Entrevista exclusiva com Lula
14 de janeiro de 2019, 17h32

Liberdade de imprensa: Altamiro Borges derrota Kim Kataguiri na Justiça

O jornalista Altamiro Borges foi alvo de um processo movido pelo líder do MBL por tê-lo chamado, em um de seus artigos, de "fascista" e "mirim"; juíza entendeu, no entanto, que ação de Kim Kataguiri denota tentativa de censura e atenta contra a liberdade de imprensa

Kataguiri lidera esforço para avanço da agenda econômica liberal -Reprodução

O jornalista Altamiro Borges derrotou na Justiça o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). A decisão foi divulgada nesta segunda-feira (14) pela Carta Capital.

Líder do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos principais agitadores dos protestos pelo impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, Kim abriu um processo contra Borges, que é presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, por ter chamado o hoje parlamentar de “fascista”, “mirim” e “pirralho fascista” em um artigo publicado no início de 2016.

Na ação, os advogados de Kim Kataguiri pediam indenização de R$30 mil por danos morais, além da retirada do artigo em questão do ar, que foi reproduzido pelo Brasil 247 e pelo site da CUT. Para Kim, os adjetivos usados por Borges configurariam “ofensas” e “injúrias”, que ultrapassariam o limite da opinião jornalística.

A juíza Marcela Dias de Abreu Pinto Coelho, da Segunda Vara do Juizado Especial Cível de São Paulo, no entanto, entendeu o oposto e negou o pedido. De acordo com a magistrada, as palavras do jornalista foram utilizadas no âmbito da liberdade de imprensa e se o pedido de indenização e retirada do conteúdo fosse atendido, estaria denotando censura.

“Entendo que todo o conteúdo das matérias acostadas na inicial, publicadas e de autoria dos réus, não representa senão o exercício de direitos constitucionalmente garantidos, sendo estes o da livre manifestação do pensamento e liberdade de expressão e imprensa, cujo abuso não restou evidenciado”, pontuou a juíza, que ainda complementou. “Imperioso destacar, ainda, que a utilização do termo ‘fascista’, destaca, de forma extrema e em teor de veemente crítica à sua conjuntura, o posicionamento político do autor, sob a ótica dos requeridos”.

A decisão judicial ainda é passível de recurso.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum