Imprensa livre e independente
03 de maio de 2019, 07h32

Com fuga de patrocinadores, BB e Itamaraty ajudam a bancar homenagem para Bolsonaro em NY

Recursos públicos foram usados para reservar mesas por até R$ 47,5 mil no evento promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados que é alvo de boicote de patrocinadores pela presença de Bolsonaro

Foto: Reprodução
Depois que apoiadores e patrocinadores anunciaram boicote ao evento da Câmara de Comércio Brasil-Estados que homenageará Jair Bolsonaro (PSL) no próximo dia 14 em Nova York, os cofres públicos foram abertos para ajudar a financiar a festa para o capitão. Reportagem de Ricardo Balthazar, na edição desta sexta-feira da Folha de S.Paulo, informa que o Banco do Brasil e o Consulado-Geral do Brasil em Nova York, órgão ligado ao Itamaraty, estão ajudando a bancar a festa, patrocinada em grande parte por banqueiros brasileiros. É a primeira vez que o BB participa do evento como patrocinador. O banco pagou US$ 12...

Depois que apoiadores e patrocinadores anunciaram boicote ao evento da Câmara de Comércio Brasil-Estados que homenageará Jair Bolsonaro (PSL) no próximo dia 14 em Nova York, os cofres públicos foram abertos para ajudar a financiar a festa para o capitão.

Reportagem de Ricardo Balthazar, na edição desta sexta-feira da Folha de S.Paulo, informa que o Banco do Brasil e o Consulado-Geral do Brasil em Nova York, órgão ligado ao Itamaraty, estão ajudando a bancar a festa, patrocinada em grande parte por banqueiros brasileiros.

É a primeira vez que o BB participa do evento como patrocinador. O banco pagou US$ 12 mil (R$ 47,5 mil) para ter uma mesa com dez lugares no jantar de gala anual da entidade, cujo objetivo é arrecadar fundos para patrocinar interesses de empresas brasileiras e americanas nos Estados Unidos.

Já o Ministério das Relações Exteriores afirmou ter pago US$ 10 mil (R$ 39,6 mil) por sua mesa e que contribuiu para o evento em outros anos.

Diversidade
O evento tem sido alvo de boicotes pela presença de Bolsonaro. O Museu Americano de História Natural desistiu de emprestar sua sede para o jantar após receber críticas da comunidade acadêmica.

Veja também:  Moro terá que enviar detalhes de sua visita aos EUA para a Câmara

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, do Partido Democrata, disse que Bolsonaro não era bem vindo à cidade e o chamou de racista, homofóbico e destrutivo. O senador democrata Brad Holyman promoveu um abaixo assinado e subiu a tag #CancelBolsonaro no Twitter para buscar adesão ao boicote da homenagem ao “homofóbico notório”.

A companhia aérea Delta, a consultoria Bain & Company e o jornal Financial Times, que tinham topado apoiar a festa, recuaram no início desta semana. Ao explicar a decisão, a Bain disse à CNN que “celebrar a diversidade é um princípio essencial” da empresa.

Na semana passada, Bolsonaro mandou demitir o diretor de marketing do BB e suspender uma campanha publicitária que usava jovens, mulheres e negros para representar a diversidade da sociedade brasileira. “Essa não é a minha linha”, disse Bolsonaro a jornalistas, ao explicar o veto.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum