Reginaldo Lopes

17 de janeiro de 2020, 19h05

Lula prega participação social para garantir inclusão econômica e reindustrialização do Brasil

O deputado Reginaldo Lopes comenta entrevista do ex-presidente: “Ele está atualizado quanto às demandas que afligem o povo e, principalmente, para primeiro entender a nova classe trabalhadora para poder representá-la à altura”

O ex-presidente Lula - Foto: Reprodução/TVT

O ponto alto da entrevista do ex-presidente Lula à TVT foi sua pregação por uma maior participação política do PT nas ruas para construção de uma nova política econômica distributiva de renda.

Se o PT é o maior partido de esquerda brasileiro e da América do Sul, Lula é hoje a maior liderança política que luta em nome da soberania nacional e é quem pode apontar para o caminho da (re)industrialização, por meio da qual seriam gerados empregos de qualidade e a renda per capita seria elevada.

A sociedade não pode se conformar com a volta da fome aos lares das famílias depois de tê-la vencido nos governos Lula e Dilma, mediante uma estratégia econômica desenvolvimentista e emancipadora.

A defesa das riquezas minerais, da industrialização, da capacitação profissional, da elevação da renda per capita, do emprego e salário do povo, da justiça social – tudo isso – são pressupostos fundamentais da luta por uma soberania que Bolsonaro desdenha.

Liderança internacional

Lula confirma sua estatura de líder nacional e internacional ao criticar a subserviência bolsonarista, que fez o Brasil se render a uma (anti)política econômica, cuja ênfase exalta um empreendedorismo, que não passa de descaracterização e desmoralização do mercado de trabalho e dos trabalhadores e trabalhadoras.

O emprego está descolado de garantias sociais e trabalhistas e submetido à uma política salarial regressista, que “corrige” salário abaixo da inflação, sem nenhuma reposição consequente ao crescimento do produto interno bruto.

Destituídos de direitos – trabalhadores e trabalhadoras viram “empreendedores” sem escolha, uberizados. Soma-se a desindustrialização à política econômica antinacional e tem-se o resultado de 150 mil brasileiros e brasileiras que se mudaram para Portugal nos últimos três anos.

A fome transforma o horizonte do país em sombrio, isso acompanhado da fuga de capital que restaura a verdadeira economia escravocrata que vigorou no século XIX. A regressão salarial, somada ao imposto regressivo que massacra o poder de compra dos mais pobres e ao sistema tributário concentrador de renda, aprofundam o subdesenvolvimento e destroem a soberania nacional.

Em meio a tudo isso, Lula articula resistência democrática à destruição da soberania com um pedido pela união dos partidos de oposição, de modo a enfrentar a eleição municipal de 2020 e a presidencial de 2022. O pleito deste ano é fundamental para vencer a falsidade fundamentalista, reacionária e ultraliberal, que engana e humilha os trabalhadores e trabalhadoras.

Nova geopolítica para o Brasil

O ex-presidente articula também uma política externa paralela ao Brasil. Recentemente, publicou artigo na primeira página do jornal britânico “The Guardian” e receberá homenagens da capital francesa Paris. Visitará também Berlim, Londres e Roma, onde poderá se encontrar até mesmo com o Papa Francisco para discutir como enfrentar o problema da fome no mundo, tema que é caro para as duas lideranças.

Bolsonaro abriu frentes de discórdia com os principais parceiros políticos e comerciais brasileiros e as consequências disso deverão ser o comportamento negativo do comércio externo, como aconteceu em 2019, quando houve suspensão de contratos, alertas de conflitos bilaterais e equívocos geopolíticos perigosos, que já afetam a soberania nacional.

A política externa, rendida à pregação ideológica e fundamentalista, destituída de todo o pacifismo característico, ou mesmo do pragmatismo, afeta os setores dinâmicos da economia brasileira – especialmente o agronegócio – dos mercados compradores, como os do Oriente Médio e chinês, aos quais, ao longo do ano passado, o Brasil cuidou de agredir em vez de agregar.

Desvio da realidade

A base de ação política de Lula, focada na defesa da soberania, proporcionará, sobretudo, superação de controvérsias ideológicas desnecessárias, como as que acontecem no campo religioso, fomentando fanatismos fundamentalistas; eles desviam a sociedade do objetivo maior que é perseguir uma política econômica que vença os principais problemas nacionais: o desemprego e a desigualdade social.

O bolsonarismo ideológico cuida de afastar o Brasil da condição de estado-laico, algo que já havia sido superado na Proclamação da República, em 1889. As pessoas têm religião, por isso o estado deve ser laico, justamente para garantir o pleno e livre exercício de todas as religiões! O preconceito do presidente foge do que é essencial e virou arma para fugir da realidade.

Assim, o ultraliberalismo radical de Paulo Guedes prolonga-se, interminavelmente, em um modelo antidesenvolvimentista, concentrador de renda e promotor da desigualdade social, inimigo maior da soberania nacional. Para ser aplicado integralmente foi preciso um cruel golpe militar no Chile, em 1973, que sufocou a democracia e a Constituição daquele país.

Lula tocou nos pontos chave. Está atualizado quanto às demandas que afligem o povo e, principalmente, para primeiro entender a nova classe trabalhadora que emerge para, aí sim, poder representá-la à altura.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum