No rastro do óleo do Nordeste
11 de setembro de 2017, 20h47

‘Correio Braziliense’ publica crônica de cunho machista e alimenta cultura do estupro

Na crônica intitulada “A Estagiária”, que já foi retirada do ar, uma nova estagiária do jornal é tratada como um pedaço de carne. Entre descrições de seu “decotinho perverso” e de seu “defeito”, que era ter namorado, o texto retrata uma realidade vivida por milhares de mulheres em redações mas não faz qualquer ponderação quanto à cultura do estupro ali retratada – muito pelo contrário 

Por Redação

O jornal Correio Braziliense publicou, em sua versão impressa e digital nesta segunda-feira (11), uma crônica de cunho extremamente machista que, mais do que retratar um ambiente hostil à mulheres, incentiva a cultura do estupro. Isso por que o texto, assinado por Guilherme Goulart, romantiza um tipo de abuso comum entre mulheres em ambientes dominados por homens e não faz qualquer ponderação quanto ao machismo ali retratado.

O próprio jornal sabe que o texto é machista e que sua literatura não justifica a publicação. Tanto é que, rapidamente, o texto publicado com o título “O primeiro dia de trabalho de Melissinha” na versão impressa foi logo retirado do ar na versão digital. No site, antes de ser tirado do ar, o texto vinha com o título de “A Estagiária”.

A crônica já começa exalando a objetificação logo de cara. “Primeiro dia de trabalho, Melissa, estudante de comunicação social de uma faculdade particular de Brasília, logo mostrou a que veio. Decotinho perverso, coxas de fora”. Ao longo do texto, o autor vai descrevendo em detalhes, sem qualquer senso crítico, o machismo vivido pela personagem que, segundo o cronista, tem apenas um “defeito”: o namorado.

Apesar de o texto ter sido retirado do ar, internautas conseguiram salvar a imagem com um “print”.

Confira abaixo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum