#Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de setembro de 2019, 16h19

Boris Casoy mente ao dizer que entidades de direitos humanos se omitiram em caso de tortura no Ricoy

Diversas organizações, como o Condepe, coletivo negro do MTST e Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio se posicionaram contra as práticas de tortura no estabelecimento

Foto: Reprodução/YouTube

O jornalista Boris Casoy, da RedeTV! News, mentiu ao dizer durante o jornal neste sábado (7) que as entidades de direitos humanos não se pronunciaram a respeito do caso de tortura de um jovem negro, de 17 anos, nos supermercados Ricoy. O jornalista ainda acusou as entidades de se manifestarem “apenas quando essa violência tem contornos políticos”.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Ao contrário do que Boris Casoy alega, diversas organizações não se calaram sobre o ocorrido no supermercado. A Ponte Jornalismo listou algumas dessas entidades que protestaram contra a rede Ricoy. “Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana), Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio, Coalizão Negra Por Direitos, Comissão da Igualdade Racial da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Comissão de Direitos Humanos da OAB e Associação Nacional de Advocacia Negra, entre outros”, publicou a Ponte.

O coletivo negro do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) foi um dos grupos que se posicionou contra a violência praticada no supermercado. Na tarde da última sexta-feira (6), o coletivo realizou um ato de protesto contra a tortura e o racismo em frente ao supermercado Ricoy da Vila Joaniza, na Zona Sul de São Paulo.

Foi justamente nesta unidade que, no início da semana passada, o jovem negro de 17 anos foi torturado por seguranças após furtar uma barra de chocolate. Ele relatou, inclusive, ter sido chicoteado com fios elétricos.

Prisões

A Polícia Civil prendeu, na sexta-feira (6) e sábado (7), os dois principais suspeitos de torturar o adolescente de 17 anos no supermercado Ricoy, localizado na Zona Sul de São Paulo. Waldir Bispo dos Santos e Davi de Oliveira Fernandes eram seguranças terceirizados da rede. Depois da prisão de Davi, Walter se apresentou na Deatur (Delegacia de Apoio ao Turista) e foi encaminhado ao 80º DP, na Vila Joaniza, onde a investigação corre em segredo de Justiça.

Violência de longa data

A Fórum revelou, através de entrevista com uma ex-funcionária terceirizada dos supermercados Ricoy, que as violências na rede ocorrem há, no mínimo, oito anos. Ela presenciou pelo menos dois casos de torturas em lojas diferentes da rede em 2011, época em que começou a trabalhar para a empresa. Foram inúmeras as vezes, no entanto, que ela alegou ter ouvido de outros funcionários histórias similares das mesmas sessões de tortura. A prática era frequente e conhecida, mas muito encoberta.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum