Raphael Silva Fagundes

07 de outubro de 2019, 10h31

Indignação manipulada: do “Fora Temer” ao “Ei, Bolsonaro, vai tomar no c*”

Raphael Fagundes: “Bolsonaro produz um discurso agressivo de ódio para que a crítica a ele assuma o mesmo tom. Ou um discurso supostamente crítico clamando por moderação, ou falas sobre amor”

Foto: Reprodução/YouTube

…a morte desse ditador me conforta…

Renato Russo sobre a morte de Emílio Médici

O rock que predomina na mídia atual não é tão crítico quanto o que havia nos anos 80. A cultura de massa, de um modo geral, passa por uma espécie de carência em relação a letras potentes. As produções independentes são o principal reduto dessas letras que esperam uma oportunidade para sair do porão e vir à tona, agindo pedagogicamente.

São dois cenários opostos. No Rock in Rio de 1985, o Brasil vivia o processo de redemocratização. Era um tempo de esperança, de confiança em um país melhor. Talvez por isso, os protestos políticos foram tímidos, resumidos a um discurso de Cazuza “que o dia nasça lindo pra todo mundo amanhã. Um Brasil novo, uma rapaziada esperta. Valeu!”.

Hoje vivemos uma situação inversa, na qual o presidente é um defensor da ditadura militar e foi eleito proferindo um discurso pró-tortura e saldando Brilhante Ustra, famoso torturador do período dos quartéis.

Embora o Brasil passe por um período adverso à democracia há três anos, as letras dos grupos de rock consagrados ainda não refletem o momento, como as letras de Cazuza e Renato Russo, as quais permitem compreender a década de 1980 com enorme precisão crítica.

Contudo, em 2017, a edição do Rock in Rio foi marcada pelo “Fora Temer”, um grito que em si reproduzia a necessidade de se tirar um governante. Uma indignação calibrada e relativamente consciente, pois concentrava em si uma proposta, a queda do presidente.

Hoje ouvimos: “Ei, Bolsonaro, vai tomar no c*”. A frase mostra uma involução crítica, talvez espelhada pela própria involução das letras do rock. Letras incapazes de descrever com precisão crítica a realidade pela qual passamos. Embora o “Fora Temer” fosse mais interessante, a música de protesto era “Que país é esse”. Neste ano, Dinho Ouro Preto cantou apenas uma parte dala, e disse: “o Brasil é um país de moderados”. E não dedicou a música ao presidente como fizera em 2017.

Tudo parece ser parte de um projeto de poder manipulador. Bolsonaro produz um discurso agressivo de ódio para que a crítica a ele assuma o mesmo tom. Ou um discurso supostamente crítico clamando por moderação, ou falas sobre amor, como fez Tico Santa Cruz. No fim, todo o modelo de crítica é superficial, conveniente ao presidente.

É a indignação manipulada. Deste modo, não atingimos o cerne da questão: a destituição de seu governo. Tanto o “Ei, Bolsonaro…” quanto o discurso por moderação e por mais amor, são improdutivos e interessantes para o sistema. Apenas respondemos com ódio (ou em aversão a ele) as bobagens ditas propositalmente pelo presidente para nos desviar de seu projeto econômico avassalador. Respondemos às polêmicas idiotas com palavrões, uma maneira leviana de descarregar a insatisfação, ou com um discurso do “paz e amor”, inútil politicamente. É, ainda, crítica, mas feita de forma ludibriada, direcionada para um alvo equivocado.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum