Valerio Arcary

  • Lula Livre deve ser uma tarefa de toda a esquerda? Por quê?

    Valerio Arcary: “Lula foi acusado de ser ladrão. Alguém duvida que seremos acusados de terroristas? Ou coisas ainda piores? Mas defender a liberdade para Lula é, infelizmente, polêmico. O que além de errado, é muito triste”

  • O que é uma análise de conjuntura?

    Valerio Arcary: “Análise de conjuntura é um tipo de investigação interdisciplinar difícil. Parece que é algo parecido com tocar violão. Não é complicado tocar mal. Aprende-se fácil e, até rapidamente, alguns acordes. Mas dizem os musicistas que é um dos instrumentos mais complicados de tocar bem”

  • Nenhuma liberdade para os inimigos da liberdade

    Valerio Arcary: “A campanha pela “Escola Sem partido” será somente o começo de uma perseguição aos professores e intelectuais. A criminalização dos movimentos sociais pela tipificação das lutas sociais como terrorismo abrirá o caminho para a prisão das lideranças”

  • O que poderá ser um governo Bolsonaro?

    Valerio Arcary: “O que estamos vendo nas ruas demonstra que essa não é a situação brasileira. Mesmo que Bolsonaro ganhe nas urnas terá que medir forças nas ruas”

  • O medo ainda vai mudar de lado

    Valerio Arcary: “Há razões para termos esperança. E não estamos sozinhos no mundo. Em muitos países a solidariedade com nossa luta pela defesa das liberdades democráticas tem aliados sinceros”

  • Bolsonaro é ou não um neofascista?

    Valerio Acary: “O financiamento da campanha eleitoral de Bolsonaro permanece, essencialmente, obscuro. No entanto, a potência de sua presença nas redes sociais sugere que há grupos empresariais seriamente engajados”

  • Bolsonaro não é imbatível

    Valerio Arcary faz um primeiro balanço das eleições: “A defesa de uma linha de classe é a chave para manter os votos que o PT obteve no primeiro turno, e expandir. Chegou a hora de colocar a classe operária em movimento”

  • Ainda há tempo para derrotar Bolsonaro

    Valerio Arcary: “Há pelo menos dois anos, acontece uma discussão na esquerda brasileira, mais ou menos erudita, para saber se é ou não correto classificar Bolsonaro como fascista. Prevaleceu, felizmente, a opinião de que Bolsonaro é um fascista”

  • Cinco observações rápidas depois do atentado contra Bolsonaro

    Bolsonaro tende a se fortalecer ao se transformar em vítima de tentativa de homicídio. A mudança foi quantitativa ou qualitativa? Ainda não sabemos. Mas o atentado foi um episódio gravíssimo, e subestimá-lo – como ainda está prevalecendo em alguns círculos de esquerda - é perigoso.