Reginaldo Lopes

19 de março de 2020, 22h53

Bom senso na economia ajudará o Brasil a se salvar

Leia na coluna de Reginaldo Lopes: Se a proteção social não foi um tema caro para os governantes nos últimos anos, agora ela é fundamental para a saúde pública e coletiva e, consequentemente, para a salvação da economia brasileira de um iminente colapso

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O mundo parece estar se dando conta da importância do Estado para garantir o mínimo de bem estar para as pessoas. Com a crise do coronavírus, Trump abriu linha de crédito a juros baixíssimos para que os comerciantes norte-americanos mantenham o capital de giro e não entrem em falência. Ele afirmou ainda pretender destinar para a cada norte-americano U$$ 1.000, cerca de cinco mil reais. Macron, na França, decretou anistia das contas de água, luz e aluguel, interrompeu o programa de privatizações, que acaba por concentrar ainda mais renda, e chegou até a sinalizar renegociação de dívidas, o que aumentaria a capacidade de consumo. A Alemanha, por sua vez, irá subsidiar 80% dos salários dos estabelecimentos fechados.

Por aqui, as propostas econômicas de Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes são insuficientes. Apenas antecipa receitas e adia o pagamento de impostos. Uma medíocre contabilidade criativa que não está à altura dos desafios que o Brasil, inevitavelmente, terá que enfrentar.

Em nome do fundamentalismo fiscal, todos serão prejudicados a médio prazo: o consumidor e o setor produtivo. Além do mais, o Brasil não irá discutir medidas eficazes para atenuar a crise se insistir no criminoso teto dos investimentos públicos, expresso na Emenda Constitucional 95 (que busco a extinção na PEC 370/2017).

O fato do governo querer ampliar a margem consignada para os idosos – ou seja, o aumento da fatia do salário que poderá ser comprometida com um eventual empréstimo – demonstra ainda mais mediocridade. Querem resolver a profunda crise endividando ainda mais os trabalhadores idosos e trabalhadoras idosas. A pequena redução na taxa de juros ao mês (ficando em 1.8%) não é suficiente para significar uma verdadeira ajuda.

O Brasil precisa discutir a insolvência civil, tema do projeto que apresentei o PL 3721/2019, que prevê também a criação de um programa de refinanciamento de dívidas. A ideia é que uma pessoa endividada vá ao cartório, declare a insolvência para, em seguida, propor um plano de parcelamento, sendo excluídos os juros, resultando, enfim, em um Plano de Recuperação de Pessoas Físicas. É fundamental rompermos com essa política dos juros sobre juros, que já foram pagos e que faz com que um cidadão, simplesmente, não consiga quitar suas dívidas.

Quando apresentei o PL 4671/2019, pela criação de um programa de Renda Básica Universal, pensava em uma medida para atenuar os efeitos de uma constante: as inúmeras ocupações que estão sendo extintas pela automação. De fato, um cidadão com renda tem mais condições de contribuir para a economia e, até mesmo, para exercer plenamente a sua cidadania. Na atual situação, muitos trabalhadores autônomos ligados à cultura, gastronomia, serviços e turismo, por exemplo, não terão como trabalhar. Não podemos deixa-los desamparados, sendo necessária a renda básica, assim como uma bolsa alimentação para os alunos e alunas sem aulas.

Protocolei, na Câmara dos Deputados, três importantes projetos para a atender milhões de pessoas que terão de ficar em casa por força da política de prevenção do isolamento social. O PL 729/2020 visa a isenção do pagamento por cinco meses de serviços como energia elétrica, abastecimento de água e esgotamento sanitário aos idosos aposentados e/ou beneficiários do BPC. Já o PL 730/2020 quer fazer com que os trabalhadores e trabalhadoras informais tenham direito a um salário mínimo por cinco meses. Por fim, o PL 731/2020 prevê o pagamento de um salário mínimo por cinco meses também aos trabalhadores e trabalhadoras micro-empreendedores individuais.

Se a proteção social não foi um tema caro para os governantes nos últimos anos, agora ela é fundamental para a saúde pública e coletiva e, consequentemente, para a salvação da economia brasileira de um iminente colapso.

Exemplos positivos no mundo (e projetos no Congresso brasileiro) não faltam para Guedes e Bolsonaro se inspirarem a tomar medidas para que o pico da contaminação do coronavírus- que se avizinha- não se transforme em uma tragédia ainda maior.

A política de prevenção é a medida primordial, ainda que o presidente a desrespeite. Além dela, cabe aos governantes o papel de estadistas. É isso o que o momento histórico exige. A união nacional virá, pois a responsabilidade com o que acontecerá com o Brasil é coletiva. Coloco-me novamente à disposição para discutir ideias e projetos que possam fazer nosso país sair rapidamente, e bem, da situação em que se encontra.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum