Valerio Arcary

28 de abril de 2020, 21h34

Dez notas sobre o futuro da campanha Lula Livre

Leia na coluna de Valerio Arcary: "Lula solto não é Lula Livre"

Foto: Mídia Ninja
  1. As duas campanhas democráticas centrais da esquerda brasileira são Quem mandou matar Marielle e Lula Livre. Elas são indivisíveis. Nem a campanha Quem mandou matar Marielle é uma campanha do Psol, nem Lula Livre é uma campanha do PT. Quando o PSol defende Lula Livre não se diminui, ao contrário, se agiganta, e vice-versa. São campanhas que deveriam unir todos os democratas honestos. Mas Lula solto não é Lula Livre. A saída de Lula da prisão em Curitiba foi uma vitória democrática, mas parcial. Lula não saiu porque a força social e política da campanha pela sua liberdade conquistou tal dimensão que não restou ao julgamento no STF outro caminho. A decisão sobre a prisão após julgamento em segunda instância, mas antes do trânsito em julgado em terceira instância, foi sempre um tema polêmico na classe dominante e dividia, seriamente, a superestrutura jurídica, fraturada entre a ala lava-jatista e a ala garantista. O escândalo das revelações das reportagens do Intercept incidiu, ao revelar a falta de isenção do juiz Moro em colaboração ilegal com os procuradores e a Polícia Federal. Lula foi beneficiado, assim como muitos outros presos, por uma derrota da ala lava-jatista. A tentativa de incluir a prisão após julgamento em segunda instância foi derrotada, outra vez, quando da votação do pacote anticrime apresentado por Moro, que acabou incluindo a criação da figura do juiz de garantias. Mas, sem esta divisão na classe dominante, Lula continuaria preso.
  1. Foi parcial, por outro lado, porque a única decisão que pode garantir a recuperação de sua liberdade e plenos direitos políticos seria a anulação pelo STF do processo conduzido por Moro. Mas as condições de prisão doméstica mudaram a urgência da percepção popular de sua condição, criando novas dificuldades que não podem ser ignoradas. A percepção popular é que Lula não está mais preso. O que não diminui a justeza e necessidade da campanha, agora com a bandeira Anula STF. Acontece que as razões que levaram a que se formasse, no julgamento de novembro passado, uma estreita maioria por uma soltura transitória de Lula, entre outros presos, não são suficientes para garantir uma vitória jurídica, imensa e incomparavelmente, superior, que seria sua liberdade plena.
  1. Estamos ainda em uma situação política reacionária. Isto quer dizer que o contexto da resistência é defensivo. Os mesmos juízes dificilmente estarão dispostos a anular o julgamento feito por Moro, ainda mais agora depois da sua saída do Ministério da Justiça em confronto com Bolsonaro. Moro saiu fortalecido. O destino de Lula permanece, portanto, indivisível da evolução da luta social, no contexto da calamidade gerada pela pandemia, e da crise social potencializada pela suspensão parcial da atividade econômica, e a previsível catástrofe do aumento do desemprego. Sem uma derrota política séria do amplo campo político que apoiou o golpe de 2016, imposta pela luta popular, Lula não será absolvido. Mas a tática política não pode ser lutar contra todos, ao mesmo tempo, na mesma intensidade. É necessário identificar o inimigo principal. Neste momento, não é Moro. O inimigo principal é o governo Bolsonaro. A campanha Lula Livre permanece uma campanha de longa duração. Enquanto a conjuntura não mudar, qualitativamente, é improvável uma vitória jurídica no STF e, portanto, Lula não poderá ser candidato em 2022.
  1. Mas Lula Livre é indissociável de Lula 2022, porque a recuperação dos direitos políticos é a condição necessária para que Lula possa ser candidato pelo PT contra Bolsonaro em 2022. Hoje é difícil prever algo sobre o que vai acontecer no Brasil em seis meses. Vivemos uma conjuntura “just in time”. Ainda assim, tanto o PSol quanto o PCdB já deixaram claro que, mesmo que Lula venha a recuperar os direitos políticos não o apoiarão em um eventual primeiro turno em 2022. Esta circunstância cria uma limitação para um pleno engajamento em uma campanha unitária de toda a esquerda que deveria ser, na verdade, uma campanha de todos os que têm compromisso com a defesa das liberdades democráticas. Uma limitação não é um obstáculo. É uma dificuldade. Dificuldades podem ser contornadas.
  1. Defender o direito de Lula ser candidato é diferente de defender a candidatura de Lula. Pode e deve ser explicado, mas é um problema evidente para quem não é do PT. Porque coloca a necessidade de esclarecer que nem todos que defendem Lula Livre defendem, também, Lula 2022. Este problema deve ser encarado de forma aberta, madura e leal. A única maneira de diminuir o problema é que a campanha Lula Livre, Anula STF seja clara e, inequivocamente, dissociada do PT. Ninguém deve ter maior interesse em garantir esta independência do que o próprio Lula e o PT.
  1. Para o Psol fazer a campanha Lula Livre, quando Lula é o potencial candidato do PT em 2022, coloca dificuldades, mas é possível. Mas Lula 2022 é muito mais do que um problema para aqueles que defendem a estratégia da Frente Ampla de centro-esquerda contra Bolsonaro. Lula 2022 é muito complicado para a construção de uma Frente Ampla. Não é por outra razão que PDT, PSB, PV e Rede decidiram apresentar sozinhos um pedido de impeachment contra Bolsonaro, e nem sequer tiveram a disposição de uma reunião com os partidos de esquerda.  Por isso, têm defendido a bandeira Um julgamento justo para Lula e não Anula STF. Se Lula pudesse ser candidato, a Frente Ampla, não importa muito quem vier a ser a candidatura, dificilmente, teria audiência. Ciro Gomes tem sido muito claro em sua delimitação permanente. Portanto, a estratégia da Frente Ampla obedece a um cálculo. Só é possível se Lula renunciar a ser candidato, ou for impedido de o ser. Para que a Frente Ampla tenha credibilidade como a alternativa eleitoral mais forte contra Bolsonaro, articulando uma parte da esquerda com setores dos partidos que se apoiam na pequena-burguesia, classe média, ou em diferentes frações burguesas.
  1. Mas a ideia de que uma renúncia tão dramática de Lula poderia facilitar o desfecho de seu julgamento no STF e, ao mesmo tempo, a construção de uma ampla Frente contra Bolsonaro seria mais que um grave erro. O destino da liberdade de Lula não repousa em um “suicídio político” voluntário, mas na capacidade da esquerda se unir em uma Frente Única para preparar as condições de derrotar o governo Bolsonaro antes de 2022. Se, eventualmente, a luta pelo impeachment não avançar, e Bolsonaro conseguir disputar a reeleição em 2022, as condições para derrotá-lo serão mais difíceis. Por isso, também, é decisivo tentar derrubá-lo o mais rapidamente possível. A apresentação unificada de um pedido de impeachment ajudaria a acumular forças.
  1. A campanha Lula Livre, Anula STF depende, em primeiro lugar, da capacidade do PT. Mas estas limitações não devem diminuir o compromisso do Psol com a campanha, ao contrário, devem potencializar a determinação de defender os direitos democráticos de Lula. O PSol deve continuar agitando que sem Lula livre não há eleições livres. O crescimento da autoridade do Psol está em relação direta com a sua capacidade de estabelecer uma relação de confiança com a base social de esquerda que, embora já não mantenha um reconhecimento com o PT como em décadas passadas, tampouco, rompeu com o PT. A defesa dos direitos democráticos de Lula deve ser, portanto, firme, corajosa e inflexível. Não há contradição nenhuma em defender Lula e, ao mesmo tempo, o PSol preservar sua independência política.
  1. A decisão do papel de Lula é, evidentemente, dele e do PT, e o PSol, evidentemente, deve  respeitar. Mas o papel pessoal de Lula será decisivo no futuro da campanha Lula Livre. O lugar de Lula remete a uma questão central. A sua localização diante das necessidades da luta dos trabalhadores e da juventude deve ser uma prioridade, diante da pandemia e da crise social. E não um cálculo de probabilidades de qual seria o comportamento mais adequado para um desenlace favorável de seu próximo julgamento. Há horas em que a mão não pode tremer.
  1. O governo Bolsonaro enfraqueceu desde a incidência da pandemia. Mas este governo não vai cair “de maduro”. Bolsonaro não renunciará sem uma luta feroz. Terá que ser derrubado. Um impeachment a “frio”, tampouco, é possível. O apoio quase unânime da classe dominante a Bolsonaro ao longo do ano passado deixou de existir. Ao contrário, parcelas da burguesia passaram para a oposição diante da incapacidade de Bolsonaro diante da pandemia. Mas ir para a oposição não é o mesmo que defender a necessidade de um impeachment, ainda mais, considerando as condições excepcionais impostas pela quarentena. Se o governo Bolsonaro não for deslocado, dificilmente, Lula será absolvido e, portanto, candidato em 2022. Porque, em última análise, houve um golpe no Brasil em 2016, e se abriu uma situação reacionária. O STF é uma instituição muito blindada à pressão popular. Não é uma instância eleita. Não é, também, imune, mas devemos saber que é funcional para o regime uma instância de poder que funciona como a última trincheira da defesa do regime. Repetimos que é muito improvável, infelizmente, mantidas as condições de “temperatura e pressão” que o desenlace no STF venha a ser favorável a Lula, se não mudar, qualitativamente, a relação social de forças, portanto, sem uma nova situação política: o que é o mesmo que dizer, sem a derrubada de Bolsonaro. O PSol deve defender Lula Livre, e o direito de Lula ser candidato em 2022, mas deixando claro que não vai apoiá-lo. O PSol deve ter candidatura própria, no primeiro turno, quando ocorrerem as eleições.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum