Valerio Arcary

  • Como se faz análise de conjuntura?

    Valerio Arcary: “A caracterização de uma situação decorre da síntese entre a apreciação da relação social e da relação política de forças. Uma incide, permanentemente, sobre a outra. Mas a determinação mais poderosa é sempre estrutural”

  • Não somos maniqueístas

    Existe, evidentemente, uma dimensão moral na luta contra a exploração e a opressão. Mas isso não permite concluir que defender ideias socialistas equivale a ser do “bem”. Porque não são, somente e nem sequer, principalmente, as ideias que definem quem somo

  • Impeachment de Bolsonaro agora seria ou não um erro?

    Valerio Arcary: “Além do impeachment, há outros caminhos. Nossa estratégia não pode ser aguardar as eleições de 2022, evidentemente. Nossa estratégia deve ser criar as condições para derrubar Bolsonaro”

  • Sofremos ou não uma derrota histórica?

    Valerio Arcary: “Bolsonaro não é imbatível. Não será através de táticas eleitorais para 2010 ou 2022 que abriremos um caminho. Ele pode e deve ser derrotado nas ruas pela mobilização de milhões”

  • Sobre a militância (4)

    Criamos uma reputação. Somos vistos como militantes abnegados, mas arrogantes. Instruídos, mas sectários. Esta fragilidade tem uma história

  • Sobre a militância (3)

    Valerio Arcary: “Uma militância de esquerda deve ser uma ação o mais consciente possível, portanto, o mais madura possível. A lealdade às ideias que se expressam em um programa deve ser superior à lealdade a pessoas”

  • O neofascismo foi às ruas travestido de amarelo

    Valerio Arcary: “Uma corrente neofascista dura está em construção. Estão no governo e na disputa pelo poder. Portanto, também acumularam forças. Os neofascistas são uma gente esquisita e perigosa. Muito perigosa”

  • O perigo bonapartista continua presente

    Valerio Arcary: “A crise do capitalismo brasileiro é grave. Ela é econômica e social. Os primeiros quatro meses e meio de governo Bolsonaro indicam que ela tende a transbordar em crise política de governo”

  • Três notas sobre o 15M

    Valerio Arcary: “Não existe um atalho eleitoral em 2020 para derrotar Bolsonaro. Vai ser necessário enfrentá-lo, desgastá-lo, derrotá-lo na luta social”