Imprensa livre e independente
06 de julho de 2019, 10h45

Com erros de português, ministro da Educação faz provocações contra “comunistinhas”

"Meu Twitter minhas regras", escreveu Abraham Weintraub em um tuíte sobre os "comunistinhas" que tem bloqueado de seu perfil

O ministro da Educação,Abraham Weintraub (Foto: Reprodução)
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, mais uma vez deixou de lado o decoro que o cargo exige e fez uma postagem, nesta sexta-feira (5), provocando quem ele chama de “comunistinhas” nas redes sociais. Com inúmeros erros de português, como falta de vírgulas e conjunções, Weintraub, em sua postagem, falou sobre as pessoas que vem bloqueando de seu perfil. “Meu Twitter minhas regras! Fui informado que há uma comunistinha querendo que eu a desbloqueie. Regras para ter acesso: não pode ser comunistinha e chato ao mesmo tempo (tenho que dar risada quando ler). Mantive o Cocada, o Dragão, a Tiburi...

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, mais uma vez deixou de lado o decoro que o cargo exige e fez uma postagem, nesta sexta-feira (5), provocando quem ele chama de “comunistinhas” nas redes sociais.

Com inúmeros erros de português, como falta de vírgulas e conjunções, Weintraub, em sua postagem, falou sobre as pessoas que vem bloqueando de seu perfil.

“Meu Twitter minhas regras! Fui informado que há uma comunistinha querendo que eu a desbloqueie. Regras para ter acesso: não pode ser comunistinha e chato ao mesmo tempo (tenho que dar risada quando ler). Mantive o Cocada, o Dragão, a Tiburi e tantos outros…Estou sendo radical?”, escreveu. A “comunistinha” a quem o ministro se refere é Debora Diniz, antropóloga e pesquisadora brasileira reconhecida internacionalmente na academia.

Weintraub é o ministro que protagonizou, em maio, um vídeo em que fazia uma paródia de “Dançando na Chuva” para dizer que estava “chovendo fake news” sobre os cortes na educação. Ele também cometeu deslizes que ficaram conhecidos, como quando quis se referir ao escritor Franz Kafka e utilizou a palavra “cafta”, que se refere a um prato árabe.

Veja também:  "Impressiona o desprezo de Jair Bolsonaro pela educação", diz deputado sobre desmonte no setor

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum