Valerio Arcary

10 de junho de 2020, 22h59

O que o Fantástico não disse sobre o fascismo e Bolsonaro?

Leia na coluna de Valerio Arcary: Não mencionou Bolsonaro, o que é pitoresco, até um pouco divertido. Como se os brasileiros estivessem curiosos sobre o perigo fascista... na Hungria

Reprodução

No último domingo o Fantástico fez uma reportagem sobre o fascismo. Justificou a matéria pelo aumento do volume de consultas no Google sobre o que é o fascismo e o antifascismo. Não mencionou Bolsonaro, o que é pitoresco, até um pouco divertido. Como se os brasileiros estivessem curiosos sobre o perigo fascista… na Hungria. De qualquer forma, considerando tudo com um olhar equilibrado, talvez, benevolente, a reportagem foi positiva. Alertou que o fascismo é um regime autoritário.

Mas não se ouviu o mais importante: (a) que o nazi-fascismo é uma ditadura totalitária que surge como reação ao triunfo da revolução de outubro; (b) pretende impor uma derrota histórica aos trabalhadores e oprimidos; (c) pretende esmagar pelo terror dos métodos de guerra civil as organizações e lideranças populares; (d) a destruição dos direitos civis e das liberdades democráticas obedece às necessidades de preservação do capitalismo.

O nazi-fascismo liderou uma onda de contrarrevolução nos anos vinte e trinta. Não foi um fenômeno italiano: franquismo, salazarismo, nazismo são todas variações de fascismo, assim como o integralismo no Brasil. Muitos fatores estiveram na sua raiz. A guerra mundial, a crise econômica, mas, sobretudo, o perigo do triunfo de novas revoluções socialistas. O neofascismo do século XXI pertence ao mesmo gênero, embora o bolsonarismo seja peculiar à sua maneira.

Diminuir o perigo de Bolsonaro seria miopia política grave. Ele tem apoio em uma fração da classe dominante, sustentação nas camadas médias e uma base social de massas. Responde à demanda de liderança forte face à experiência de crônica corrupção no Estado; de comando diante do agravamento da crise da segurança pública; de ressentimento diante do aumento do peso dos impostos sobre a classe média; de ruína de pequenos negócios diante da regressão econômica; de pauperização diante da inflação dos custos da educação, saúde e segurança privadas; de ordem diante das greves e manifestações; de autoridade diante do impasse da disputa política entre as instituições; de orgulho nacional diante da regressão econômica dos últimos anos. Responde, também, à nostalgia das duas décadas da ditadura militar em franjas das classes médias exasperadas. Não fosse isso o bastante, conquistou visibilidade dando expressão à resistência de ambientes sociais atrasados e reacionários à luta do feminismo, do movimento negro e LGBT, ou até dos ecologistas.

Prevalece na população a ideia de que Bolsonaro é um radical, mas ainda não há clareza que ele é o líder de uma ultradireita neofascista. Está disseminada, também, a impressão de que ele seria oposição a “tudo que está aí”, porém não se entende que o seu compromisso é com a preservação da mesma ordem econômico-social que explica “tudo que está aí”.

A militância de esquerda tem, felizmente, a opinião de que Bolsonaro é um fascista. Bolsonaro é mesmo um neofascista. Esta reação é progressiva e revela boa intuição política. Confirma que no melhor da vanguarda há reservas. Elas serão vitais para poder se construir um movimento de massas antifascista.

É preciso ser rigoroso quando estudamos nossos inimigos. Quem não sabe contra quem luta não pode vencer. A qualificação de qualquer corrente política ou liderança de ultradireita como fascista é uma generalização apressada, historicamente, errada e, politicamente, ineficaz. O fascismo é um perigo tão sério que devemos ser serenos na sua definição. Toda a extrema-direita é radicalmente reacionária. Mas nem toda a ultradireita é fascista. É necessário avaliar, calibrar, e qualificar com cuidado a caracterização de nossos inimigos. A base social do conservadorismo religioso neopentecostal, por exemplo, se inclina na direção de posições muito reacionárias, em alguns aspectos, mas não é fascista.

Não obstante, Bolsonaro é um líder neofascista: sua retórica nacionalista exasperada, seus discursos exaltados em defesa da repressão, suas posições anticomunistas primitivas são expressão do fascismo contemporâneo em um país dependente. Mais importante, a estratégia de Bolsonaro é fascistizar a corrente de massas que apoia o seu governo. À partida, os bandos fascistas não organizam senão a fração mais decidida e mais desesperada da pequena burguesia (a sua fração “enraivecida”).

Os movimentos sociais e a esquerda socialista devem ter a compreensão que a luta contra o neofascismo não deve se limitar a um combate apenas eleitoral contra Bolsonaro. Nenhuma liberdade aos inimigos da liberdade. Neste processo de enfrentamento, não se deve descartar a necessidade de brigadas de autodefesa que neutralizem a ação de intimidação fascista.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum