Imprensa livre e independente
08 de março de 2019, 14h29

Com Moro, Damares anuncia políticas contra violência doméstica: “Vamos ensinar meninos a levarem flores”

Para Damares, as mulheres são diferentes por "serem mulheres" e precisam ser amadas e respeitadas como mulheres

Sergio Moro e Damares Alves (Foto: Willian/ MMFDH)
Ao lado do ministro da Justiça, Sérgio Moro, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves disse nesta sexta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, que vai ensinar nas escolas meninos a entregar flores e abrir a porta do carro para meninas não coloca a mulher em uma situação de fragilidade. “Nós vamos ensinar nossos meninos nas escolas a levar flores para meninas, por que não? Abrir porta do carro para mulher, por que não? A se reverenciar para uma mulher, por que não? Nós não vamos estar colocando a mulher em uma situação de fragilidade. Mas...

Ao lado do ministro da Justiça, Sérgio Moro, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves disse nesta sexta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, que vai ensinar nas escolas meninos a entregar flores e abrir a porta do carro para meninas não coloca a mulher em uma situação de fragilidade.

“Nós vamos ensinar nossos meninos nas escolas a levar flores para meninas, por que não? Abrir porta do carro para mulher, por que não? A se reverenciar para uma mulher, por que não? Nós não vamos estar colocando a mulher em uma situação de fragilidade. Mas vamos elevar para um patamar de um ser especial pleno, de um ser extraordinário”, defendeu Damares, que anunciou um convênio entre os dois ministérios para combater a violência doméstica.

Pelo Twitter, a ministra defendeu sua fala. “E por que não? É claro esse ato isolado não resolve o problema e tampouco é isso que proponho. Mas ensinar o respeito desde que todos são bem pequenos é fundamental. Precisamos resgatar valores que são caros à família”, tuitou.

Para Damares, as mulheres são diferentes por “serem mulheres” e precisam ser amadas e respeitadas como mulheres.

Veja também:  Moro interferiu no grampo ilegal da cela de Alberto Youssef

“Os meninos vão ter que entender que as meninas são iguais em direitos e oportunidades, mas são diferentes por serem mulheres e precisam ser amadas e respeitadas como mulheres. Enquanto nossos meninos acharem que menino é igual a menina, como se pregou no passado, algumas ideologias…já que a menina é igual, ela aguenta apanhar”, afirmou.

Salve uma mulher
No evento, Damares anunciou o lançamento da campanha Salve uma Mulher para treinar profissionais que lidam todos os dias com o público feminino, como os profissionais de beleza, a identificar e denunciar sinais de agressão contra as mulheres.

De acordo com Damares, há entre os profissionais de beleza e as clientes uma relação de “confiança”, e, por isso, o treinamento deles é importante para que agressões sejam denunciadas.

“[Vamos] treinar as manicures para quando estiver fazendo a unha da mulher, olhar se tem uma marca no braço, se essa mulher não está tremendo muito. Treinar o cabeleireiros na hora de erguer o cabelo para fazer uma escova, olhar se não tem uma mancha”, explicou.

Veja também:  Homem joga caminhonete em acampamento e mata integrante do MST no interior de São Paulo

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum