1980/2020: Trotsky vive

Valerio Arcary, em sua coluna, presta uma bela homenagem a Leon Trotsky, assassinado em 21 de agosto de 1940

Foi emocionante, arrebatador, inesquecível. Gritávamos, a plenos pulmões, como tínhamos aprendido no verso de Maiakovsky: “Aqui estão os soldados de Leon”, com lágrimas nos olhos.

Em 1980, pela primeira vez, conseguimos fazer uma homenagem pública a Leon Trotsky, por iniciativa conjunta da Convergência Socialista e da Organização Socialista Internacionalista (O Trabalho). Então, quarenta anos do seu assassinato, hoje oitenta.

Foi um Ato no sindicato dos Químicos. São Paulo nunca tinha visto tantos trotskistas juntos. Nem nós. Não havia espaço para ninguém se mexer na sala, e muitas centenas do lado de fora. Foi vibrante, intenso, quase solene. Na Nicarágua e Irã, El Salvador e Polônia, sopravam ventos revolucionários. E nós estávamos convencidos que o fim da ditadura estava no horizonte, depois das greves do ABC, de professores e bancários, petroleiros e jornalistas, e o movimento estudantil explodindo. Foi aguerrido, apaixonante e bonito.

Na mesa, os veteranos, como Fúlvio Abramo, Hermínio Sachetta, e José Maria Crispim, e representantes das duas organizações que se construíram na luta contra a ditadura, Vito Letizia e eu. No meu caso, a decisão era injusta, totalmente, porque só tinha voltado ao Brasil em 1978, ainda um moleque de 21 anos. Mas tinha reputação de ser orador, porque vinha das trincheiras da revolução portuguesa, e os quadros mais provados tinham se forjado na clandestinidade. Foi assim. Audácia, confiança e coragem.

No dia 21 de agosto de 1940, Leon Trotsky foi assassinado por Ramon Mercader, um oficial da espionagem soviética, catalão de nascimento, por ordem de Josef Stalin. Depois de iniciada a Segunda Guerra Mundial, Trotsky era consciente que estava marcado para morrer. Mercader tinha se infiltrado no círculo íntimo de Trotsky e teve acesso à casa, no bairro de Coyoacán, na Cidade do Mexico, onde estava exilado.

O crime foi, especialmente, brutal: Mercader usou um quebrador de gelo, uma mini-picareta para golpear a cabeça de Trotsky. Tinha 60 anos ao morrer. Um dos melhores romances do século XXI, O homem que amava os cachorros do cubano Leonardo Padura, se inspirou nessa tragédia política para nos emocionar com tudo que há de mais elevado, mas também, mais sinistro na condição humana.

Até hoje, Leon Trotsky não foi reabilitado, politicamente, na Rússia. Nem depois do discurso de Krushev sobre os crimes de Stalin em 1956, nem depois do discurso de Gorbatchev em 1985, nem depois da restauração com Ieltsin, e menos ainda com Putin. Trotsky continua condenado, banido, eliminado da história da revolução.

Não fosse o bastante, uma recente série de televisão feita na Rússia, de inspiração de extrema-direita, que sataniza a revolução russa como um golpe de Estado, distribuída por uma plataforma de streaming, falsifica a história de forma grosseira e vulgar, caluniando Trotsky como um maníaco sedento de poder. Não podia ser mais monstruosa.   

Publicidade

Trotsky tinha nascido na cidade de Ianovka, no sul da Ucrânia, no dia 7 de novembro de 1879, o mesmo dia em que triunfou a revolução de Outubro, no calendário juliano, que ainda vigorava na Rússia. Mas Trotsky era um cidadão do mundo. Uniu muito jovem sua vida à causa do socialismo. Foi estudar em Odessa, foi preso e desterrado para a Sibéria duas vezes, morou em Londres, Viena, Paris, Berlim, além de São Petersburgo e Moscou, além de exílios em Istambul, Oslo, e no Mexico. Lia e falava ucraniano, russo, francês, alemão e inglês. Era russo e judeu, mas era, sobretudo, um internacionalista.

Leon Trotsky foi um dos mais poderosos oradores da esquerda europeia, e presidente do soviet de Petrogrado. Foi um pensador marxista original e sofisticado: desenvolveu a teoria da revolução permanente; escreveu um dos melhores livros de história marxista, História da revolução russa; elaborou uma complexa teoria sobre a natureza do Estado Soviético em A revolução traída; deixou como legado o Programa de transição, uma obra prima de método sobre a formulação do programa para a esquerda.

Publicidade

Trotsky alertou que toda formação econômico-social em países periféricos convive com contradições internas dilacerantes, expressão do desenvolvimento desigual e combinado: a estrutura social mesma se atrasa em relação ao desenvolvimento das forças produtivas. Grandes massas camponesas no campo, às vezes, numericamente muito expressivas, subsistem muito tempo depois da penetração da grande indústria, assim como se perpetuam resíduos de classes médias de artesãos e comerciantes nas cidades, embora as suas atividades estejam, economicamente, ameaçadas pelo progresso técnico e pela concentração do capital. Disto resulta que relações sociais arcaicas e obsoletas são uma obstrução à penetração de relações modernas e avançadas, mas como o desenvolvimento é desigual, surgem amálgamas desproporcionais: o vigor das novas relações serve como um impulso adiante.

A teoria da revolução permanente foi uma das suas principais obras, Tinha como argumento forte a perspectiva de que, mesmo em países retardatários, como a Rússia, que chegaram atrasados às transformações capitalistas, em que as tarefas históricas da revolução burguesa não tinham sido realizadas, estaria reservado ao proletariado a necessidade de ser o sujeito social na liderança da revolução democrática em aliança com todos os oprimidos, em especial, a maioria camponesa e as massas das nacionalidades, sob o jugo da tirania de Moscou. Defendia que a vitória na revolução contra o Czarismo deveria ser a antessala de uma segunda revolução em processo ininterrupto, em permanência, contra o capital.

A revolução russa se destacou por três elementos decisivos que a distinguem de todas as outras revoluções socialistas do século XX: (a) o sujeito social dirigente e polarizador do descontentamento popular foi, indiscutivelmente, o proletariado urbano, que acaudilhou as outras classes, em particular, a imensa massa camponesa e a população das nacionalidades oprimidas, que constituíam a maioria da população; (b) a auto-organização popular, nas fábricas, nos bairros populares, nas forças armadas, e nas aldeias camponesas, na forma dos conselhos ou soviets, permitiu a mais avançada experiência de democracia direta conhecida até então (primeiro, como duplo poder “institucionalmente” organizado e, nos primeiros anos depois de Outubro, como órgãos de soberania popular sobre o Estado); (c) existiu uma direção internacionalista que acreditava que o projeto da revolução russa dependia do triunfo da revolução européia em geral, e da revolução alemã em particular.

Mas, sobretudo, Trotsky foi o militante internacionalista que deixou pelo seu exemplo heroico o legado de uma bandeira revolucionária sem manchas para os socialistas do século XX. Por ela, entregou a vida. No ano passado, nas ruas de Santiago do Chile, nas jornadas da Argélia, e hoje nas passeatas contra o racismo nos EUA, nas greves da fábricas de Minsk, e na resistência a Bolsonaro no Brasil, em cada luta contra a injustiça e tirania, Trotsky vive. Até o fim.

*Esse artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Tags:

Avatar de Valerio Arcary

Valerio Arcary

É professor titular do IFSP. Doutor em história pela USP, estudou na Universidade de Paris e Lisboa entre 1974/78, participou da revolução portuguesa, voltou ao Brasil e se uniu à Convergência Socialista, esteve presente na reconstrução da UNE em Salvador em 1979, na fundação do PT em 1980 e da CUT em 1983, sendo secretário-geral da CUT/São Paulo entre 1985/86. Atuou na Apeoesp entre 1983/90, foi membro da Executiva Nacional do PT entre 1989/92, e foi presidente nacional do PSTU entre 1993/98 e, desde 2016 é membro da Coordenação Nacional do MAIS/PSOL. É autor de O martelo da história, entre outros livros.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR