Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
17 de janeiro de 2020, 07h34

Democracia em Vertigem: Veja diz que “polarização ideológica” chega a Hollywood pela “ótica irreal do PT”

Na entrevista com Petra Costa, diretora do documentário, Veja pinça uma frase da cineasta para dar a manchete de que a filmagem do golpe - chamado de impeachemt pela revista - foi "uma experiência deprimente e única”

Capa e chamadas da Veja sobre Democracia em Vertigem (Montagem)

Em reportagem de capa na edição que chega às bancas nesta sexta-feira (17), a revista Veja monta sua própria narrativa sobre a indicação de Democracia em Vertigem para o Oscar de Melhor Documentário e diz que “a indicação de Petra Costa e seu filme à estatueta de documentário leva o drama nacional aos holofotes em Hollywood — e pela óptica peculiar e irreal do PT”.

No texto, Veja chama de “tumulto natural de um impeachment” o processo que levou ao golpe parlamentar de Dilma Rousseff e diz que junto à “algaravia”, os parlamentares “tinham de lidar com uma tensão adicional: a presença de equipes de documentaristas”.

“Mas quem se destacava era uma moça inquieta — e obsessiva: a cineasta mineira Petra Costa. Ela enlouquecia os políticos e até sua equipe com determinações como gravar na íntegra as sessões do impeachment. Petra contava com a simpatia explícita dos petistas e montou seu QG nos gabinetes dos então senadores Lindbergh Farias (RJ) e Gleisi Hoffmann (PR)”, diz a Veja.

Segundo a revista da família Civita, foi o lançamento do filme em 190 países que “provocou reações extremadas por aqui”.

“O enredo corrobora a versão, tão alardeada pelo partido, de que o impeachment “foi golpe”. No lado oposto ficaram aqueles que enxergaram no impeachment a libertação do país da corrupção sistêmica dos doze anos do PT, exposta pela Operação Lava-Jato. Para essa massa de brasileiros, Democracia em Vertigem é um exercício vitimista apoiado numa visão convenientemente ilusória dos fatos”, afirma a revista, sem se incluir na “massa de brasileiros”.

Segundo a publicação, a indicação do filme ao Oscar seria um recado ao governo Jair Bolsonaro. “A simbologia política da indicação é óbvia. Para Hollywood, pouco importa o drama particular de Dilma. A chegada ao Oscar soa mais como recado ao governo de Jair Bolsonaro, que desagrada a celebridades do cinema com sua cruzada contra o ativismo ecológico na Amazônia e suas posições sobre a questão indígena”.

Petra Costa
Na entrevista com Petra Costa, diretora do documentário, Veja pinça uma frase da cineasta para chamar no título que a filmagem do golpe foi “uma experiência deprimente e única”.

“Fogos de artifício marcaram cada etapa do processo. A condução coercitiva de Lula, o dia 17 de abril, a posse de Temer e a eleição de Bolsonaro. Eles vinham anunciando o raiar de um velho dia. Neste ano novo, percebi quanto esse ruído havia me traumatizado. Eu nunca tinha entrado no Congresso Nacional. E de repente estava ali, assistindo em primeira mão aos bastidores de uma crise que mudou nosso destino. Foi uma experiência única. Deprimente e única”, diz Petra, ao ser indagada sobre a experiência de “ver de perto o processo de impeachment da ex-presidente”.

A publicação ainda tenta, a todo custo, ligar a cineasta a Lula e ao PT, dizendo que a proximidade dela é atestada pelo fato de Lurian, filha do ex-presidente, ter vivido com sua família em Paris nos anos 90. “Até que ponto a intimidade com Lula abriu as portas?”, pergunta Veja.

“Eu só tinha 8 anos na época e não cheguei a conhecer o Lula, apenas o vi falar em público algumas vezes. Em 2016, escrevi uma carta em que pedia uma entrevista. Soube depois que ele nunca a leu. Passei 24 semanas insistindo para gravar até ele topar, depois de um dia em que fiquei dez horas plantada no instituto dele”, respondeu Petra, explicando que a temporada em Paris se deu após a mãe perder a filha, Elena, então com 20 anos.

“Nessa mesma época, ela tinha ficado sensibilizada com a exposição da Lurian, tão nova, na eleição de 1989, e a convidou para ir conosco. Minha mãe não era próxima do Lula, o convite foi feito por meio de uma amiga em comum. E ela topou”.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags