Rodrigo Perez Oliveira

22 de abril de 2020, 22h42

A disputa pelo antibolsonarismo

Leia na coluna de Rodrigo Perez: “Bolsonaro é o colapso da democracia, é o crítico, é o outsider. O resultado é o caos administrativo. Resultado não! O caos é o projeto, o objetivo. Bolsonaro só existe no caos”

Foto: Marcos Corrêa/PR

Na política, a rejeição é afeto muito poderoso. A rejeição aglutina pessoas, reúne projetos diferentes a partir de uma identidade negativa. Diferente da adesão, a rejeição política nunca tem único dono. É sempre objeto de disputas.

Foi exatamente isso que aconteceu nas eleições de 2018, quando o antipetismo foi um dos fatores decisivos na corrida presidencial. Até ser definitivamente conquistado por Jair Bolsonaro, o antipetismo foi objeto de vigorosas disputas: Aécio Neves, Marina Silva, Ciro Gomes. Todos tentaram se alimentar do antipetismo.

Bolsonaro acabou vencendo porque o antipetismo, na verdade, era sentimento antissistêmico, pois o PT era socialmente lido como gestor de um sistema considerado corrupto. Na alça de mira estava não apenas o Partido dos Trabalhadores, mas sim o regime político criado na experiencia da redemocratização.

Como Bolsonaro passou quase 30 anos no Parlamento falando mal da democracia, acabou tendo “lugar de fala” para fazer a crítica. No aprofundamento da crise democrática, a nostalgia com a ditadura evoluiu para a crítica ao sistema.

O tempo passou e de lá pra cá já conta quase ano e meio. O PT decidiu não exercer protagonismo na disputa pelo antibolsonarismo, focando a atuação no legislativo e em alguns pronunciamentos de Lula, Dilma e Haddad, em tom quase protocolar. A soltura de Lula não se concretizou como elemento capaz de alterar estruturalmente o jogo político, como muitos apostavam. O diagnóstico dos petistas é que qualquer movimento mais brusco do partido acabaria fortalecendo Bolsonaro. Não dá pra dizer que o raciocínio não faça sentido.

Lula ainda é capaz de ser protagonista? Ou a pecha de representante de um sistema corrupto colou nele de tal forma a ponto de condená-lo a ser personagem de segunda importância daqui pra frente?

Já Bolsonaro deixou de ser pedra para ser vidraça. Presidente precisa governar e até aqui ele só agiu como o agitador fascista que sempre foi. Não se trata exatamente de incapacidade de governar. Bastaria se cercar de bons técnicos, moderar o discurso que a coisa andaria de alguma forma, principalmente no começo do mandato, quando o tempo costuma ser aliado do presidente. Bolsonaro não governa nos ritos da democracia, porque isso não faz parte da essência política dele.

Bolsonaro é o colapso da democracia, é o crítico, é o outsider.

O resultado é o caos administrativo. Resultado não! O caos é o projeto, o objetivo. Bolsonaro só existe no caos.

Se por um lado, o caos serve pra fidelizar ainda mais uma base social formada por pessoas que se encantam com a ideia de serem oposição ao “sistema”, por outro, alarga o campo de rejeição. O antibolsonarismo já é realidade política incontornável, e está sendo disputado.

Por enquanto, a disputa está acontecendo à direita do espectro ideológico. A primeira a ser derrotada por Bolsonaro não foi a esquerda, mas sim a “direita tradicional”, a tal “direita democrática”, que hoje tenta reconquistar o território perdido. Aqui, a liderança é de Rodrigo Maia, que comanda reação das instituições da República contra a ameaça Bolsonarista.

Mandetta, que saiu do Ministério da Saúde com grande aprovação popular, seria outro player nessa disputa pelo antibolsonarismo. O problema é que agora, fora do governo, sem mandato, e vindo de um estado periférico na geopolítica nacional, Mandetta perde palanque. Enquanto isso, o gabinete do ódio tentará desconstruir sua imagem, acusando-o de incompetência na gestão da testagem em massa da população para a Covid-19. Vamos ver se cola. Não duvido. Não subestimo essa gente.

Têm também os governadores de estado, que estão numa corrida insana para decidir quem é mais antibolsonaro. A Rede Globo, aparelho ideológico do tucanato paulista, já escolheu seu antibolsonarista dos sonhos: João Doria.

Doria não está preocupado apenas em defender a “ciência” e combater a pandemia. Também está fazendo política. Todos estão. O azar de Doria é que ele também já começa a ser visto como representante do establishment, aliado da Globo, do STF, do Congresso.

Huck e Moro estão calados. Ambos têm potencial para herdar a energia crítica no caso da derrocada de Bolsonaro. Ambos conseguiriam performar o discurso do “Outsider”. Moro mais que Huck. Se moverão o menos possível. Querem o mar pegando fogo para comer peixe frito.

Mesmo que Bolsonaro caia em desgraça, tudo indica que seu capital político, fundado na crítica, continuará refluindo à direita. Ainda não apareceu alguém do outro lado para radicalizar a crítica, para radicalizar o discurso do combate à corrupção e da defesa da propriedade e da vida contra a violência urbana, para propor mecanismos de participação política direta, apontando alguma solução para a crise de representatividade.

No Brasil dos nossos tempos, a crítica foi monopolizada pela direita. Essa é a notícia ruim, a pior de todas.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum