Imprensa livre e independente
28 de março de 2019, 22h23

Comandante do Exército afirma que Forças Armadas não se arrependem do golpe

Em entrevista ao UOL, general Edson Leal Pujol disse que a reação da opinião pública e do MPF contra orientação de Bolsonaro não passa de “um escarcéu”

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
As polêmicas em relação à determinação de Jair Bolsonaro continuam. O presidente orientou os quartéis para comemorarem o 31 de março, que marca o golpe de 1964. Em entrevista a Leandro Prazeres, do UOL, o general Edson Leal Pujol, comandante do Exército, declarou que as Forças Armadas não se arrependem do golpe. O general disse, ainda, que a reação da opinião pública e do Ministério Público Federal, contrária à determinação de Bolsonaro, não passa de “um escarcéu”. “Todos os anos teve isso (comemoração)”. Pujol foi mais longe e destacou que o Brasil deveria “agradecer” pelo golpe, pois, em sua avaliação,...

As polêmicas em relação à determinação de Jair Bolsonaro continuam. O presidente orientou os quartéis para comemorarem o 31 de março, que marca o golpe de 1964. Em entrevista a Leandro Prazeres, do UOL, o general Edson Leal Pujol, comandante do Exército, declarou que as Forças Armadas não se arrependem do golpe.

O general disse, ainda, que a reação da opinião pública e do Ministério Público Federal, contrária à determinação de Bolsonaro, não passa de “um escarcéu”. “Todos os anos teve isso (comemoração)”.

Pujol foi mais longe e destacou que o Brasil deveria “agradecer” pelo golpe, pois, em sua avaliação, os militares impediram a suposta implantação de uma ditadura comunista no país.

Leia também

Presidente do Clube Naval defende atos pró-golpe de 64 e diz que tortura é “técnica de interrogatório”

Lamarca e Marighella

O comandante do Exército, questionado se as Forças Armadas se arrependiam do regime que veio após o 31 de março, respondeu com outra pergunta.

“Vocês perguntam se os partidos que defendem Lamarca, Marighella (ambos gurrilheiros assassinados pelo ditadura), guerrilha urbana, guerrilha rural, fizeram atentados a banco, a bomba, mataram pessoas, sequestraram, fizeram atentados a pessoas inocentes, vocês fazem essas perguntas?”, questionou.

Veja também:  PDT suspende Tábata e mais sete deputados que votaram a favor da Previdência

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum