Fórum Educação
20 de Maio de 2020, 09h42

Assassinato de João Pedro: Capa do Extra chama morte de menino de “nossa doença crônica”

A comparação com a pandemia do coronavírus traz um veredito fulminante. Mais cedo ou mais tarde, a Covid-19 será vencida. Já o assassinato de jovens pobres e negros nas periferias, não

Foto: Reprodução

A foto é comovente. Neilton Mattos chora debruçado sobre o caixão do seu filho, o menino João Pedro, de 14 anos, assassinado pela polícia com um tiro de fuzil em casa, nesta segunda-feira (18), no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. Na manchete, o jornal Extra, do Rio de Janeiro, chama o caso de “A nova vítima de nossa doença crônica”.

A comparação com a pandemia do coronavírus traz um veredito fulminante. Mais cedo ou mais tarde, a Covid-19 será vencida, seja por uma vacina, remédio ou o próprio isolamento social. A morte de outros meninos e jovens negros das periferias do Rio de Janeiro e do Brasil, no entanto, é uma doença crônica que, ao que tudo indica, tão cedo não terá cura.

O caso de João Pedro engrossa a macabra estatística. O Brasil teve ao menos 5.804 pessoas mortas por policiais em 2019 – um dado maior que em 2018. No mesmo período, 159 policiais foram assassinados – número bem menor que o do ano anterior. O levantamento foi feito pelo G1 com base nos dados oficiais de 25 estados e do Distrito Federal. Apenas Goiás se recusa a passar os dados.

João Pedro foi assassinado por um tiro na barriga enquanto cumpria o isolamento social em casa, em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Disparo veio de policiais durante uma operação na Praia da Luz, por volta das 16h. O jovem foi levado pelos agentes em um helicóptero e está desaparecido.

De acordo com o primo do jovem, Daniel Blaz, que iniciou uma campanha no Twitter para pressionar as autoridades em busca de João Pedro, o disparo ocorreu quando traficantes entraram na casa do garoto para fugir dos policiais.

João Pedro ficou mais de 12 horas desaparecido depois que a polícia o levou em um helicóptero, após a operação. Familiares encontraram o corpo do adolescente apenas na manhã desta terça-feira (19), no Instituto Médico Legal (IML) de São Gonçalo.

Durante todo o processo de busca, familiares contam que não foi encontrado registro da entrada do adolescente em nenhum hospital. A polícia, portanto, não teria prestado socorro ao garoto.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum