Entrevista exclusiva com Lula
01 de dezembro de 2019, 07h32

Apoiadora da ditabranda, Folha faz edição discreta para bater em “falas autoritárias” de Bolsonaro

Após se pintar para a guerra com o histórico editorial, jornal da família Frias fraqueja na edição deste domingo e convoca guru de Luciano Huck para dizer que ascensão da extrema-direita é culpa de Lula e "das medidas equivocadas dos governos do PT"

Capa da Folha deste domingo (1º) e Bolsonaro na Escola de Sargento das Armas, em Três Corações (MG) (Montagem)

Após se pintar para a guerra, no histórico editorial “Fantasia de imperador” contra Jair Bolsonaro na última sexta-feira (29), para rebater ao boicote conclamado pelo capitão contra os patrocinadores do jornal, a Folha de S.Paulo fraquejou e fez uma edição discreta para criticar as “falas autoritárias do governo Bolsonaro” neste domingo (1º).

Falando “grosso” e em letras garrafais durante todo o processo que culminou no golpe parlamentar que derrubou Dilma Rousseff da Presidência e levou o ex-presidente Lula à prisão – abrindo, assim, caminho para a eleição de Bolsonaro -, a Folha lembra agora o editorial de 17 de fevereiro de 2012, quando criou o neologismo “ditabranda” para se referir aos anos de ditadura militar no Brasil.

Além da reportagem da manchete – “Defesa de autoritarismo pelo governo Bolsonaro preocupa demais Poderes” -, que faz um apanhado da repercussão da declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre um novo AI-5, citando na última linha que “Bolsonaro tem intensificado a escalada contra veículos da imprensa, entre os quais a Folha”, a família Frias escalou um time de colunistas para escrever artigos sobre o “abuso de poder” de Bolsonaro.

A Folha ainda convocou o guru político de Luciano Huck, o ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, para culpar Lula e “as políticas equivocadas de governos petistas” por “produzirem crise e alimentarem a ascensão da extrema direita” em longo artigo intitulado “Brasil vive entre riscos de extrema direita e recaída lulista”, escrito em parceria com Marcos Lisboa (Insper) e Samuel Pessôa (FGV).

Articulistas
Coube a Jânio de Freitas, uma das vozes mais sensatas do jornal, a defesa da liberdade de imprensa. Em artigo, o jornalista veterano diz que os ataques de Jair Bolsonaro à Folha mais servem aos outros jornais, revistas e tevês para pensarem sobre atos, e sobre si mesmos, do que para atingir a própria Folha em qualquer sentido.

“Afastado do convívio com a cúpula do jornal e da empresa, não ouso falar por um ou por outra. Mas a experiência é um prenúncio, e a memória da Folha guarda farta experiência de trato com pressões. Desde as pouco sutis queixas de Fernando Henrique e José Serra por determinadas demissões — do que há alvos e testemunhas em bom número — à invasão da empresa por Polícia Federal e Receita Federal a mando de Collor”, diz Jânio.

Já Bruno Boghossian diz que “Bolsonaro escancara abuso de poder para fins particulares”. “As críticas à imprensa sempre foram armas retóricas de Jair Bolsonaro. A medida tomada na última semana, no entanto, não representa apenas uma escalada nessa área. O governo já explora abertamente sua autoridade e o orçamento público como ferramentas para tentar intimidar e estrangular quem não estiver alinhado a suas vontades”, diz o colunista.

O jornal ainda destaca na capa uma entrevista com a presidenta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), que ressalta que “se a economia não reagir até o ano que vem, […] esse governo não consegue se sustentar”. A semiótica se completa com uma foto de Gaby Amarantos saindo de um “xerecão” para divulgar a reportagem com a cantora paraense, em que diz que “falar da vagina é tratar sexualidade feminina de forma mais livre”, dando uma alfinetada no discurso conservador de “bons costumes” do governo.

A Folha ainda fez uma reportagem sobre os atos e falas que seriam “pontes entre governo de Bolsonaro e a ditadura”. Desta vez, chamando o período repressivo comandado pelos militares no Brasil pelo verdadeiro nome.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum