Raphael Silva Fagundes

12 de agosto de 2019, 23h03

O louco e o palhaço: a imbecilização da retórica política

Raphael Fagundes: “Parece que o louco do conto de Machado de Assis e o palhaço de Tobias Barreto se encontram no cargo máximo do executivo brasileiro”

Foto: Reprodução

Toda vez que há uma crise no governo, Bolsonaro usa sua metralhadora de asneiras para resgatar o seu eleitorado. Idolatra torturadores, demoniza a esquerda, fala palavrão, além de outros absurdos que povoaram a imprensa nos últimos dias.

A estratégia é retórica e tem o objetivo de falar imbecilidades para imbecilizar o ouvinte. Enquanto para uns soam como absurdos, para outros (seus eleitores), as asneiras ditas pelo presidente soam como comicidades. Exemplo disto é a questão dos problemas ambientais. Para Bolsonaro, a solução seria simples: “fazer cocô dia sim, dia não”.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Vivemos na era da imbecilização retórica. Os intelectuais lembram de Sérgio Buarque de Hollanda para ressaltar que o brasileiro abandonou a característica de homem cordial, mas prefiro lembrar de um “gosto” que o brasileiro perdeu e que o sociólogo também tratou, o “amor à frase sonora, ao verbo espontâneo e abundante, à erudição ostentosa, à expressão rara” (1).

Essa característica do brasileiro se foi. Hoje, pelo menos 30% do eleitor brasileiro, gosta de ouvir o que é absurdo. Essa estratégia desvia o ouvinte do conteúdo da fala (como o excesso de engodos em alguns casos). No caso das declarações de Bolsonaro, a oposição se choca com o absurdo, já a base de sustentação do governo se regozija em gargalhadas. Tal estratégia, portanto, imbeciliza todos os extremos do espectro político, pois todos acabam se tornando vítimas da forma.

A oratória era tida como um espetáculo público no Brasil oitocentista. Sílvio Romero dizia que: “as peças oratórias eram escritas para ser recitadas, mas eram-no com verdadeiro entusiasmo. O povo, que nada lia, era ávido por ouvir os oradores mais famosos (…). Não havia divertimento público como hoje; o teatro era nulo; as festas de igreja eram concorridíssimas”.

Hoje, com diversos divertimentos disponíveis, ela continua sendo um espetáculo. Entretanto, se sobressai, não mais quando é formosa, ou quando esbanje erudição, mas quando é estúpida, ridícula e absurda. Todavia, a finalidade de ocultar o fato (maneira negativa de fazer uso da arte de persuadir), de ludibriar, funciona da mesma maneira, implacavelmente.

Àquela época, existiam críticos desta prática, como Machado de Assis que, em O Alienista, enclausurou o primeiro louco por ser “eloquente demais”. Tobias Barreto criticava a maneira como os parlamentares utilizavam a eloquência comparando os oradores a palhaços.

Buarque de Hollanda dá sequência a sua análise. “É que para bem corresponder ao papel que, mesmo sem o saber, lhe conferimos, a inteligência há de ser ornamento e prenda, não instrumento de conhecimento e de ação”. Se, pelo menos, saíssemos do culto à fala como sinal de inteligência e passássemos a entender a inteligência como conhecimento e ação, estaria ótimo. No entanto, saímos do culto do bem falar para o culto da fala imbecilizada, chocante e espalhafatosa.

Como dizia Cornellius Castoriadis, “a própria classe dominante está em situação de alienação”. Ela se aliena para poder alienar o outro e, assim, as ideias dominantes são sempre as ideias das classes dominantes. Se há um projeto de imbecilização do povo, como acredita Jessé Souza, é porque as classes dominantes também são imbecilizadas. E Bolsonaro caiu como uma luva nesse processo, já que desempenha muito bem esse papel. Na verdade, ele sempre esteve ali (quase 30 anos de deputado), mas agora foi acionado devido à imbecilização das classes dominantes e da necessidade de imbecilizar a classe média.

Parece que o louco do conto de Machado de Assis e o palhaço de Tobias Barreto se encontram no cargo máximo do executivo brasileiro, usando da fala para esconder os problemas sociais e ambientais da maneira mais asquerosa, pela imbecilização.

(1)HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995. p. 83.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum