títulos em um período maior de tempo, isto é, ao longo dos anos 1960 e 1970.

Outra questão que contradiz essa tese é o fato de o Flamengo ser o time mais popular antes mesmo da era Zico. Durante os anos de 1960, o time já atingia o maior número de público nas arquibancadas. E já nos anos 1940 e 1950, as excursões do Flamengo pelo território nacional já mobilizavam milhões de torcedores.

“Muitos atribuem o crescimento da torcida aos tempos do amadorismo, quando o Flamengo não tinha estádio e treinava na rua, fato que despertava a atenção dos garotos que ajudavam a buscar as bolas que saíam do campo”. Mas para Coutinho essa hipótese também é falha porque o Flamengo, como a maior parte dos outros times de futebol, não era popular, pelo contrário, compartilhava dos valores elitistas cariocas.

A pretensão popular, de acordo com o historiador, só veio na década de 1930, quando surge um projeto de Estado nacionalista. A cultura popular passa a ser valorizada. A capoeira, os blocos carnavalescos, o samba etc., passam a ser símbolos da nação. “Estado e trabalhador haviam encontrado um vocabulário adequado para o reconhecimento mútuo: o nacionalismo”, destaca Coutinho.

“O Flamengo foi o primeiro clube de futebol no Brasil que se apropriou do bem-sucedido discurso nacionalista estatal”, mostra o historiador. Tudo foi feito por meio de campanhas de marketing e ações sociais. Foi justamente no momento em que o futebol se profissionalizou que o Flamengo começou a investir em sua imagem popular se aproveitando do discurso político da época.

Através da análise de intelectuais como Mario Filho, José Lins do Rêgo e Ari Barroso, o clube se expõe constantemente nos veículos de comunicação. Além disso, a grande invenção do Fluminense como um time da elite, fortaleceu a imagem do Flamengo como um time popular, compondo o imaginário social da classe trabalhadora.

Portanto, cabe lembrar que o Flamengo hoje é o time mais querido do Brasil porque seus diretores do passado – destaque para José Bastos Padilha – souberem aproveitar uma situação política investindo num tipo de discurso para servir de marketing. Hoje, o discurso de nação está mais presente nos torcedores do Mengão que nos habitantes do país como um todo.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum