Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
24 de outubro de 2019, 19h50

Ilusão neoliberal: reportagem de Veja de 2008 previa Chile como país rico em 2020

Onze anos após a publicação da matéria, que chegou a elogiar a política econômica da ditadura Pinochet, a situação no país andino é bem diferente

Fotos: Reprodução/Twitter

“As medidas econômicas que colocaram o Chile à frente de seus vizinhos foram impostas em um contexto autoritário pelo general Augusto Pinochet. ‘A sabedoria dos governos democráticos foi reconhecer a qualidade da política econômica da ditadura e conservá-la’, disse a VEJA o ministro das Relações Exteriores, Alejandro Foxley”.

É dessa maneira, destacando uma exaltação do regime militar chileno, que uma matéria da revista Veja de 2008 tentava elencar o país andino como uma promessa da economia. O texto informava que se permanecesse naquele ritmo crescimento, encampando políticas neoliberais herdadas da era Pinochet, o Chile conseguiria entrar para o grupo de países desenvolvidos.

A reportagem dizia que a renda de uma família chilena era quatro vezes maior do que a de uma família brasileira, e que as pessoas da classe C no Chile, se morassem no Brasil, fariam parte das classes A e B.

Passados onze anos após a publicação da matéria, o cenário no país comandado por Sebastián Piñera é bem diferente. Há mais de uma semana que um verdadeiro levante popular tomou conta do país em meio a um estado de exceção que impôs toques de recolher e uma intensa repressão policial.

A principal causa da ebulição social chilena é grande desigualdade social que existe no país, alicerçada através de retirada de direitos, privatizações e políticas econômicas neoliberais. Assim como no Brasil, 1% da população detêm mais de 25% de renda. Além disso, a previdência do país não cobre a aposentadoria das pessoas mais velhas, o que faz do Chile uma das nações com o maior índice de suicídios entre idosos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum