Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de janeiro de 2020, 19h31

PM revista jornalistas em busca de “ilícitos” e fotógrafo do Estadão é agredido

“Foi um cerceamento de um trabalho de imprensa”, declarou o jornalista Arthur Stabile, um dos alvos dos PMs

Stabile e Martins foram revistados pela PM-SP | Foto: Rogério de Santi/Ponte .Jornalismo

A Polícia Militar de São Paulo tentou impedir que profissionais de comunicação reportassem as agressões e os abusos dos agentes do Estado durante ato promovido pelo Movimento Passe Livre (MPL), na quinta-feira (9). Jornalistas foram revistados e um fotógrafo foi agredido.

Reportagem da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) relata que policiais promoveram agressões físicas, detenções e revistas, corporal e de suas mochilas, em busca de “ilícitos”, contra profissionais de comunicação que buscavam cobrir a manifestação. O repórter Arthur Stabile, da Ponte Jornalismo, e o repórter fotográfico Lucas Martins, dos Jornalistas Livres, passaram por uma longa revista, que envolveu até checagem de antecedentes criminais.

“Foi um cerceamento de um trabalho de imprensa”, disse Stabile.

O fotojornalista Daniel Teixeira, que trabalha para O Globo e Estado de S. Paulo, ainda foi golpeado nas costas por cassetetes mesmo com as câmeras nas mãos e com a identificação de jornalista. Um outro fotógrafo também levou um bomba de gás nas costas.

“Eu estava de costas fotografando quando senti a pancada. Eu não sabia o que tinha me atingido até que um colega me contou que viu um policial me dar um golpe com o cassetete. Como tudo aconteceu muito rápido, do início do confronto até a dispersão, eu sequer olhei para trás pra saber o que tinha me acertado, eu estava muito concentrado no que estava acontecendo”, disse Teixeira.

O Sindicato de Jornalistas de São Paulo e a Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj) exigiram do governo do Estado, comandando por João Doria (PSDB), “o respeito da PM ao exercício profissional dos jornalistas, que têm se tornado alvos de tratamento hostil”.

Antifascista

A Polícia Militar também impediu que uma bandeira antifascista fosse estendida por manifestantes. De acordo com a Ponte Jornalismo, um policial ameaçou prender um manifestante por conta da faixa: “Se pegar a bandeira vai pro DP”.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum