Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de maio de 2019, 11h50

Em editorial, Band defende decreto do porte de arma: “Vontade popular”

Apresentador do Jornal da Band leu ao vivo um editorial do Grupo Bandeirantes que, sem nenhum embasamento técnico, defende o decreto assinato pelo presidente Jair Bolsonaro que flexibiliza o porte de arma para inúmeros segmentos da sociedade; "O cidadão honesto exigiu"

Reprodução

Na contramão do entendimento de especialistas, o Grupo Bandeirantes divulgou um editorial em que se posiciona a favor do novo decreto que flexibiliza o porte de armas de fogo para inúmeros segmentos sociais assinado na última terça-feira (7) pelo presidente Jair Bolsonaro.

Lido ao vivo pelo âncora do ‘Jornal da Band’, Rafael Colombo, na noite desta sexta-feira (10), o texto da empresa de comunicação, sem nenhum embasamento técnico, sugere que as pessoas “não entenderam” o decreto e justifica sua defesa com o argumento de que a medida atende a um anseio popular.

“O cidadão honesto exigiu o direito de ter a sua arma. O decreto de agora é a resposta a esta escolha democrática. Vamos respeitar a vontade popular? Esta é a opinião do Grupo Bandeirantes”, diz um trecho do editorial.

O Grupo Bandeirantes, no entanto, ao falar da “vontade popular”, ignorou o fato de que, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada em abril, 64% dos brasileiros se dizem contra o porte de arma de fogo.

À Fórum, o coordenador de Projetos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, David Marques, afirmou que a nova flexibilização contraria todas as evidências científicas nacionais e internacionais, que indicam que quanto mais armas em circulação na sociedade mais crimes nós temos, não o contrário.

O novo decreto de Bolsonaro vem sendo criticado, também, pela Justiça e pelo Congresso. A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber deu um prazo de cinco dias para que o presidente explique a medida. Consultores da Câmara e do Senado, por sua vez, elaboraram pareceres que indicam que o decreto de Bolsonaro extrapola limites legais, distorcendo o Estatuto do Desarmamento.

Faroeste 

O decreto sancionado por Jair Bolsonaro, publicado nesta quarta-feira (8) no Diário Oficial da União, estende o porte de arma para um conjunto de profissões, como advogados, caminhoneiros e políticos eleitos – desde o presidente da República até os vereadores. O direito ao porte é a autorização para transportar a arma fora de casa. A medida ainda abre brechas para que adolescentes possam treinar tiro em clubes.

O texto foi assinado por Bolsonaro em cerimônia no Palácio do Planalto nesta terça-feira (7), quando ele citou apenas algumas das categorias que teriam o porte facilitado: caçadores, colecionadores e atiradores – conhecidos como CACs. Na ocasião, ele não detalhou o documento, que só foi conhecido hoje, quando foi publicado no DOU.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum