Valerio Arcary

12 de agosto de 2019, 23h08

Como se faz análise de conjuntura?

Valerio Arcary: “A caracterização de uma situação decorre da síntese entre a apreciação da relação social e da relação política de forças. Uma incide, permanentemente, sobre a outra. Mas a determinação mais poderosa é sempre estrutural”

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

A aprovação relâmpago da reforma da Previdência em segundo turno teve, como era previsível, um impacto subjetivo na esquerda. Não fosse o bastante, assistimos a uma ofensiva virulenta de Bolsonaro: defendeu o torturador Ustra e atacou a memória de Fernando Santa Cruz, defendeu o trabalho infantil, os fazendeiros que usam trabalho escravo, os garimpeiros que invadem terras indígenas, a censura e o fim da Ancine, atacou a denúncia que o Inpe faz do desmatamento da Amazônia, e demitiu seu presidente, e muito mais.

Na esquerda ficamos todos enfurecidos. Mas nossa raiva não é a melhor bússola. No debate sobre a tática diante do governo Bolsonaro surgiram duas tentações perigosas. A primeira é o ultimatismo. Ou substitucionismo. A sua palavra de ordem é o Fora Bolsonaro. O argumento é que precisamos dar uma resposta política frontal à questão do poder. A sua forma foi a defesa da iniciativa parlamentar de impeachment.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

A justificação é que milhares já estão gritando o Fora Bolsonaro, ou o VTNC (vai tomar no cu) nas manifestações, e ações exemplares de uma vanguarda ativa ampla tendem a contagiar as massas. Trata-se da atração pelo poder estético da “frase revolucionária”. Ou da iniciativa parlamentar de choque que gera uma manchete. É estéril, infelizmente. Nada substitui o processo de experiência prática de milhões que é a única via para o isolamento de Bolsonaro. Não há atalhos retóricos ou parlamentares na luta para criar as condições de derrubada do governo.

O “Abaixo o governo, greve geral”, não importa qual seja a situação política e a relação social e política de forças, é um mantra anarquista. Não é um ultimato de verdade ao governo, porque é um blefe. Neste momento, não é possível mobilizar em escala de milhões para derrubar Bolsonaro. Claro que não é proibido blefar na luta de classes. Mas só é útil blefar quando há alguma possibilidade de enganar os inimigos. Quando não é possível, trata-se de um ultimato às massas.

Este critério é equivocado. A melhor palavra de ordem não é a mais radical. A melhor palavra de ordem é aquela que pode colocar em movimento milhões. Por isso, é muito justa a preparação do dia 13 de agosto em torno da defesa da educação pública.

A segunda é o politicismo eleitoralista. A sua forma é a defesa do republicanismo, ou a subordinação da esquerda ao programa do centro, diante de Bolsonaro, para explorar algumas contradições, com a expectativa de construir Frentes Amplas nas próximas eleições. O seu argumento é que nos aproximando das dissidências do bolsonarismo, estaríamos ampliando a audiência da oposição para além da “bolha” da esquerda.

Não há nada de errado com a unidade na ação, seja com quem for, em torno de uma bandeira democrática reativa a um ataque do governo. Foi muito justa, por exemplo, esta semana, a iniciativa de construir uma delegação pluripartidária para ir recorrer ao STF, diante da decisão de transferência de Lula de Curitiba para Tremembé. O perigo está na “romantização” eleitoralista da unidade na ação. A esquerda não deve renunciar ao seu programa nas próximas eleições municipais. A esquerda não será mais forte defendendo as ideias do centro.

Ambas estas táticas estão erradas. A esquerda não deve aderir agora à tática da ofensiva permanente para tentar derrubar Bolsonaro. Porque não podemos nos colocar objetivos inalcançáveis, neste momento. Chegará a hora da ofensiva, mais cedo do que tarde. Por enquanto, ainda não. Tampouco deve aceitar ser um vagãozinho atrelado à locomotiva dirigida por Rodrigo Maia e ou outros, aguardando o calendário eleitoral.

Estamos em uma situação em que a tática da frente única, ou da acumulação de forças, ou do desgaste, ou leninista-trotskista, ou de guerra de posições, ou gramsciana é a mais adequada. Não podemos disputar com o governo de igual para igual, em luta franca e aberta, porque ainda estamos em condições de inferioridade. Mas não devemos, também, aderir ao quietismo.

Nosso time precisa se posicionar na defensiva, mas em máximo nível de concentração para aproveitar a possibilidade de roubar a bola, ou os erros do governo, e partir para um contra-ataque fulminante. Foi assim que conseguimos realizar as grandes manifestações do 15 de Maio. Será assim que poderemos abrir um caminho para as grandes massas, e inverter a relação de forças.

Estas conclusões decorrem de um procedimento de método. Toda política deve se apoiar em uma análise da situação, caso contrário é puro voluntarismo. Uma análise marxista é uma análise de classe. Isso quer dizer que abraçamos a ideia de que a luta entre as classes é a chave de explicação da vida social.  Esta premissa parece simples, mas não é. Não permite concluir que tudo o que acontece na sociedade se explica pelo antagonismo entre capital e trabalho, ou sequer às lutas entre frações de classe. Há muitos outros conflitos, e eles não se resumem à dimensão econômica da luta social. Quer dizer que a luta de classes é a determinação em “última instância”.

Uma análise de conjuntura deve ser entendida como a operação da mente que separa as partes de um todo. A realidade é sempre uma totalidade de contradições. São muitas as camadas que se sobrepõem e interlaçam. Toda análise exige um processo de aproximações sucessivas. Toda análise é, inelutavelmente, parcial. Não é possível a omnisciência diante da história do presente.

Uma análise marxista identifica os conflitos a partir de um ângulo de classe. Isso não significa que pode haver “torcida” na análise. A análise é um procedimento científico sério. Se a situação é mais favorável ou desfavorável, ela não vai ficar melhor ou pior porque reconhecemos a realidade como ela é. Tampouco há análises otimistas ou pessimistas. Isso é retórica. Há somente análises mais certas ou mais erradas.

A análise marxista de uma situação política remete à consideração de fatores objetivos e subjetivos. Tanto na apreciação da relação social de forças, como na aferição da relação política de forças incidem fatores objetivos e subjetivos. Os objetivos são aqueles que remetem à situação das classes. Os subjetivos são aqueles que remetem à posição que as classes ocupam em uma dada situação. Situação da classe trabalhadora é o lugar econômico-social que ela ocupa, em certo momento. Os salários podem estar se valorizando ou desvalorizando, por exemplo. Posição de classe é o papel político-social, ou seja, a disposição de luta maior ou menor. Situação e posição de classe mantêm uma relação dialética. Não há uma sincronização “perfeita” entre eles. A consciência de classe não aumenta, necessariamente, quando a situação piora ou vice-versa.

As variáveis de avaliação da relação social de forças entre as classes remetem à investigação da estrutura da sociedade. Sobre a situação econômica, podem ser cinco ou mais indicadores dependendo da complexidade maior ou menor do modelo como, por exemplo: (a) dinâmica de recessão, estagnação ou crescimento e evolução da taxa média de lucro; (b) taxas de aferição do desemprego, do endividamento e inadimplência de empresas e famílias, evolução dos salários; (c) variação da inflação sobre educação, saúde, segurança ou previdência privada sobre os setores médios, ou peso maior ou menor dos impostos sobre a renda e consumo; (d) evolução da distribuição funcional e pessoal da renda; (e) evolução da proporção da dívida pública em proporção do PIB.

Ou da situação social: (a) proporção da população em situação em condições de pobreza extrema; (b) proteção da infância e dos idosos, ou acesso aos serviços públicos de educação e saúde, ou ainda aumento ou redução da percepção da insegurança pública, como a evolução da taxa de homicídios; (c) proporção dos aposentados e pensionistas sobre a PEA (População Economicamente Ativa) e evolução de sua rena média; (d) proporção da população imunizada diante de epidemias; (e) acesso à casa própria ou variação dos preços dos aluguéis.

Finalmente, a situação política: (a) unidade maior ou menor da classe dominante em sua relação com o governo, e capacidade maior ou menor da burguesia de acaudilhar a classe média; (b) número de greves e volume de grevistas ou disposição de luta dos trabalhadores; (c) massividade maior ou menor nas manifestações de protestos contra o governo, ou capacidade do campo dos trabalhadores de colocar em movimento outros setores oprimidos; (d) massividade maior ou menor nas manifestações de protestos de apoio ao governo, e composição social destes Atos; (e) evolução da aprovação e desaprovação do governo nas pesquisas de opinião.

As variáveis de análise da relação política de forças são indicadores que nos remetem à investigação da superestrutura da sociedade, ou seja, as organizações, partidos, movimentos e lideranças que fazem a representação dos interesses em conflito, portanto, a dimensão ideológica da luta social. A forma em que se exerce o poder de Estado, ou seja, a estabilidade do regime político-institucional são expressão de maior ou menor força política e social dos partidos que defendem a ordem.

Alguns indicadores, entre outros, são: (a) peso dos partidos políticos nas últimas eleições; (b) força militante ativa nas estruturas da sociedade; (c) peso social de organizações como sindicatos e movimentos sociais entre a massa do povo; (d) audiência da imprensa e mídia de oposição; (e) autoridade e respeito dos líderes políticos.

A caracterização de uma situação decorre da síntese entre a apreciação da relação social e da relação política de forças. Uma incide, permanentemente, sobre a outra. Mas a determinação mais poderosa é sempre estrutural. A relação social de forças é determinante. Sem análises sérias todo o debate de tática é inconsistente.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum