Reginaldo Lopes

01 de agosto de 2019, 22h38

Carta aberta à militância do Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras

Reginaldo Lopes: “O PT nasceu para fazer diferença e não tem como, nem porque, fugir do seu destino”

Foto: Wilson Dias/ABr

A escolha da próxima presidenta, ou presidente, do PT significa algo muito além do PT. A responsabilidade de quem governou e mudou o país, e que lidera o campo político da esquerda brasileira, é maior do que os poderosos tentam fazer parecer.

A criação do nosso partido representou a possibilidade de mudanças reais na política brasileira, em favor do povo. Com democracia, participação, num Brasil em que a diversidade de ideias e a livre organização não fossem apenas aceitas, como estimuladas. O PT nasceu para fazer diferença e não tem como, nem porque, fugir do seu destino.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

A chamada Nova República e o pacto humanista firmado a partir da Constituição de 1988 – que garante a legitimidade da luta por direitos – ruíram com a farsa do impeachment de Dilma Rousseff e com a injusta e absurda prisão de Lula. A ruptura democrática deu vez ao autoritarismo de uma extrema direita que trabalha, diariamente, para destruir direitos e as instituições e, assim, destruir junto a democracia brasileira, instituindo a perseguição aos que pensam diferente.

Cabe à presidência do nosso partido a coragem de ser a imagem de um PT conectado com o dinamismo dos anseios populares e das mudanças do mundo, sem jamais abandonar as bases ou sair das nossas origens, mas que tenha a capacidade de ser o futuro. Um PT que tenha clareza que a liberdade de Lula é prioridade para a retomada do processo de democratização (re)iniciado com a Constituição de 1988. Que defenda a Carta Magna e enfrente as cruéis políticas de austeridade, para além de pontuais equívocos táticos ou políticos do passado. Que defenda o legado dos governos Lula e Dilma e uma agenda construtiva para o país.

O PT deve estar pronto para ser o polo de resistência contra o avanço reacionário e a qualquer tipo de preconceito. Ser a voz de milhões de mulheres brasileiras, dos negros, das negras, da comunidade LGBT, dos mais humildes, dos indígenas, dos estudantes, dos nordestinos, dos trabalhadores rurais e urbanos e dos pequenos e médios empresários; ou seja: daqueles que realmente precisam do Estado.

Neste desejo, considero fundamental a recondução da companheira Gleisi Hoffmann à presidência do Partido dos Trabalhadores e convido a todas e todos os companheiros petistas a uma séria reflexão nesse sentido.

Nem o mais ácido crítico poderá negar seu diuturno empenho e dedicação em nome do partido. Não à toa, colhe o ódio dos que não conseguem conviver com a democracia e com a esquerda, e tem cada vez mais, o respeito de quem luta diariamente por ela. Democrática que é, Gleisi nunca buscou o confronto odiento, mas, sapiente do clima beligerante que tomou conta do país, enfrenta com altivez, coragem e extrema dignidade o fascismo brasileiro. Diariamente.

Sua presidência é marcada por grandes desafios e por um momento onde a perseguição ao PT atingiu os níveis mais escandalosos. E o PT está de cabeça erguida! Gleisi é uma voz contra o autoritarismo e contra as injustiças em todos os níveis; seja defendendo o direito à moradia e à terra para quem mais precisa, seja estando ao lado dos estudantes contra o ataque às universidades e institutos federais, seja denunciando o desmonte do Estado brasileiro ou os abusos da Lava Jato e do “lawfare” contra Lula e contra lideranças de esquerda.

Está ombro a ombro com milhões de companheiras e companheiros nas lutas populares, e, ao mesmo tempo, sou testemunha, exerce um excelente mandato parlamentar na Câmara dos Deputados. Trabalha muito enquanto preside com habilidade política o maior partido de esquerda da América do Sul e um dos maiores do mundo.

Definitivamente, Gleisi Hoffmann está à altura dos desafios do tempo em que vive e saberá conduzir o PT na direção de suas responsabilidades com o nosso país, nunca esquecendo o seu espaço na política brasileira e estando sempre pronta para lutar a qualquer hora pelo nosso legado, por direitos para o povo e pela libertação de Lula – seja nas ruas, nas redes, nas bases ou no Parlamento.

Para mim, nada mais transformador e revolucionário que a recondução de uma mulher capaz e de luta na presidência do nosso PT. Principalmente após termos sido ceifados de exercemos o mandato da primeira mulher eleita e reeleita na presidência do Brasil.

Viva Lula, Viva o Brasil, Viva o PT, Viva Gleisi Hoffmann! Conte comigo, companheira!

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum