Reginaldo Lopes

04 de setembro de 2019, 20h29

Por que não mudar o rumo?

Reginaldo Lopes: “Também na economia, governo é comandado por ‘terraplanistas’”

Bolsonaro e Paulo Guedes - Foto: Isac Nóbrega/PR

Dois fatos econômicos chamaram a atenção na última semana. O governo argentino decretou moratória, mesmo depois de arrancar US$ 57 bilhões do Fundo Monetário Internacional, a quem o presidente Macri pediu novos prazos para pagar dívidas de curto prazo. Aqui, o IBGE apontou crescimento de 0,4% do PIB no segundo trimestre. O número, comemorado pelo governo, que já se preparava para a recessão, aponta para mais um ano de estagnação.

Desde 2015, quando os governos voltaram a adotar a ortodoxia financista, o país acumula retração. O PIB encolheu mais de 3% em 2015, repetiu queda em 2016, avançou 1% em 2017 e 2018 e neste ano segue derrapando. Seguindo o mesmo modelo econômico, o Brasil ainda não chegou à situação da Argentina graças às bases sólidas construídas na política de exportação e importação – que ainda garantem saldo positivo na balança comercial – e à robusta reserva cambial, acumulada graças a uma década de crescimento combinada com sucessivos superávits.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

O desastre argentino comprova a inviabilidade do fundamentalismo fiscal e o equívoco do Brasil em seguir no mesmo caminho, com o agravante de que o governo de Bolsonaro não tem nenhum projeto concreto para sair da crise, pelo contrário, é tomado por privatistas irresponsáveis que só atuam no desmonte da estrutura do Estado, na retirada de direitos e na entrega de nossas riquezas e patrimônio para forças estrangeiras.

Numa sociedade racional, há uma complementaridade entre Estado e setor privado, com o primeiro sendo indutor para os negócios empresariais, investindo em infraestrutura e atendimento social. Especialmente nos períodos de crise, os gastos públicos têm papel central no sistema econômico, potencializando-o frente ao risco de recessão. Porém, esperar racionalidade de um governo presidido por Bolsonaro é contrassenso. Para um Brasil que depende de investimento público, foi criada a Secretaria Especial de Desestatização, “Desinvestimento” e Mercados. A impressão é que, também na economia, o governo está sob o comando dos “terraplanistas”.

O Brasil precisa de um programa de obras públicas e empreendimentos em infraestrutura que gerem emprego e aumentem o consumo das famílias, que dependem diretamente da política sobre salários. Mas, com um consumo supertributado em 50% e salário sem ganho real, é impossível uma recuperação econômica. Segundo a pesquisa do IBGE, desde 2016 o salário médio não saiu do lugar, enquanto a taxa de desemprego dobrou.

Mas, se o modelo econômico está levando o país à bancarrota, por que não mudar o rumo? Simples: nem todos estão perdendo. Na ortodoxia financista, os bancos lucram enormemente com a crise, e eles têm um funcionário, Paulo Guedes, como ministro da Economia. Bradesco, Itaú e Santander tiveram lucro recorde de US$ 56 bilhões em 2018 e devem superar o montante neste ano, já que ganharam US$ 32 bilhões só no primeiro semestre.

O resultado do PIB é preocupante. O país vai para o terceiro ano de estagnação após a recessão de 2015/2016. É um caso raro na história, pois, após uma queda, a tendência era de recuperação, o que não se concretizou. E o que é pior: não há um só sinal de esperança com o rumo econômico seguido por um governo de fundamentalistas.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum