Colunistas

09 de fevereiro de 2018, 12h12

A solução pro nosso povo eu vou dar

Nossa elite continua agindo para aumentar a desigualdade e, pior ainda, consegue iludir grande parte da população, em especial, a classe média, com mentiras e manipulações das estatísticas disponíveis.

A solução pro nosso povo eu vou dar, negócio bom assim ninguém nunca viu,
tá tudo pronto, é só vir pegar, a solução é alugar o Brasil
(Aluga-se, Raul Seixas)

Mestre Raul, entendi a ironia. Mas serei mais direto, se me permite. A solução pro nosso povo eu vou dar. A solução é tributar os ricos do Brasil. Não precisamos alugar, nem vender o Brasil. E ninguém pense que essa é uma proposta esquerdista, radical. Que nada, queremos apenas o que o mundo capitalista vem praticando, há muitas décadas. Quer saber? Então vamos viajar. Vamos à Suécia, país que exibe uma das melhores distribuições de renda do mundo. Os suecos mais ricos têm que entregar até 58,2% de sua renda ao tesouro. Ah, mas não iremos tão longe. Que tal irmos ao Chile e percebermos que a mais alta alíquota chega aos 45%. Na Espanha, a maior alíquota chega aos 48%. No Canadá. 43,2% e no Japão, 45,5%. Claro que essas alíquotas não são aplicadas aos assalariados de renda média e sim aos elevadíssimos rendimentos de rentistas e outras situações de ganhos opulentos.

Esses países, como tantos outros, tributam fortemente a renda elevada para tributar pouco a produção, o consumo e o trabalho. Mas no Brasil, o país no qual cidadãos desinformados seguem o pato amarelo canalha da Fiesp, assalariados de renda média acreditam que a carga tributária é alta. Não, nossa carga tributária é injusta. E os idiotas fazem o jogo dos milionários e bilionários espertos que enganam o povo. A família Marinho, que engana milhões de tontos todos os dias, pagaria centenas de milhões de reais a mais de impostos, mas consegue iludir trabalhadores por meio do Jornal Nacional, que fala da carga tributária de forma mentirosa, sem demonstrar como funciona a economia dos países mais desenvolvidos. O Brasil já teve alíquotas de imposto de renda efetivamente progressivas, até os anos 80. Foi no governo Sarney que começou essa tendência de beneficiar os ricos, reduzindo cada vez mais a tributação das rendas mais elevadas. Das onze alíquotas, restaram três apenas, a mais alta de 25%.

O governo FHC aprofundou a injustiça fiscal. O sociólogo vaidoso permitiu que o PFL, hoje DEM, controlasse a Secretaria da Receita Federal e fizesse o jogo dos grandes capitalistas. Assegurou a isenção da tributação de dividendos, algo que nenhum país fez, salvo o Brasil e a Estônia. Além disso, criou uma novidade tributária, a distribuição de Juros sobre Capital Próprio, que permite às empresas distribuir lucros como se fossem juros, reduzindo a tributação para menos da metade. É por isso que os grandes capitalistas gostam tanto dos tucanos. Gratidão merecida.

No Brasil, as grandes heranças são subtributadas. Um dos países mais desiguais do planeta projeta essa desigualdade para o futuro, pois não tributa adequadamente as heranças multimilionárias da burguesia esperta. Os EUA, país capitalista ultraliberal, tributam as heranças em até 40%, exatamente pelo princípio de que a riqueza deve ser compartilhada com a sociedade e o momento da sucessão é uma oportunidade de estabelecer uma distribuição com o conjunto da população.

Se observados critérios tributários internacionais no Brasil, nossa crise fiscal seria rapidamente solucionada, permitindo até a redução da tributação dos pobres e da classe média assalariada. O governo Trump, que fez uma reforma tributária favorável às empresas, não ousou alterar a tributação de dividendos nem a alíquota máxima do imposto de renda. O sistema tributário americano, mesmo com a reforma de Trump, é mais justo que o do Brasil.

A única forma de viabilizar o cumprimento dos compromissos sociais da Constituição Federal e dotar o país de infraestrutura decente é garantir recursos orçamentários por meio de tributação justa. Conferir justiça ao sistema tributário é a melhor forma de reduzir a tendência à desigualdade, inerente ao capitalismo, e mais grave em economia com brutal antecedente de acumulação pelos 1% mais ricos.

Os países mais desenvolvidos do mundo pensam e agem dessa maneira. Mas nossa elite continua agindo para aumentar a desigualdade e, pior ainda, consegue iludir grande parte da população, em especial, a classe média, com mentiras e manipulações das estatísticas disponíveis.

Esse é um debate programático, sem o qual as eleições tornam-se uma farsa e a democracia apenas uma forma de legitimar o infortúnio na maioria do nosso povo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum