Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de novembro de 2019, 10h24

Ali Kamel, da Globo, parabeniza jornalistas sobre reportagem do porteiro: Jornalismo, para outros, é motivo de irritação e medo

Na carta, divulgada por Mônica Bergamo, Kamel diz que apenas ele, Bonner e o diretor do Rio, Vinícius Menezes, sabiam, além da equipe envolvida sabiam da apuração e ressalta que o advogado de Bolsonaro teria sonegado informação como estratégia para que o presidente desferisse os ataques contra a emissora

Bolsonaro, Ali Kamel e William Bonner (Montagem)

Em mensagem aos jornalistas da Rede que participaram da produção da reportagem sobre o suposto envolvimento de Jair Bolsonaro no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol) e do motorista Anderson Gomes, divulgada nesta segunda-feira (4) por Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo, o diretor de jornalismo da Globo, Ali Kamel, disse ter orgulho do resultado da apuração.

“Seguiremos fazendo jornalismo, em busca da verdade. É a nossa missão. Para nós, é motivo de orgulho. Para outros, de irritação e medo”, afirmou Kamel.

Na longa carta, que se inicia com a frase “há momentos em nossa vida de jornalistas em que devemos parar para celebrar nossos êxitos”, o diretor da Globo conta detalhes da apuração jornalística que seria de conhecimento apenas do próprio Kamel, de William Bonner, apresentador do Jornal Nacional, e do diretor de Jornalismo do Rio de Janeiro, Vinícius Menezes, além da equipe envolvida. “Tudo para que a informação não vazasse para outros órgãos de imprensa”, diz.

Kamel ainda conta que o advogado de Bolsonaro, Frederick Wassef, teria sonegado a informação sobre o áudio na portaria do condomínio com gravação que seria de Ronnie Lessa autorizando a entrada do ex-PM Elcio Queiroz no dia do assassinato de Marielle.

“Hoje sabemos que o advogado do presidente, no momento em que nos concedeu entrevista, sabia da existência do áudio que mostrava que o telefonema fora dado, não à casa do presidente, mas à casa 65, de Ronnie Lessa. No último sábado, o próprio presidente Bolsonaro disse à imprensa: “Nós pegamos, antes que fosse adulterada, ou tentasse adulterar, pegamos toda a memória da secretária eletrônica que é guardada há mais de ano””, afirmou Kamel.

Para ele, a sonegação deu margem justamente para que Bolsonaro atacasse a emissora.

“Por que os principais interessados em esclarecer os fatos, sabendo com detalhes da existência do áudio, sonegaram essa informação? A resposta pode estar no que aconteceu nos minutos subsequentes à publicação da reportagem do Jornal Nacional. Patifes, canalhas e porcos foram alguns dos insultos, acompanhados de ameaças à cassação da concessão da Globo em 2022, dirigidos pelo presidente Bolsonaro ao nosso jornalismo, que só cumpriu a sua missão, oferecendo todas as chances aos interessados para desacreditar com mais elementos o porteiro do condomínio (já que sabiam do áudio)”.

Leia a íntegra da carta na coluna de Mônica Bergamo

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum