Valerio Arcary

30 de maio de 2020, 22h51

Hobsbawm e as cinco ondas revolucionárias do século XX

Valerio Arcary: “Pode-se, com certeza, discutir as datações que foram sugeridas por Hobsbawm. Mas não há como negar a dinâmica. Não está sendo diferente no século XXI”

Eric Hobsbawm - Foto: Divulgação

Revoluções continuarão ocorrendo? As quatro grandes ondas do século, 1917-20, 1944-62, 1974-8 e 1989-, poderão ser seguidas de outras ­de colapso e derrubada? Ninguém que olhe em retrospecto um século em que não mais que um punhado de Estados hoje existentes passou a existir, ou sobreviveu, sem passar por revolução, contra-revolução armada, golpes mi­litares ou conflito civil armado apostaria(…) no triunfo universal da mudança pacífica e constitucional, como previsto em 1989 por alguns eu­fóricos crentes na democracia liberal. O mundo que entra no terceiro milênio não é um mundo de Estados ou sociedades estáveis”. (1) (grifo nosso).

Eric Hobsbawm

A perspectiva histórica ajuda a manter a lucidez. Não se ensina nas escolas, mas as ondas de ascenso revolucionário, relativamente sincronizadas, destacadas por Hobsbawm são a mais importante chave de compreensão do século XX.

As revoluções se inspiraram umas nas outras, e despertaram a contrarrevolução. A utilização do conceito de fluxos e refluxos para descrever as alternâncias em um período de maior intensidade de conflitos na luta de classes remete à ideia de um processo que tem raízes nacionais, mas se decide na arena internacional.

Pode-se, com certeza, discutir as datações que foram sugeridas por Hobsbawm. Mas não há como negar a dinâmica. Não está sendo diferente no século XXI. Ele começou com uma onda revolucionária na América do Sul, com a derrubada do governo De la Rua na Argentina, passou pelo Equador, Venezuela e Bolívia, e abriu o caminho para as cleições de Lula, Chávez  e Evo Morales, entre outros.  

O critério geral é que uma onda se abre em função de um grande triunfo revolucionário, de repercussões mundiais, e se fecha com uma derrota, também de conseqüências incontornáveis, uma derrota histórica. Nesse sentido, a periodização das ondas acompanha as mudanças das etapas na situação mundial. Duas das quatro ondas, a primeira e a segunda, foram uma conseqüência, mais ou menos direta das duas grandes guerras mundiais que sangraram o século XX.

Mas, não se deveria concluir, apressadamente, que são somente as guerras que precipitam as revoluções, em uma relação direta de causa e efeito. Só as guerras não podem explicar um ascenso em forma de ondas internacionais.

Revelou-se, também, necessária uma vitória político-militar que pudesse abrir o caminho, demonstrando que seria possível vencer. A primeira onda só se esgota em 1923, porque o processo alemão, apesar das derrotas políticas do início de 1919 e de 1921, se manteve até 23, quando ocorre uma mudança importante da relações de forças (derrota na Alemanha e na Itália).

A segunda onda, que se inicia em 1944, depois da inversão das relações de forças militares na guerra contra o eixo (derrota nazista em Stalingrado e em El Alamein, e derrota japoneza em Midway, no Pacífico), se estende, somente, até 1949, com a vitória da revolução chinesa. Isso porque no centro da revolução mundial estava a Europa do Mediterrâneo. A consolidação dos regimes de unidade nacional na França e Itália, uma derrota histórica, fechou o processo.

Abre-se, então, uma nova etapa internacional, que será definida pelo acordo de Yalta e Potsdam, que estabeleceu as bases de uma ordem político-militar interestatal que se manterá, para o essencial, inalterada durante todo o período da “guerra fria”.

Nesse intervalo, que corresponde ao período do boom de pós guerra, nos países centrais, ocorrem três processos revolucionários muito importantes, vitoriosos em diferentes medidas, Vietnam, Argélia e Cuba, e outros, nos países dependentes e nas ex-colônias, em maior ou menor medida derrotados (Bolívia em 1952, Indonésia 1965 etc…), mas insuficientes para alterar uma relação de forças mundial, e parece, portanto, um pouco forçado, considerar a permanência da mesma onda ininterrupta, até 1962.

Na verdade, o processo de descolonização da Ásia e da África foi impulsionado pelos EUA, nesse intervalo, e a maioria dos ex-Impérios, em particular o Francês e o Inglês, realizaram uma descolonização, sem que se abrissem crises revolucionárias. As antigas colônias se transformaram em países semicoloniais, com regimes e governos completamente subservientes às suas ex-metrópoles, com as classes proprietárias nacionais em formação, integradas como sócias menores dos imperialismos, no saqueio das riquezas nacionais. As descolonizações negociadas e limitadas foram a regra e as revoluçòes a excepção.

Por isso, ao contrário de Hobsbawm, considero mais apropriado que a segunda onda se encerrou em 1948/49, com a derrota na Europa.

A terceira onda, por sua vez, se inicia mais cedo, indubitavelmente, em 1968, com o Maio francês, desprezado, um pouco inexplicavelmente, por Hobsbawm. Atinge vários continentes como uma onda internacional poderosíssima: em África, tem no seu epicentro a guerra de libertação nas ex-colônias portuguesas, que irão abrir uma revolução na metrópole, mas se extende para a Ásia (Vietnam, em 1975, Cambodja e Laos, na seqüência) e América Latina, e atinge primeiro o México e o Brasil, onde as rebeliões estudantis são derrotada, mas se radicaliza na revolução chilena.

Mantém-se aberta durante todos os agitados anos 1970: perspectiva de um governo PS/PC na França, vitória do Labour na Inglaterra, no calor de uma onda grevista única no pós-guerra, imensa instabilidade na Itália (que se expressou na votação de mais de 30% no PCI), com um impressionante ascenso sindical, que só será derrotado, porque uma boa parte da vanguarda pós-68, se desloca para a luta armada, o que precipita uma mudança do regime e uma situação de estado de sítio crônica por uns dois ou três anos, crise revolucionária na Espanha na sucessão pós-franquista etc…

Esta onda culmina com as vitórias das revoluções nicaraguense e iraniana, mas se fecha, depois de uma série de derrotas, em um processo acumulativo: estabilização democrática em Portugal (1976/78), Espanha e Grécia, guerra civil crônica financiada pelos EUA na America Central (a sangria espantosa em El Salvador, os contras na Nicarágua), guerras nacionais impulsionadas e financiadas pelos EUA (massacres palestinos de Sabra e Chatila em Beirute, invasão do Irã pelo Iraque).

A onda se encerra com uma contra-ofensiva em toda a linha, militar, política, econômica e ideológica, liderada por Thatcher e Reagan, que ficou conhecida pelo revivalismo do programa liberal.

Quanto à última onda, uma vaga de revoluções democráticas no Leste Europeu de 1989, com epicentro na Tchecolosváquia, Alemanha Oriental e Romênia atingiu, quase exclusivamente, os países que giravam em torno da ex-URSS. A decadência econômica das economias pós-capitalistas, que vinham desde o final dos anos 1960 “andando de lado”, se acentuou de forma dramática nos anos 1980, como consequência de uma complexa combinação de fatores: (a) a hegemonia econômica do complexo militar industrial; (b) a dependência cada vez maior em relação a um mercado mundial em depressão; (c) a maturidade de uma nova geração que não tinha vivido nem o horror da guerra, nem os anos da repressão estalinista; (d) por último, mas não menos importante, a resistência dos trabalhadores aos planos restauracionistas, liderados pela perestroica de Gorbatchev, que exigiam uma destruição das conquistas econômico-sociais da etapa histórica anterior.

Já podemos hoje ser categóricos e concluir que ela se fechou, logo depois de 1991, com a mais dramática derrota histórica da causa socialista.

(1)HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX – 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo, Companhia das Letras. p. 445-6.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags