Colunistas

07 de janeiro de 2019, 23h06

“Venham”: Senadora boliviana responde ao comentário racista de deputado carioca

Tomaz Amorim reproduz em sua coluna a resposta de uma senadora boliviana ao comentário racista feito por um deputado carioca do partido de Bolsonaro. "Tragam-no para que nós, as 'índias', o ensinemos sua própria história, tragam-no para que veja como um país de 'índios' dá aulas de humanidade, humildade, honestidade e sacrifício"

Foto: Reprodução/El Deber

O deputado estadual recém-eleito do PSL do Rio de Janeiro, Rodrigo Amorim, com a truculência infantil típica que se tornou comum nos noticiários do Brasil, acreditava ofender os bolivianos quando disse: “Quem gosta de índio, que vá para a Bolívia, que, além de ser comunista, ainda é presidida por um índio”. O deputado, atento ou não para o risco de criar um incidente diplomático muito distante de sua alçada de deputado fluminense, disse a frase ao defender, entre outras coisas, que a Aldeia Maracanã, espaço onde funcionou o Museu de Índio e onde hoje vivem famílias de indígenas, fosse transformada em “estacionamento ou shopping”.

O racismo expresso é evidente e característico de um país sem história, de um país com “as ideias fora do lugar”, que fala e pensa como se morasse em algum outro lugar, neste caso, em um lugar em que não há índios, em que não se gosta de índios. O problema é que o Brasil e o Rio de Janeiro, especificamente, são territórios extremamente indígenas.

A psicanálise ajuda a explicar este ódio ao outro dirigido a si – odiar o índio em si, odiar-se por não ser branco, europeu o bastante, odiar para expurgar de si o índio. Pois bem, nossos irmãos e camaradas bolivianos têm muitíssimo a nos ensinar em questão de conhecer e valorizar a própria história, reconhecer e amar a diversidade de seus próprios povos. A afirmação do deputado não passou batido e Adriana Salvatierra, senadora boliviana de 29 anos, respondeu o comentário do deputado com uma postagem em seu Facebook que traduzimos e reproduzimos abaixo. A elegância de quem convida um adversário raivoso para conhecer aquilo que ele ignora e odeia é uma das qualidades da réplica curta, mas incisiva. É a raiva contra si mesmo respondida com uma lição de orgulho.

Sim, venham!

Venham para que vejam como uma sociedade promove a integração, o respeito às identidades e luta abertamente contra a discriminação e o racismo.

Venham para que vejam como uma mulher “índia” pode ser deputada, senadora ou presidenta. E aqui, na Bolívia, é respeitada e sua voz é ouvida.

Venham! Por favor! Para que aprendam como o estado tem por lei o compromisso de respeitar os territórios e não os asfixia com pobreza para promover as plantações transgênicas em posse de apenas cinco famílias.

Venham. Conhecerão um povo que valoriza suas origens e sua história, um povo que despreza a exploração e a opressão. Aqui aprenderão o que é a verdadeira autoestima de um povo que não esconde suas cores.

Mas tragam-nos este deputado. Para que ele percorra os territórios indígenas e veja também como lutam todos os dias nas cidades para manter sua cultura e avançar junto com o país. Se o trouxerem, o ensinaremos como os índios governam, não para uma classe, para um grupo de famílias, mas para todo um país. Tragam-no para que nós, as “índias”, o ensinemos sua própria história, tragam-no para que veja como um país de “índios” dá aulas de humanidade, humildade, honestidade e sacrifício. É assim que são as bolivianas e os bolivianos, e nos sentimos orgulhosos!


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum