#Fórumcast, o podcast da Fórum
14 de agosto de 2017, 20h41

Charlottesville: Mídia brasileira evita palavra “nazistas” e escolhe “supremacistas”

Não é à toa. No protesto absurdo de Charlottesville (EUA), manifestantes gritavam contra negros, judeus, LGBTs, imigrantes e exaltavam a “superioridade” branca. No Brasil, todos esses valores são disfarçados pelo antipetismo que essa mesma mídia ajuda a alimentar. Se chamarem, então, os “supremacistas” americanos de nazistas, teriam que chamar muito cidadão de bem de verde e amarelo de nazista também. Aí já é demais 

Por Ivan Longo

Já reparou que a mídia brasileira tem evitado usar o termo “nazismo” para falar do protesto absurdo ocorrido no último sábado em Charlottesville (EUA) e escolheu, como termo principal para se referir aos manifestantes, a palavra “supremacistas”? Não é à toa. A imprensa pode até tentar se justificar dizendo que não quer generalizar, já que a manifestação neonazista reuniu diferentes grupos, que iam desde neo-confederados, passando por adoradores da KKK, nacionalistas até os ditos “supremacistas”.

“Cidadão de bem” brasileiro e “supremacista” norte-americano (Reprodução/Twitter)

O protesto, no entanto, tinha uma voz uníssona: contra negros, judeus, LGBTs, pela “pátria” e exaltando a superioridade branca – elementos que fazem parte da base fundadora da ideologia nazista. Neste sentido, a manifestação de Charlottesville tinha caráter, sim, neonazista.

Em artigo, o deputado federal Rogério Correia fez o alerta: “Reivindicavam a ‘supremacia branca’, daí serem chamados de ‘supremacistas’ pela mídia. São mais do que isso: são racistas. Fascistas. Neonazistas.
Charlottesville merece mais do que o repúdio. De nós, brasileiros, serve como alerta. Pois infelizmente está mais perto do que imaginamos”.

Todo o mundo já sabe. Nos jornais internacionais, até se fala dos “supremacistas”, mas o termo “nazistas” e “neonazistas” ganham destaque nas manchetes. No Brasil, a mídia trata o neonazismo apenas como um dos elementos da manifestação, e “supremacistas” é a palavra da vez. O que está por trás dessa escolha, afinal?

No levante neonazista de Charlottesvile uma das principais palavras de ordem era: “Não vão tomar o nosso lugar”. Algo bem parecido com um “a nossa bandeira jamais será vermelha” tupiniquim, não? Pois é, mas a questão ainda vai além.

Manifestação pró-imepeachment no Brasil. (Foto: Reprodução/Facebook)

Todos sabem que no Brasil existe um forte sentimento antipetista que é usado para disfarçar o racismo, a homofobia, a xenofobia e a exaltação da “pátria”, exatamente os mesmos elementos presentes no protesto neonazi da Virginia. Isso ficou muito claro durante as manifestações de direita que antecederam o impeachment da ex-presidenta Dilma. O ódio contra petistas era, na verdade, o ódio contra negros, nordestinos, LGBTs e, claro, “comunistas”, como eles gostam de dizer, que, em tese, defendem tudo aquilo que os neonazistas são contra.

O jornalista Pedro Alexandre Sanches, por exemplo, fez esse alerta em seu Twitter.

 

Será que no Brasil eles também são “supremacistas”? (Reprodução)

É nesse Brasil que a juventude negra é exterminada diariamente sob os aplausos da elite, é nesse Brasil que um refugiado sírio é vítima de ódio por vender esfirras em Copacabana, aos gritos de “esse é o meu país, não vai tomar o nosso lugar”. Alguma ligação direta com as ideias nazis de Charlottesvile ou mera coincidência? É nesse Brasil que um deputado federal que elogia torturadores e que tira fotografias ao lado de “cover” de Hitler tem o segundo lugar nas intenções de voto para a presidência. É nesse país que manifestantes de verde e amarelo, pedindo o fim do “comunismo”, erguem o braço direito em manifestações em uma clara referência à saudação nazista.

Todos esses acontecimentos, ao longo dos últimos anos, passaram sob as vistas grossas dessa mesma mídia que chama os neonazi norte-americanos de “supremacistas”. Neste sentido, fica fácil saber o motivo pelo qual a palavra “supremacistas” é mais adequada para se referir aos racistas que ocuparam a Virg‌ínia. Se os classificarem como “nazistas”, essa mídia terá que classificar muito “cidadão de bem” de verde e amarelo como nazista também. Para eles, aí já é demais.

Leia também: Escola administrada pela PM imita doutrinação nazista e saúda Bolsonaro. Veja o vídeo

O nazismo não se faz presente apenas na suástica, mas em pequenos gestos. Para a mídia tradicional brasileira, no entanto, nazismo só existe em livro de história.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum