Valerio Arcary

12 de outubro de 2019, 13h40

Coringa e a revolução dos clowns malucos e zangados

Leia na coluna de Valerio Arcary: "Estamos, culturalmente, na época da pós-modernidade, e cresceu o apelo de romantização de distopias. Coringa é uma narrativa sobre a solidão de um maníaco infantilizado, e as fraturas caóticas de uma sociedade que regrediu à barbárie"

Reprodução

Não é, evidentemente, um filme de entretenimento de super-heróis, ou de ação, embora tenha três cenas de catarse que são pura violência horrenda, medonha, aterrorizante.

“Why so serious?” (Tão sério, por quê?) era o bordão do Coringa contra o Batman da minha infância, e eu adorava. O personagem tinha um irreverente e desafiador senso de humor. O Coringa perdeu a graça e o humor morreu. Sua gargalhada é anormal e monstruosa.

A imagem melancólica de um palhaço infeliz de quem ninguém ri, como metáfora de um trabalhador anônimo, atravessou o século passado. A expressão mais delicada e inspiradora foi a genial criação do vagabundo Carlitos de Chaplin em comédias de máxima humanidade.

O Coringa do século XXI é um filme muito triste. Não há um fio de esperança em Coringa. A revolução dos clowns levanta a bandeira de “morte aos ricos”, mas Coringa não é um filme sobre a injustiça. O terreno da política é o da luta pelos destinos coletivos, e Coringa é um filme sobre a amargura, a frustração, o ressentimento de um homem com fantasias de grandeza.

O tema não é a injustiça, mas a loucura. É um filme sobre a vingança.

O Coringa é um assassino justiceiro paranoico. E desperta impulsos fascistas de “limpeza social” destruidora. Estamos, culturalmente, na época da pós-modernidade, e cresceu o apelo de romantização de distopias. Coringa é uma narrativa sobre a solidão de um maníaco infantilizado, e as fraturas caóticas de uma sociedade que regrediu à barbárie. Os personagens são todos execráveis, alguns somente mais abomináveis que outros.

Tem uma dimensão emocional forte agigantada pela música. A dramaturgia é simples. Mas exagerada. Portanto, é novelesco. A narrativa favorece, cruelmente, a empatia com o personagem. Porque o Coringa é apresentado como uma vítima. E ele está devorado pela autopiedade. A interpretação de Joaquin Phoenix é imensa, monumental, perturbadora.

Acontece que o Coringa não é um anti-herói, é um psicopata. E a revolução dos clowns é insana. Mas o mundo precisa de uma revolução. Eis o paradoxo. A revolução do futuro irá além das revoluções do passado. Será uma revolução das pessoas comuns, os trabalhadores, as mulheres, os negros e a juventude, e será, inevitavelmente, radical, mas, também, alegre, porque inspirada em justiça e esperança, não no rancor.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum