Rodrigo Perez Oliveira

29 de abril de 2020, 22h08

Os donos da crítica

Leia na coluna de Rodrigo Perez: "Lavajatismo e bolsonarismo nunca foram iguais. Durante algum tempo, foram aliados táticos. A partir de agora serão inimigos mortais, disputando na unha aquele que é o capital político mais valioso no Brasil dos nossos dias: a crítica antissistêmica"

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

Até agora, o dia 24 de abril de 2020 foi o momento mais importante na cronologia da crise democrática brasileira. Aconteceu aquilo que já vinha sendo ensaiado há algum tempo: o divórcio definitivo entre lavajatismo e bolsonarismo.

Antes de tudo, é preciso investir alguma energia de análise na diferenciação entre lavajatismo e bolsonarismo. Nunca foram iguais. Durante algum tempo, foram aliados táticos. A partir de agora serão inimigos mortais, disputando na unha aquele que é o capital político mais valioso no Brasil dos nossos dias: a crítica antissistêmica.

Desde que nasceu, em 2014, o lavajatismo se alimenta de uma velha, e poderosa, narrativa de interpretação do Brasil que define a corrupção como o grande motivo do atraso nacional.

Só que dessa vez, a narrativa foi mobilizada com mais eficiência. Como o apoio da grande mídia, a Lava Jato apresentou ao público o espetáculo da eficiência. Grandes empresários e políticos poderosos, até então imunes à justiça, sendo algemados e presos. Como não amar?

É certo que a Lava Jato sempre foi seletiva: pegou empresários do ramo das obras de infraestrutura, mas não empresários ligados ao capital financeiro. Prendeu políticos da base de sustentação dos governos petistas, mas nem incomodou o tucanato paulista.

Mas diante do espetáculo do justiçamento, pouca gente deu importância para a seletividade. Havia sentimento de impunidade represado e a Lava Jato deu vazão a isso.

A Lava Jato venceu e convenceu a nação de que a política brasileira precisava ser refundada. A lava jato implantou no imaginário nacional um afeto revolucionário, entendendo aqui revolução como ruptura com o passado e aceleração do tempo rumo a um futuro visto como progresso.

Já em 2014, quando Lava Jato ainda engatinhava, o afeto revolucionário foi elemento importante nas eleições presidenciais. Marina Silva, sem estrutura partidária e sem tempo de propaganda na TV, falando em “nova política”, quase foi eleita. Tivesse passado para o segundo turno, fatalmente seria eleita, e com alguma facilidade. É difícil imaginar os eleitores de Aécio Neves migrando para Dilma.

Em quatro anos aconteceu muita coisa e a Lava Jato passou a pautar a política nacional, transformando definitivamente a crítica antissistêmica no mais valioso capital político. Como os bacharéis de Curitiba, naquele momento, ainda não estavam envolvidos no jogo eleitoral, a crítica foi disputada pelos que participavam das eleições, exceto o PT, que ao investir na memória do governo Lula, tentava convencer o eleitor de que o sistema ainda era viável.

Se a Lava Jato era a revolução, o PT era o antigo regime.

No segundo semestre de 2018, Jair Bolsonaro venceu não apenas as eleições. Venceu a disputa pela crítica. Ou melhor: venceu as eleições porque venceu a disputa pela crítica, porque deu forma ao afeto revolucionário produzido pela Lava jato.

Deputado de baixo clero que ficou quase trinta anos no congresso criticando a democracia e elogiando a ditadura, Bolsonaro nunca foi parte da democracia. Era, de fato, um outsider. Soube o que fazer quando o colapso do sistema caiu no seu colo. Soube performar a crítica. A nostalgia autoritária evoluiu, então, para a crítica antissistêmica com pretensões revolucionárias.

Bolsonaro foi tão competente na apropriação da crítica que a mesma Marina Silva, que continuou falando em “nova política”, foi pulverizada nas urnas. É que os votos não pertenciam à Marina Silva. Pertenciam à crítica, ao afeto revolucionário. Marina não aparenta ter a força e o carisma necessários para liderar uma revolução.

Daí vem a força política do bolsonarismo: a combinação do carisma pessoal de Jair Bolsonaro com o afeto revolucionário implantado pela Lava Jato no imaginário nacional. O bolsonarista típico se considera ator revolucionário, crítico em luta contra o sistema controlado pelos poderosos. É muito sedutor ser revolucionário. Quem não se sentiria orgulhoso em colaborar para uma revolução?

Com o divórcio, o lavajatismo quer controlar sozinho o afeto revolucionário que produziu. Ao aceitar o convite para fazer parte do governo, Moro entrou de vez para o mundo da política institucional. Ao romper com o governo, Moro entrou de vez no jogo eleitoral. Começa agora uma nova fase na disputa pela crítica.

No próprio dia 24 de abril, Moro e Bolsonaro falaram, trocaram acusações.

No dia 27 de abril, o instituto Datafolha divulgou uma pesquisa para averiguar o impacto do divórcio na opinião pública. Os tais 30% continuam onde sempre estiveram: leais a Bolsonaro. É certo que a rejeição ao presidente aumentou, com a metade a população apoiando a abertura de um processo de impeachment.

Os números sugerem que, diferente do que a maioria dos analistas pensava, Moro e Bolsonaro talvez não disputem exatamente a mesma base social.

É que há entre eles uma diferença fundamental, uma diferença, sobretudo, estética. Na política, estética nunca é apenas estética. Enquanto Moro é o bacharel limpinho, com verniz de civilização, Bolsonaro é o homem médio com barba por fazer e camisa amarrotada.

É bem provável que Bolsonaro continue sendo apoiado pelos seus 30%, o que na prática inviabiliza a tramitação do impeachment, e Maia sabe muito bem disso. É impossível derrubar um Presidente que conta com o apoio irrestrito de 30% da população.

Do outro lado, porém, está a rejeição, em curva ascendente. Essa rejeição ainda não tem dono. É aqui que Moro tende a crescer, com potencial pra agradar a direita letrada, aqueles que com nojo, fazendo ânsia de vômito, engoliram Bolsonaro até aqui.

Bolsonaro tem o apoio das milícias armadas entranhadas nas PMs estaduais. Moro tem o apoio das instituições jurídico/policiais do Estado, como Ministério Público e Polícia Federal.

Antes de disputar a mesma base social, Moro e Bolsonaro estão disputando a crítica. Eles são os donos da crítica. Essa ė uma péssima notícia, a pior possível.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum



Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum